Menina de seis anos foi abusada sexualmente antes de ser morta, segundo a polícia

Criança desaparecida em Umuarama

A menina Tabata Fabiana Crespilho Rosa, de apenas seis anos, foi abusada sexualmente antes de ser assassinada, segundo informações da Polícia Civil. A criança desapareceu na terça-feira (26), após ser deixada na escola pelo irmão, de 13 anos.

Seu corpo foi encontrado na quarta-feira (27), após a prisão do suspeito, Eduardo Leonildo da Silva, de 30 anos. Ele foi identificado graças a câmeras de segurança.

As imagens gravadas em ruas do bairro Parque Danieli, onde fica a Escola Municipal Rui Barbosa, teriam mostrado o homem já com a menina. Ele aparece nas imagens com um veículo Gol, no qual a criança teria entrado espontaneamente. Após a prisão, ele confessou o crime e levou os policiais ao local.

A informação de que Tabata sofreu abuso sexual foi confirmada após exames periciais.

O suspeito já esteve preso antes, pelo assassinato da jovem Ana Maria Rosenes, de 15 anos, em 2010. A adolescente desapareceu no dia 27 de agosto e seu corpo foi encontrado dois dias depois, em um terreno baldio na cidade. A polícia apurou que Ana foi morta a pedradas por Eduardo.

A mãe de Tabata, Fernanda Crespilho, e o padrasto, Willian, disseram que o homem é conhecido ‘de vista’. Eles também disseram que ele foi preso e solto novamente recentemente – e que depois que ele retornou da cadeia não o tinham mais visto.

De acordo com o delegado Osnildo Carneiro Lemes, a morte da criança foi por esganadura. “O caso está resolvido já, com a prisão do autor do crime. Ele já confessou, indicou o local onde havia escondido o corpo da Tabata”, disse.

“O preso está sendo autuado em flagrante. Claro que, por medida de segurança, foi encaminhado também para uma outra unidade da Polícia Civil”, explica o delegado. Na quarta-feira, após a prisão, centenas de pessoas depredaram a delegacia e a praça em uma tentativa de linchamento do suspeito. O interrogatório anterior, que acontecia no momento, precisou ser interrompido e, de acordo com o delegado, pode ser retomado em breve, para informações complementares.

O delegado explica, ainda, que, agora, os esforços estão concentrados no trabalho de identificação das pessoas que depredaram o prédio da Delegacia de Umuarama.