Superlotações em presídios do Paraná devem ser reduzidas até 2018

Foto: Rodolfo Buhrer / Paraná Portal
Foto: Rodolfo Buhrer / Paraná Portal
Com BandNews FM Curitiba

Até 2018, o Paraná deve ter 8 mil novas vagas no sistema penitenciário. A promessa é de que reformas em presídios e construção de novas unidades reduzam a superlotação que hoje se concentra nas carceragens de delegacias do estado.

Em todo o Paraná, 9 mil presos dividem espaço em cadeias que teriam capacidade para apenas 4 mil pessoas. São cerca de 150 delegacias que mantêm carceragens, mas 52 delas estão interditadas por decisões judiciais. Nas 33 unidades ligadas ao Departamento Penitenciário do Estado do Paraná (Depen), são aproximadamente 20 mil detentos para um igual número de vagas.

O secretário de Estado da Segurança Pública, Wagner Mesquita, diz que a prioridade é resolver o problema das delegacias. “Hoje não há superlotação no Departamento Penitenciário do Estado do Paraná,. Temos 20 mil vagas e 20 mil presos. Nós temos, sim, 9 mil indivíduos presos em delegacias da Polícia Civil que é uma carceragem inadequada. Isso dificulta o trabalho da Polícia Civil, isso impede que ela progrida em suas investigações e essa é a nossa prioridade”, conta.

> PCC é facção criminosa que predomina no Paraná

Alguns projetos de obras que previam abertura de vagas em regime semiaberto foram modificados para ampliar a oferta em regime fechado. De acordo com o secretário, a ideia é trabalhar com o uso de tornozeleira eletrônica para reduzir o custo do sistema e o inchaço das carceragens. “É muito mais barato do que manter o individuo no regime semiaberto”, declara Mesquita.

> Guerra entre facções foi identificada há meses por Inteligência do Paraná, diz Sesp
> Presos rebelados querem construção de muro para isolar PCC

A expectativa do governo do estado é receber aproximadamente R$ 188 milhões para realizar as obras no sistema penitenciário. Um total de R$ 130 milhões são de projetos apresentados ao Ministério da Justiça, que preveem a abertura de 7 mil vagas, em 14 projetos.

São 6 obras de ampliação e 8 novas unidades. Outros R$ 58 milhões devem vir do Fundo Penitenciário. Desse total, R$ 31 milhões devem ser investidos na construção de uma unidade com 1050 vagas e R$ 27 milhões, na compra de equipamentos.