Políticos paranaenses são citados na “lista de Fachin”

listafachin

Além dos 74 inquéritos abertos pelo ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, contra políticos com foro no STF delatados no acordo de colaboração dos executivos e ex-executivos da Odebrecht, outras 201 petições foram distribuídas pelo ministro para os tribunais competentes, de acordo com o foro de cada autoridade citada. Entre os processos remetidos ao Superior Tribunal de Justiça, foro para ações contra governadores de estado, está a petição 6665, que tem como alvo o governador do Paraná Beto Richa (PSDB).

Apesar de o nome do governador ter sido divulgado no documento publicado pelo STF, o teor da petição do Ministério Público Federal ainda está sob sigilo. Nos encaminhamentos a outras cortes também estão citados outros políticos paranaenses, como o ex-ministro Paulo Bernardo e a senadora Gleisi Hoffmann, que tiveram as petições contra eles remetidas aos processo já abertos no Supremo Tribunal Federal, o senador Osmar Dias (PDT), citado junto com o ex-ministro Carlos Lupi, presidente do PDT, e por isso, com a petição remetida à Justiça Federal do Distrito Federal e do presidente da Companhia de Habitação do Paraná, Abelardo Lupion (DEM), cujo caso foi encaminhado para a Justiça Federal do Paraná.

A lista dos casos remetidos a outros foros traz ainda nomes como o do governador de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), que teve a petição remetida ao STJ e, até, do ex-presidente Fernando Henrique Cardosos (PSDB) – enviado para a Justiça Federal de São Paulo. O ministro Edson Fachin ainda manteve sob sigilo dois inquéritos e 25 petições.

Em nota, o governado Beto Richa declarou: “Desconheço o contexto no qual tive meu nome citado. Todas as minhas campanhas tiveram a origem dos recursos declarada à Justiça Eleitoral”. A assessoria de imprensa de Gleisi Hoffmann informou que “a senadora Gleisi não tem informação sobre isso, desconhecendo a que se refere. Ela se pronunciará quando tiver informações a respeito”.

Confira a lita completa dos delatados pela Odebrecht