Confronto entre torcedores foi intencional, segundo a polícia

Briga de torcida

A Delegacia Móvel de Atendimento ao Futebol e Eventos (Demafe) prendeu, neste domingo (18), um rapaz de 24 anos suspeito de agredir um torcedor do Corinthians antes do jogo contra o Coritiba. João Carlos de Paula, integrante da torcida organizada Império Alviverde, foi identificado em imagens da briga. Segundo a polícia, cerca de sete pessoas teriam participado da agressão e a delegacia trabalha para identificar outros envolvidos.

Para as autoridades, a confusão entre torcedores da Império Alviverde e do time adversário teria começado porque três ônibus e uma van que traziam os torcedores do Corinthians desobedeceram o esquema de segurança elaborado pela Polícia Militar (PM) em parceria com as torcidas organizadas. Os veículos chegaram mais cedo, não foram escoltados e desembarcaram os torcedores ao lado da sede da Império Alviverde.

“Se o indivíduo que está vindo para o estádio não obedece e não segue as orientações da polícia, isso gera uma situação de risco diferenciada, que foi o que aconteceu”, disse o secretário de Segurança Pública, Wagner Mesquita. “O que realmente propiciou a ocorrência desse evento foram estes três ônibus que não obedeceram o que era determinado. Todos os outros foram devidamente recebidos nas portas da cidade, escoltados, os torcedores foram isolados na entrada e saída. Tanto é que não houve nenhum outro episódio”, disse.

O secretário ressalta que a torcida organizada não teve participação e que a briga foi um evento isolado. “Cabe destacar que as direções das torcidas organizadas mantêm um relacionamento direto com a polícia, colaboram com as investigações e não incentivam este tipo de situação”, disse.

O torcedor identificado nas imagens foi identificado e preso dentro do estádio. “Ele confessou o crime aqui na delegacia. Temos a confissão e a materialidade, não resta dúvida”, afirma o delegado Clóvis Galvão, da Demafe, responsável pela investigação.

Veja o vídeo da agressão:

Tanto o torcedor detido quanto os demais integrantes da torcida organizadas possuem cadastro na Polícia Civil. Com essas informações, outros três agressores já foram identificados e o Demafe trabalha para localizar outros suspeitos.

João Carlos de Paula deve responder por crime de tentativa de homicídio, podendo pegar de oito a vinte anos de prisão. Ele permanece à disposição da Justiça.

Confronto intencional

Para o delegado Clóvis, o confronto foi intencional. “Afirmo para os senhores: os três ônibus que não foram cadastrados e pararam próximo à sede da Império pararam lá para confrontar com a Império”, disse. “Nós já temos o cadastro de todos os torcedores da torcida organizada. Essa parceria firmada na delegacia. E quando vimos os vídeos, dois ou três já foram identificados pela equipe de investigação. Tanto que um foi preso, está sendo autuado por tentativa de homicídio”.

Segundo o tenente-coronel Wagner Lúcio dos Santos, da Polícia Militar (PM), o esquema de segurança havia sido acordado com as torcidas. “Três ônibus e uma van simplesmente burlaram todo esse aparato policial que estava previsto”, conta. “Eles chegaram antes do horário previsto e não nos foi repassado que eles viriam. Desembarcaram próximo à torcida organizada”.

“Se nós observarmos, eles estavam mal-intencionados. Nós fizemos contato com as torcidas organizadas do Corinthians”, afirma o tenente-coronel. “Eles se reuniram, vieram mais cedo, com esse intuito de enfrentamento com a torcida adversária”.

Ainda segundo ele, só é possível confirmar que se tratavam de torcedores do Corinthians, mas não é possível confirmar se pertenciam e a que torcida organizada pertenciam. Agora, segundo o tenente-coronel, a polícia trabalha com as autoridades de São Paulo para aprofundar a investigação e evitar novas ocorrências.

Torcedor agredido

“A vítima foi submetida a tratamento hospitalar, foi submetida a uma tomografia e liberada. O hospital entendeu que não havia risco naquele momento. Ele está a caminho de São Paulo”, afirma o secretário Wagner Mesquita.

O torcedor agredido foi identificado como Jonatan José Gomes Souza da Silva, de 29 anos. O delegado Clóvis Galvão chegou a confirmar a morte dele durante a manhã, mas desmentiu a informação em seguida.