Justiça põe em liberdade suspeito de participar de morte da soldado Bárbara

Soldado Bárbara
Redação com BandNews FM Curitiba

O suspeito de participar da morte da soldado Bárbara Aline da Rocha, Dario Andrada de Souza Junior, já está em liberdade. Ele foi solto por determinação da Justiça nesta quarta-feira (12). A informação foi confirmada pelo Departamento Penitenciário do Paraná (Depen).

Souza deixou a Casa de Custódia de São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC), e passa a utilizar tornozeleira eletrônica. O crime contra Bárbara aconteceu no dia 24 de dezembro de 2016, no aviário da família dela, em Pinhais, também na RMC.

Na ocasião, os bandidos chegaram em um Fiat Uno e estacionaram próximo ao local, na Rodovia João Leopoldo Jacomel. Um deles desceu já com a arma em punho e apontada para a soldado. Ela esboçou reação, mas não teve tempo, e acabou atingida na cabeça e no peito. O crime teria sido motivado por vingança, já que seis dias antes Bárbara teria acertado um tiro contra Dario em uma tentativa de assalto.

Soldado da PM foi morta por vingança, diz delegado
> “Questão de justiça, não de vingança”, diz coronel sobre solução para caso de policial assassinada

O grupo foi preso no começo de janeiro. Na época da prisão, o delegado-titular da Delegacia de Pinhais Haroldo Davison defendeu que a punição ao grupo fosse severa e exemplar. “Eles prometeram uma vingança. Matar um policial simplesmente porque um ‘malandro’ se sente ofendido por não ter podido roubar alguém, ter sido reprimido nesse ato, aí ele quer se vingar de um policial… Não pode existir. Temos que punir com celeridade [sic]”, afirmou.

Dario foi preso já no primeiro crime. Os outros três suspeitos foram detidos em janeiro, no litoral do Paraná, como co-autores do crime. Entre eles, está um filho de um policial militar, colega de batalhão da soldado assassinada. Todos estão à espera do julgamento.

O crime

Bárbara fazia parte da corporação há três anos e atuava no Batalhão da Polícia de Guarda, em Piraquara, na Grande Curitiba. De acordo com a Polícia Militar, Bárbara estava de folga quando foi baleada à queima roupa. Ela estava em um comércio da família. As câmeras de segurança do estabelecimento comercial em que a soldado estava registraram a ação dos suspeitos. Ela não resistiu aos ferimentos e morreu no local.