Menor é suspeito de provocar incêndio que matou cadeirante em Maringá

cadeirante incêndio
Do Metro Maringá

A Delegacia de Homicídios de Maringá, no noroeste do estado,  identificou um adolescente de 17 anos suspeito de provocar de forma não intencional o incêndio que matou o cadeirante Cláudio Aparecido Lopes, 40 anos, na noite da última segunda-feira (7).

Ele morreu carbonizado na casa em que morava na Rua Campos Sales, na Zona 7. De acordo com informações da Delegacia de Homicídios, câmeras de segurança da vizinhança registraram a entrada e saída do menor da residência na noite do incêndio.

Ele prestou esclarecimentos à Polícia Civil e relatou que deixou cair um fósforo aceso no chão molhado com aguardente que os dois estavam consumindo, o fogo atingiu o cadeirante e que tentou apagá-lo. Depois, o menor saiu da casa para pedir ajuda, segundo a polícia. O caso será encaminhado à Delegacia da Mulher e do Adolescente.

O fogo atingiu a sala e um pequena parte da cozinha e foi controlado pelo Corpo de Bombeiros em cerca de 10 minutos. O CB foi comunicado às 23h30. O rapaz, que aparentava ter 25 anos, foi encontrado pelos bombeiros carbonizado caído na sala, a cerca de 1,5 metro de distância da cadeira de rodas. “Demorou cerca de 2 minutos para chegarmos ao local, que é próximo do grupamento. Ele não respondia. Já estava morto”, disse a tenente Luisiana Guimarães Cavalco, chefe da Comunicação Social do 5º Grupamento de Bombeiros.