Advogada brasileira suspeita de participar de “mega-assalto” é presa no Paraguai

advogada presa assalto

Uma advogada brasileira de 36 anos foi presa em Ciudad del Este, no Paraguai, na terça-feira (3). Ela estava foragida da Justiça brasileira desde novembro de 2016 quando foi deflagrada a Operação Ethos. A polícia do Paraguai afirmou que ela também é suspeita de envolvimento no mega-assalto a um carro forte da Prossegur, na madrugada do dia 23 de abril.

A mulher foi presa no apartamento onde morava com o companheiro e a mãe. O homem também foi detido. O Ministério Público afirmou que a suspeita é responsável por administrar dinheiro do PCC (Primeiro Comando da Capital) para casos de prisão de integrantes ou feridos em confronto. Outros 30 advogados ligados a organização criminosa foram presos durante a operação.

A participação no assalto a empresa de valores continua em investigação. No dia do assalto, o ministro do interior do Paraguai, Lorenzo Lezcano, afirmou que o roubo poderia estar ligado a organização criminosa.

Operação Ethos 

A advogada estava entre os cinco investigados ainda foragidos na operação, de acordo como Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). O órgão deve pedir que a suspeita seja extraditada para o Brasil para que ela responda pelos crimes praticados no país.

A Operação Ethos investiga organizações criminosas, lavagem de dinheiro, associação para crimes de lavagem, corrupção ativa e exploração de prestígio.