Deputados pedem o impeachment de Temer; entenda o processo

Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil
Foto: Antonio Cruz/Agência Brasil

Após a publicação da reportagem do jornal “O Globo”, no início da noite de quarta-feira (17), sobre a delação premiada dos empresários Joesley e Wesley Batista, proprietários do frigorífico JBS, que envolvem o presidente da República Michel Temer (PMDB) na compra do silêncio do deputado cassado Eduardo Cunha (PMDB), preso em Curitiba, deputados protocolaram um pedido de impeachment na Câmara dos Deputados.

> Fachin homologa delação da JBS que envolve Temer e Aécio

O autor do pedido de impeachment foi o deputado Alessandro Molon (Rede-RJ). O pedido ainda precisa ser aceito pelo presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ). Se ele for aceito, será criada uma comissão especial para analisar o assunto. “Diante da gravidade dos fatos narrados, torna-se evidente que o presidente praticou conduto que se enquadra nos tipos mencionados, o que torna inevitável o recebimento da presente denúncia”, diz o texto do pedido de impeachment de Temer apresentado por Molon.

> Movimentos de esquerda e direita marcam manifestações para impeachment de Temer

Na noite de ontem, deputados da oposição gritaram pelo impeachment de Temer. “Se isso é verdade, a gravação tem de ser verificada, mas isso incinera o governo, a reforma da Previdência. [Tem de ter] o impeachment imediatamente, fica insustentável. O processo tem de tramitar, mas é inexorável”, afirmou o deputado Afonso Florence (PT-BA).

> Leia o pedido de impeachment na íntegra

O pedido de impeachment coloca o Rodrigo Maia em uma situação diferente de quando a ex-presidente Dilma Rousseff foi afastada do cargo. Isso porque, em caso da eventual abertura do processo na Câmara, Maia poderá ser conduzido, mesmo que interinamente, ao cargo de presidente da República.

No caso do processo apresentado pelos juristas Helio Bicudo, Miguel Reale Jr. e Janaína Paschoal que culminaram no afastamento de Dilma, o rito do impeachment demorou 321 dias para ser concluído. Na época, Temer assumiu o cargo interinamente após 210 dias, quando o Senado aprovou a admissibilidade do processo enviado pela Câmara.


Confira os ritos: