PSOL ingressa com representação contra Serraglio no Ministério Público

Foto: Isaac Amorim/MJSP

O PSOL ingressou, na noite de sexta-feira, com representação no Ministério Público para averiguar o possível tráfico de influência exercido pelo Ministro da Justiça e Segurança Pública, Osmar José Serraglio, e o beneficiamento de partidos políticos da base aliada do governo.

“Diante da notícia de que grandes frigoríficos de atuação nacional exerciam influência direta no Ministério da Agricultura colocando em risco a segurança alimentar da população brasileira por meio da distribuição e venda de carne com produtos cancerígenos e até vencida, com intuito de beneficiar financeiramente o partido político do governo, PMDB, e da base aliada, PP, o PSOL ingressou com uma representação no Ministério Público, comunicou o partido.

O requerimento tem por finalidade que a investigação seja iniciada de imediato pela Procuradoria Geral da República, órgão detentor da devida competência para investigar um deputado federal e Ministro de Estado que pode ter cometido o crime de Tráfico de Influência, tipificado no art. 332 do Código Penal, solicitando que Daniel Gonçalves Filho, fiscal agropecuário, cometesse o crime de prevaricação Art. 319 e não pela Justiça do Paraná, cuja competência não abrange essa possibilidade.

O partido ainda estuda ingressar em outros órgãos, como o Conselho de Ética da Presidência da República e a Corregedoria da Câmara dos Deputados dependendo do rumo que as investigações tomem. A legenda também anuncia que começa, na segunda-feira, a colher assinaturas para uma Comissão Parlamentar de Inquérito.

Em nota enviada à imprensa, Serraglio afirmou que ficou sabendo nesta sexta-feira da operação, o que seria “prova cabal” de que ele não pode interferir “de alguma forma na autonomia do trabalho da Polícia Federal” e disse que não há nada contra ele no áudio. “A conclusão, tanto pelo Ministério Público Federal quanto pelo juiz federal, é a de que não há qualquer indício de ilegalidade nessa conversa degravada”, afirma.