Jovem que matou adolescente em estação-tubo diz que “quis defender a lei”

Foto: Polícia Civil
Foto: Polícia Civil
Por CBN Curitiba

O suspeito de matar um adolescente de 16 anos há uma semana em estação-tubo se apresentou na manhã desta sexta-feira na Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa de Curitiba. O jovem foi ferido com um canivete na estação-tubo Hospital Cajuru, no bairro Cristo Rei, durante uma confusão envolvendo estudantes que tentavam entrar em um ônibus biarticulado sem pagar passagem.

> Multa aos ‘fura-catracas’ é aprovada na Câmara de Curitiba

O suspeito é um jovem de 18 anos. Ele foi identificado pela Polícia Civil e, por meio do Disque Denúncia, a equipe da DHPP conseguiu o endereço da casa dele. No local, os policiais encontraram o canivete utilizado no crime.

As imagens do crime e da fuga do suspeito foram divulgadas nesta semana pela Polícia Civil. O delegado Fábio Amaro, da DHPP, disse que isto foi fundamental para a apresentação do jovem. O suspeito não foi preso. “É importante salientar que em razão desse jovem não possuir antecedentes e ter se apresentado espontaneamente nessa unidade, isso nos impede de prendê-lo nessa oportunidade. Isso não significa que a polícia não poderá pedir algum mandado de prisão em desfavor dele, caso as investigações necessitem”, explica.

> Vídeo mostra fuga de suspeito de matar adolescente em estação-tubo
> Polícia ouve testemunhas para apurar morte de jovem esfaqueado em ônibus

O suspeito disse que esperou para se apresentar à delegacia por orientação de advogados e alegou legítima defesa.

“Quando eu fui abordado e agredido, nesse momento eu apenas tentei me defender e garantir a minha integridade física. Já que eu estava sendo muito agredido com golpes na cabeça e nesse instante acabou acontecendo a fatalidade, que eu vim a descobrir apenas posteriormente”, conta.

O jovem afirmou que não conhecia nenhum dos estudantes que estavam na estação-tubo. E ainda revelou o motivo de ter tentado impedir o acesso dos estudantes que não queriam pagar passagem.

01

“Isso é um crime, não pode ser feito. Só que antes de eu conseguir chamar a polícia o colega me agrediu e eu tive que me defender anti essa circunstância. Eu não sou fiscal da Urbs, mas eu sou um cidadão desse país, um cidadão dessa cidade e eu gostaria de preservar o nosso patrimônio e os nossos direitos. O que me incomoda é que eles infringem o direito das pessoas, que todos os dias pagam as taxas de entrada para então embarcarem nos ônibus e eles não pagam por elas e embarcam nos ônibus indevidamente. Eu não quis fazer justiça, eu quis defender a Constituição, eu quis defender as leis e as regras que são iguais para todo mundo. Eu infringi também uma lei, mas eu infringi essa lei em conta do meu direito civil à defesa”, relata.

O jovem de 18 anos também explicou porque estava andando com um canivete.

“Eu tava com um canivete porque a nossa região é muito perigosa e eu já tenho medo daquele lugar, então eu tento ter apenas alguma coisa pra me defender. Na verdade eu quis defender a minha integridade e isso levou consequentemente a eu andar armado. Infelizmente os bandidos, as pessoas, andam com porte agressivo, andam também armados e eu acho que é nosso direito civil ter como se defender”, afirma.

Perguntado se sabia que a vítima pagou a passagem, o suspeito disse que o estudante não tinha que defender os colegas.

O jovem será indiciado por crime de homicídio qualificado tentado e consumado. Se condenado, poderá receber uma pena superior a 12 anos de reclusão.