‘Me sinto preparada para governar’, diz Cida Borghetti sobre 2018

Foto: Jonas Oliveira
Foto: Jonas Oliveira
Redação com Metro Jornal Maringá

O Metro Jornal Maringá entrevistou a vice-governadora do Paraná Cida Borghetti (PP) na última semana. Pré-candidata ao governo do Estado, Cida visitou a cidade para anunciar o investimento de R$ 500 mil para compra de novas viaturas da Polícia Militar, a liberação de recursos para a instalação do Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas de Crimes (Nucria) entre outras aplicações no município.

> Irmão de vice-governadora recebeu propina de construtora da Quadro Negro, diz delator
Barros confia em Temer e diz que esposa vai assumir o Governo do PR
Família Barros lamenta derrota e aposta em Cida Borghetti nas eleições de 2018

A senhora já foi anunciada como pré-candidata do PP ao Governo em 2018. Como estão as articulações, as negociações com outros partidos?
Sim, recebi o convite das direções nacional e estadual da legenda para disputar as eleições ao Governo do Estado. Aceitei o desafio com muita responsabilidade. As negociações estão em andamento e cada legenda analisando o cenário. Essas conversas devem se intensificar a partir dos próximos meses. Da nossa parte trabalhamos para ampliar a coligação vencedora das campanhas de 2010 e 2014.

Qual a expectativa da senhora assumir o governo caso o Beto chegue a se licenciar?
Olha, a renúncia é uma decisão pessoal do governador Beto Richa e temos que respeitá-lo. O governador é um político novo com uma brilhante carreira política e caso ele dispute o Senado eu me sinto preparada para o desafio de governar o Paraná. Vivemos num Estado diferenciado, com as contas em dia e com capacidade de investimento. Aliado a isso, contamos com uma agropecuária pujante, indústria qualificada e diversificada, comércio forte e a população trabalhadora. Tenho disposição, vontade e gosto muito do que faço.

Como foram os dias em que a senhora esteve como governadora interina?
Foram oito dias de muito trabalho. Cumpri agendas no gabinete do Palácio Iguaçu e tive a oportunidade de viajar para entregar obras e anunciar investimentos que estão melhorando a vida dos paranaenses. Para Maringá, por exemplo, anunciamos a liberação de R$ 605 mil para a compra da sede do Núcleo de Proteção à Criança e ao Adolescente Vítimas Crimes (Nucria). Também fui a Londrina entregar viaturas para a polícia e casas populares em Toledo. Em Foz do Iguaçu anunciamos recursos para o hospital municipal. Em São Paulo representei o Paraná no Salão Internacional de Avicultura e Suinocultura, somos protagonistas no cenário nacional do setor. Ainda me reuni com o governador Geraldo Alckmin para discutir as ações do Projeto Angra Doce, aquela parceria firmada para desenvolver o turismo sustentável no entorno da Usina de Xavantes, no Paranapanema.

Quais os maiores desafios do governo do estado atualmente?
Ajudar a população brasileira a superar a crise, gerando empregos e oportunidades. O Paraná hoje tem um papel fundamental na economia brasileira. O caminho é uma gestão cada vez mais eficiente. Buscar a boa aplicação do recurso público, práticas inovadoras e parcerias com a iniciativa privada. O desenvolvimento harmônico e sustentável passa pela união de diferentes órgãos e entidades, da classe produtiva e dos trabalhadores. Acredito que o momento mais difícil da recessão tenha ficado para trás, como se vê pela queda da inflação, a redução dos juros e o início da retomada dos empregos. No Paraná esse movimento vem sendo ainda mais veloz. O Estado fez o ajuste fiscal, se preparou para enfrentar a crise e, desde o início do ano, acelera na geração de empregos e renda.

O que vem sendo feito e o que o governo estadual tem planejado para Maringá?
Maringá e região tem recebido muitos investimentos. Resultado não apenas do trabalho governo estadual, mas da união das lideranças da região; governo federal, estado, prefeituras, deputados federais e estaduais. Recentemente anunciamos recursos para a compra de viaturas da Guarda Municipal, mais 10 viaturas para a PM e o aumento do efetivo policial. Também repassamos R$ 10 milhões, via financiamento, para a prefeitura construir espaços de convivência. O aeroporto terá a pista ampliada para receber aviões maiores com investimento de R$ 120 milhões. O Centro de Especialidades caminha para a fase final, a obra física está pronta e falta apenas o mobiliário. Investimos no fortalecimento da UEM e na ampliação dos leitos do HU. O Tecpar instalará uma moderna planta para produção de medicamentos e vacinas, consolidando o Parque Biotecnológico da Saúde. O IML está com sede nova, a região conta com resgate e transporte aeromédico, a Sanepar e a Copel estão ampliando os investimentos. Temos o Família Paranaense e o Mãe Paranaense que tem alcançado resultados espetaculares na proteção das famílias.

O que a senhora tem a dizer sobre a denúncia em que aparece na Operação Quadro Negro?
A denúncia não procede e não tem relação alguma com a operação Quadro Negro. A operação investiga desvios ocorridos até 2014, nesse período eu era deputada federal. A funcionária citada pelo delator, e réu confesso, é uma servidora de carreira do Estado, que ocupou diferentes funções de chefia em vários órgãos. Ela esteve na Educação, Cohapar, Casa Civil, Desenvolvimento Urbano e agora está na Administração. Ela jamais cumpriu expediente na vice-governadoria. Estou tranquila e à disposição para eventuais esclarecimentos.

Corrida eleitoral

Faltando mais de um ano para a votação, o cenário político paranaense vem sofrendo importantes movimentações nas últimas semanas. Sem esconder o interesse pelas vagas na disputa, Osmar Dias (PDT), Ratinho Junior (PSD) e Cida Borguetti (PP) estão percorrendo os municípios e procurando lideranças – em busca de visibilidade eleitoral e de apoio político.

Esquenta a corrida pelo Palácio Iguaçu