Polícia estuda medidas de segurança a aplicativos de transporte

placas aplicativos transporte
Do Metro Curitiba

A morte do motorista de Uber Alex Srour Ribeiro, de 28 anos, vítima de um latrocínio em Piraquara, levará a Sesp (Secretaria de Segurança Pública) a estudar medidas para proteger trabalhadores e usuários dos aplicativos de caronas no Paraná.

O anúncio foi feito ontem pelo secretário de Segurança Pública, Wagner Mesquita, após as prisões dos dois últimos envolvidos no assassinato.

No último domingo, foram detidos no Litoral Maicon Carvalho, apontado como líder da quadrilha de seis membros, e mais um adolescente – o grupo é suspeito de outro latrocínio e dois roubos a motoristas. “A população absorve essa ferramenta [o aplicativo], e é natural que a marginalidade também veja ali um nicho de trabalho”, avalia Mesquita. “Toda ferramenta nova tem que ser aprimorada, também sob a ótica da segurança pública”, afirma.

O caso Srour foi morto na última quarta-feira, um dia após ter sido chamado para uma corrida no Bairro Alto, onde a quadrilha estava reunida. Ao entrarem no carro, três homens deram voz de assalto e Srour teria reagido. Ele foi morto a facadas, golpes de martelo e foi achado amordaçado e com as mãos e pés amarrados em um terreno. “Foi um crime bárbaro”, resumiu o delegado Luiz Fernando Artigas, do Tigre, grupo da Polícia Civil especializado em sequestros