Corpo de bombeiros registra 512 afogamentos em 20 dias de temporada

Fotos: Soldado Feliphe Aires PM/PR
Fotos: Soldado Feliphe Aires PM/PR

Nos 20 dias de Operação Verão, inciada no dia 22 de dezembro, o Corpo de Bombeiros registrou 512 afogamentos, sendo quatro óbitos, no litoral do Paraná. Além disso, foram aplicadas 11.816 advertências, 27,785 orientações e 318 crianças foram pedidas/encontradas. Os bombeiros fizeram a distribuição de 17.262 pulseirinhas de identificação.

Ao todo, foram disponibilizados 89 postos de guarda-vidas e 661 profissionais para as atividades de prevenção e perigo (644 bombeiros militares e 17 guardas-vidas civis), garantindo a segurança dos banhistas nestes primeiros 20 dias de temporada.

O Corpo de Bombeiros conta com embarcações, motos aquáticas, quadriciclos, caminhonetes e outras viaturas, além do apoio do helicóptero do Batalhão de Polícia Militar de Operações Aéreas (BPMOA) que ajuda na agilidade do salvamento e transporte das vítimas. Entretanto algumas orientações são importantes para que os banhistas fiquem atentos e evitem situações de risco.

De acordo com a tenente Virgínia Maria Zambrim Turra, o banhista pode se orientar nas praias pelas bandeiras de sinalização dispostas em pares ao longo da praia, onde sempre haverá um posto de atendimento de guarda-vidas com a presença de um profissional. Quando houver a bandeira verde, significa que a água está tranquila para a prática de banho e natação.

Ela também destaca para os banhistas os cuidados em relação a corrente de retorno. Ao perceber que está em uma corrente de retorno a pessoa deve manter a calma; procurar não gastar energia nadando contra a maré; olhar para os dois lados e determinar a direção que está mais perto para sair da corrente; nadar lateralmente em sentido paralelo à areia da praia até sair da corrente; nadar em direção à praia quando já estiver fora da corrente de retorno.

“As dicas servem para auxiliar o banhista nestes casos, porém os Guarda-Vidas sempre alertam sobre os riscos de se banhar em locais com incidências de corrente de retorno. É preciso que as pessoas fiquem atentas às sinalizações”, afirma a tenente Turra.

Ainda de acordo com a tenente é importante tomar muito cuidado também com a exposição solar que pode causar desidratação, além de sintomas como tonturas e desmaios, que podem levar ao risco de afogamento. Orientamos que as pessoas ingiram bastante líquido, usem protetor solar e procurem a exposição solar nos horários apropriados, início da manhã e no final da tarde.

“Ao ingerir bebidas alcoólicas nunca entrar na água; crianças, idosos ou portadores de necessidades especiais sempre um braço de distância do responsável e observação constante na areia; ao adentrar no mar nunca perto de pedras, pois as pessoas podem se machucar. Nos casos de rios a força da água não está necessariamente relacionada com a profundidade e sim a velocidade, então se tem uma correnteza intensa procure entrar com a água na canela, a pessoa pode ser derrubada e arrastada, levada para uma região profunda”, explica a tenente Turra.

De acordo com a porta-voz do Corpo de Bombeiros no “Verão Paraná 2016/2017”, outro local que exige atenção redobrada é a piscina. “Nunca deixar crianças sozinhas e nem pessoas alcoolizadas entrarem nas piscinas. Cuidado com os ralos que fazem a sucção da água e podem vir a prender a pessoa pelos pés ou pelos cabelos, fazendo com que ela não consiga retornar a superfície”, destaca.