Homem tem queimaduras de terceiro grau após ataque homofóbico em Curitiba

Ato contra LGBTfobia no Rio de Janeiro | Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil
Ato contra LGBTfobia no Rio de Janeiro | Foto: Tânia Rêgo/Agência Brasil

Um homem de 40 anos está internado com queimaduras graves pelo corpo no Hospital Evangélico, em Curitiba, após ser vítima de um suposto ataque homofóbico na noite do último domingo (14).

De acordo com o boletim de ocorrência registrado por um amigo da vítima no Setor de Vulneráveis da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP) nesta segunda-feira (15), o homem caminhava pelo bairro Alto da XV, próximo a sua residência, quando foi abordado por um homem. O agressor proferiu um xingamento homofóbico e jogou um líquido, ainda não identificado. O ácido causou queimaduras de terceiro grau no rosto, braços e tórax da vítima.

> Curitiba terá unidade especializada na investigação de crimes de ódio
Professor dá aula vestido de drag queen no Paraná para combater homofobia

Foto: Divulgação/AEN

Foto: Divulgação/AEN

Ele foi encaminhado para o Hospital Evangélico, referência em queimados no Paraná, para tratamento e poderá ter sequelas.

De acordo com o hospital, o quadro do homem é estável e não será necessário a internação na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

Em nota, a Polícia Civil afirma que testemunhas já estão sendo ouvidas. “Outros detalhes não serão repassados para não atrapalhar as diligências policiais”, diz a nota.

Homofobia em Curitiba

Em abril, outro caso envolvendo crime de ódio teve como cenário a capital paranaense. O casal João Pedro Schonarth, de 29 anos, e Bruno Banzato, de 31, foram alvos de um panfleto homofóbico distribuído na rua em que terminavam a construção de sua casa no bairro Água Verde.

Casal denuncia panfleto homofóbico e sabotagem em futura residência

No folhetim, com a foto de um casal homossexual, o autor – que não se identifica – diz “se fazem isso em público. Imaginem o que fazem quando estão a sós ou com os amigos mais próximos ou com as pessoas próximas a você [sic]”, e destaca o endereço do casal.

O caso também é investigado pela Polícia Civil.