PT suspende Antônio Palocci após depoimento e acusações contra Lula

Daniel Dereverick/ La imagem
Daniel Dereverick/ La imagem

O Partido dos Trabalhadores (PT) decidiu, por unanimidade, suspender por 60 dias o ex-ministro dos governos de Lula e Dilma, Antônio Palocci, de todas as atividades relacionadas ao partido enquanto abre o procedimento disciplinar para avaliação do comportamento do então petista.

“[Palocci] rompeu seu vínculo com o partido e descomprometeu-se com a sua militância”, diz nota do partido.

Em nota, o partido afirma que “ao mentir, sem apresentar provas e seguindo um roteiro pré-estabelecido em seu depoimento na 13ª Vara da Justiça Federal, em Curitiba, no último dia 06 de setembro, Palocci colocou-se deliberadamente a serviço da perseguição político-eleitoral que é movida contra a liderança popular de Lula e o PT”. Ainda de acordo com a nota, o processo de avaliação disciplinar deve ser concluído em prazo não superior a 60 dias.

Palocci detalha esquema de R$ 300 mi da Odebrecht ao PT
‘Palocci falou tudo o que o PowerPoint queria que ele falasse’, diz Lula
“Dissimulado é ele”, diz defesa de Palocci sobre Lula

Denúncia contra Lula

De acordo com a denúncia do Ministério Público Federal (MPF), Lula teria recebido o terreno para sede do novo Instituto Lula, avaliado em cerca de R$ 12,4 milhões, como vantagem indevida por contratos da empreiteira com a Petrobras. A obra nunca foi realizada. O negócio, de mais de R$ 12 milhões, teria sido fechado com a intermediação do ex-ministro Antonio Palocci e de seu assessor, Branislav Kontic, também réus da ação penal.

> Defesa levanta suspeita sobre e-mail recebido na véspera da busca e apreensão no Instituto Lula
Valor do terreno do Instituto Lula foi debitado da “conta Italiano” no departamento de propinas da Odebrecht, diz executivo

A denúncia também narra o fato de que Lula também teria recebido o apartamento vizinho ao que mora por meio de vantagens ilícitas. Nesse caso, o MPF aponta que foram usados mais de R$ 504 mil na compra do imóvel e que teria sido adquirido pelo engenheiro Glaucos da Costamarques, primo de José Carlos Bumlai, amigo de Lula, que seria uma espécie de testa de ferro da operação.

A defesa do ex-presidente nega as acusações. De acordo com os advogados, Lula jamais recebeu a propriedade de um imóvel para o Instituto Lula e ele não é “dono” ou beneficiário de qualquer patrimônio da instituição.