PRF prende homem com 92 quilos de maconha em Céu Azul

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) apreendeu 92,1 quilos de maconha no início da manhã desta terça-feira (12) em Céu Azul, na região oeste do Paraná. A droga estava escondida em um compartimento oculto, na lataria de uma caminhonete Fiat Strada. O veículo foi abordado às 6h40, no quilômetro 642 da BR-277.

A equipe da PRF desconfiou do comportamento do motorista, e decidiu fazer uma verificação minuciosa da caminhonete, quando os 187 tabletes de maconha, de diferentes tamanhos, foram encontrados.

O motorista, de 30 anos de idade, foi preso em flagrante. Morador de Canoas (RS), ele saiu de Medianeira (PR) e levaria a droga para Cascavel (PR). A PRF encaminhou a ocorrência para a Delegacia da Polícia Civil em Matelândia. O crime de tráfico de drogas tem pena prevista de cinco a 15 anos de prisão.

Dois secretários e controlador interno de Cerro Azul estão entre os presos por desvio de dinheiro da merenda

 

Seis pessoas, incluindo membros do primeiro escalão da Prefeitura de Cerro Azul, na região metropolitana de Curitiba, estão presos suspeitos de desviar pelo menos R$ 76 mil em verbas da merenda escolar de crianças carentes. O grupo foi capturado durante a Operação Pratos Limpos, do Ministério Público do Paraná.

>>>MP-PR deflagra operação contra desvio de dinheiro da merenda escolar

Os presos são: a secretária de Assistência Social, Débora Cristiane da Silva; o secretário de Obras e Viação, Valério Leandro Stival; o controlador interno, João Alceu Bassetti; a diretora do Departamento de Finanças, Milene von der Osten, que era responsável pelas licitações do município; Eliel Bestel, que fazia os pagamentos da Prefeitura, e um empresário da cidade que não teve o nome divulgado.

Segundo as investigações, o grupo agia para comprar e pagar pelos alimentos, mas nada disso chegava ao destino final. Logo depois da liquidação das notas fiscais, elas eram canceladas e o dinheiro gasto era dividido entre os envolvidos.

A promotora Simone Françolin explica que, além do prejuízo aos cofres públicos, o impacto maior é na nutrição das crianças, já que alguns itens chegaram a faltar por causa do esquema. “O prejuízo é na alimentação diária. Nós temos relato de testemunhas que nos disseram que em algumas situações as crianças ficaram sem a carne, que era licitada.  O que pesa nessa questão é que o município de Cerro Azul tem um dos piores índices de IDH (Índice de Desenvolvimento Humano) do Estado,  são crianças extremamente vulneráveis, social e economicamente. Algumas delas, inclusive, só se alimentam nesses projetos sociais durante o dia todo. Nós estimamos que no ano passado, por volta de R$76 reais tenham sido desviados dos cofres públicos nesse esquema.  Para calcular a quantia estimada neste ano, ainda estamos colhendo mais dados”, explica a promotora.

Os projetos Piá e Beija-Flor, que atendem crianças no contra turno escolar, foram os mais afetados. Além disso, conforme a promotora, a maior parte das verbas desviadas pertencia à Secretaria de Assistência Social do município. “O que deu início  à apuração, foram informações de que havia má prestação do serviço público em relação ao fornecimento da alimentação das crianças que frequentam os projetos sociais, que são as crianças mais carentes do município de Cerro Azul. E essa informação aliada a outros dados coletados  à promotoria de que haveria um grupo de servidores associado a um fornecedor local, para emissão de notas cujos produtos não seriam entregues, mas seriam pagos. Nós conduzimos uma intercepção por volta de 30 dias e deflagramos essa operação que foi chamada de “Pratos Limpos”,  por conta desse fator”.

Além das ordens de prisão, que são temporárias e válidas inicialmente por cinco dias, 28 mandados de busca e apreensão também foram cumpridos em casas e estabelecimentos comerciais de Cerro Azul, Curitiba e de Pitanga, no Centro do Paraná. A operação contou com o apoio da Polícia Militar. “Durante as interceptações, os alvos mantiveram durante todo período em que foram monitorados, eles mantiveram intensa comunicação entre si e tratavam de emissão de notas, de cancelamentos, de elaboração de memorandos em situações desassociadas do serviço público. No decorrer das investigações surgiram novos fatos, envolvendo outras pessoas que não trabalhavam no serviço público. Nós reunimos provas e para analisar todas essas informações, prestadas de forma oficial ou anônima, estão dentro da operação”.

O grupo agia pelo menos desde o ano passado e as investigações continuam. Entre os itens já apreendidos estão documentos, celulares, computadores, dinheiro, armas, munições e espécimes da fauna silvestre mantidos em cativeiro sem autorização.

Por meio de nota divulgada nas redes sociais, a Prefeitura informa que lamenta o ocorrido e que ainda não tem mais detalhes sobre o caso. O comunicado confirma que os suspeitos são servidores públicos e ressalta que a Administração Municipal está à disposição das autoridades para contribuir com as investigações. Em contato com a Assessoria de Imprensa da Prefeitura, a informação foi a de que o prefeito, Patrik Magari (MDB), e o procurador-geral, Fernando von der Osten, estão em Brasília e participam da Marcha dos Prefeitos.

Por Daiane Andrade,  Ricardo Pereira e Iara Maggioni

Mocidade Azul é pentacampeã do Carnaval de Curitiba

A apuração do Carnaval de Curitiba 2019 aconteceu neste domingo (4) no Memorial de Curitiba. A divulgação das notas começou a ser feita a partir das 17h e foi acompanhada com muita expectativa pelos integrantes de todas as escolas de samba.   A Escola de Samba Mocidade Azul foi proclamada a campeã do Carnaval de Curitiba em 2019, com 179,60 pontos. Esse é o quinto título da escola, que também venceu no ano passado.

A Mocidade Azul levou para a avenida o enredo “Carnaval é Ubuntu”, uma referência à Mãe África, berço da humanidade. O samba empolgou o público e o desfile surpreendeu pelo luxo das fantasias.

Em segundo lugar ficou a Acadêmicos da Realeza, que totalizou 179,00 e apresentou ao público a história da cachaça. Expressões populares como “Só mais uma” e “A saideira!” estavam no enredo que trouxe do plantio da cana até a simbologia que envolve a mais brasileira de todas as bebidas destiladas.

Em terceiro lugar ficou a Enamorados do Samba, que totalizou 175,50 . Com esse resultado, a Escola Embaixadores da Alegria subiu para o grupo especial, no lugar da Leões da Mocidade, que no ano que vem desfilará no grupo de acesso.

“Esse título vai para nossa vice-presidente Nena Teixeira, que nos deixou depois de iniciar esse lindo trabalho. Nosso espírito é de muita alegria por ganhar esse pentacampeonato, mas também de agradecimento a ela. Foi muito empenho, que agora foi reconhecido”, disse o presidente da Mocidade Azul, Altamir Jorge Lemos.

Foram avaliados os quesitos bateria, fantasia, samba-enredo, alegorias e adereços, mestre-sala e porta-bandeira, comissão de frente, enredo, harmonia e conjunto.

O corpo de jurados foi formado por 18 personalidades do meio cultural: Vitor Mendes Rodrigues, Lourival Ferreira, Gilmar Carlos da Silva, Paulo César Maia Bitture, Nemésio Xavier França Filho, Edwin Ricardo Pitre Vasquez, Maria Cristina Assis Yamada Zambenedetti, Anne Brasil de Araújo, Maristela Reinehr, Olinto Alves Simões, Eliane Inakilevich Berger, Cláudio Fontan, Diogo Cavazotti Aires, Geslline Giovana Braga, Ademir Nelson Pereira da Silva, Leandro de Souza Leal, Luiza Aparecida Ferreira e Sonia Maria Estansk.

A proclamação da escola campeã encerra a programação oficial do Carnaval 2019 em Curitiba. De acordo com o presidente da Comissão de Carnaval, Jaciel Teixeira, o evento deste ano foi um sucesso e demonstra que as escolas estão empenhadas em fazer uma festa cada vez melhor para o público curitibano. “A união de esforços da Prefeitura com as escolas resultou num carnaval excelente”, avaliou Jaciel. “O feedback que tivemos na avenida é uma demonstração disso. As pessoas elogiaram o espetáculo e a organização, e consideraram que as escolas apresentaram um nível surpreendente”, disse.

Os desfiles realizados sábado e domingo levaram milhares de pessoas para a Avenida Marechal Deodoro e provaram que Curitiba tem Carnaval sim, senhor! 

 

Com informações da Prefeitura de Curitiba

 

 

Corpo de homem desaparecido é encontrado em rio de Cerro Azul, na RMC

O corpo de um homem de 48 anos que estava desaparecido desde a última terça-feira (22) foi encontrado na tarde de ontem (24) nas margens do Rio Ribeira, em Cerro Azul, na Região Metropolitana de Curitiba, com sinais de afogamento.

Segundo informações do Corpo de Bombeiros, o homem era morador de Curitiba e desapareceu após sair para uma pescaria com um amigo no mesmo local em que foi encontrado. O corpo foi encaminhado ao Instituto Médico Legal de Curitiba (IML).

Brasil encara a Costa Rica com uniforme azul

O Brasil encara a Costa Rica nesta sexta-feira (22), às 9h (de Brasília), em São Petesburgo, com o uniforme número dois, inteiro azul. O goleiro Alisson, contudo, continua usando o tradicional verde.

O uniforme azul não era usado desde 2010 em uma Copa do Mundo. Na ocasião, o Brasil foi eliminado pela Holanda, nas quartas de final da competição. A camisa era azul, o calção branco e o meião azul.

Já a última vitória vestindo azul em Copas foi em 2002. O time, comandado por Felipão, venceu a Inglaterra nas quartas de final com camisa azul, calção branco e meião branco.

Neste ano, no amistoso com a Rússia, a equipe canarinho usou o uniforme todo azul e derrotou a anfitriã por 3 a 0.

O UNIFORME

A camisa dois, azul, foi inspirada na conquista da Copa do Mundo de 1958, na Suécia. A camisa azul da Seleção Brasileira recebeu o título de Azul Celestial e tem marca d’água, em estampa de mosaico, formada por estrelas que partem do escudo. Relembra dois importantes fatos marcados na história do nosso futebol: o Mundial da Suécia (1958), primeira vez em que o azul foi adotado, oficialmente, como a segunda cor da Seleção; e a primeira estrela a ser fincada no peito, uma honra oferecida apenas aos campeões do mundo. Os números, como na época da competição, tem a cor amarela. Calção branco e meias azuis completam o uniforme.

Corpo de Bombeiros mantém as buscas por criança desaparecida em Cerro Azul

Da BandNews FM Curitiba

O Corpo de Bombeiros mantém as buscas pelo menino que desapareceu, na manhã desta terça-feira (20), da casa onde mora com a família em Cerro Azul, na Grande Curitiba. O sumiço não demorou a ser percebido, mas, por enquanto, não há pistas do paradeiro de Brayan Raab Fonseca, de menos de dois anos de idade.

Uma das hipóteses é a de que a criança tenha caído no rio Ribeira, que passa a poucos metros do local. O garoto vive com os pais em um sítio que fica na Estrada da Freguesia e, no momento do desaparecimento, o portão estava aberto.

“Conversando com os pais da criança, eles disseram que tem um portão que divide o terreno da casa, que passa para o rio e que esse portão estava aberto. E tudo indica, porque o pai e um parente da família viram marquinhas da criança indo para o rio. O menino brincava com um cachorrinho e esse animal, provavelmente, tenha ido para o lado do rio e a criança tenha escorregado e caído na água”, explica a delegada Iara Dechiche, do Sicride, o Serviço de Investigação de Crianças Desaparecidas.

Caso o menino tenha mesmo caído no rio, são pequenas as chances de ele ser resgatado com vida. As buscas são realizadas pelo Gost, o Grupo de Operações e Socorro Tático, do Corpo de Bombeiros.

Equipes da Defesa Civil do município ajudam no trabalho, e a informação repassada pelo órgão é a de que a varredura de hoje (quarta, 21) é realizada no mesmo ponto do rio que começou a ser vasculhado ontem, quando ainda chovia e o nível do Ribeira estava mais alto. Ninguém quis gravar entrevista e não foi possível localizar o oficial do Corpo de Bombeiros responsável pela operação.

Em fevereiro do ano passado, uma menina de um ano e meio de idade morreu ao cair nesse mesmo rio. Yasmim Mangger Souza ficou desaparecida por três dias depois de ser vista brincando no quintal de casa. O corpo foi encontrado na água, em um ponto mais afastado do imóvel da família.

 

Caso parecido

Outro caso emblemático e parecido com o de Brayan é o do menino João Rafael Kovalski, que morava em Adrianópolis, ainda na região da capital, e sumiu em agosto de 2013. Ele tinha dois anos de idade na época e desapareceu enquanto brincava às margens do mesmo rio Ribeira, que também corta o município. Até hoje, a família acredita que ele foi sequestrado, mas, outra hipótese é a de que ele possa ter caído na água. O garoto nunca foi encontrado.

Quem tiver qualquer informação sobre o caso pode entrar em contato com o Sicride pelo telefone 3883-8351.

 

Corpo de Bombeiros busca menino de dois anos desaparecido em Cerro Azul

Com informações de Lorena Pelanda | BandNews FM Curitiba

O Corpo de Bombeiros de Cerro Azul, na Região Metropolitana de Curitiba, continua na busca do menino de dois anos que desapareceu na manhã de segunda-feira (19). A principal suspeita é de que a criança tenha caído no Rio Ribeira, que fica há menos de vinte metros da casa onde mora.

De acordo com a Polícia Civil, a residência fica em um sítio e a família percebeu o sumiço momentos depois. O menino costumava brincar com um cachorro no quintal de casa. A delegada do Serviço de Investigação de Crianças Desaparecidas (Sicride), Iara Dequiki, o portão da casa estava aberto no momento do desaparecimento da criança.

“Conversando com os pais da criança, eles disseram que tem um portão que divide o terreno da casa que passa para o rio. Aconteceu desse portão estar aberto e, provavelmente, deva ter escorregado e caído no rio”, conta a delegada. Ela afirma que o pai e um parente encontraram pegadas da criança nas proximidades do rio.

Os parentes da criança já foram ouvidos pela polícia. A delegada afirma que, caso o menino tenha caído mesmo no rio, as chances de encontrar com vida são bem pequenas. “Foram ouvidos o pai, a mãe, uma testemunha. As equipes continuam no local para ver se encontram o corpo da criança”, conta.

Caso semelhante

Há pouco mais de um ano, uma criança de um ano e cinco meses morreu após cair nesse mesmo rio. O corpo foi encontrado três dias depois do início do resgate. Quem tiver alguma informação desse menino, que se chama Brayan Raab Fonseca, pode entrar em contato com o Sicride, pelo telefone 3883-8351.

Baleia Azul: o jogo suicida que preocupa o Brasil e o mundo

Especialista sobre o assunto, Teólogo e Filósofo padre Beto fez uma análise do fenômeno.

Um dos assuntos que mais tem gerado preocupação no Brasil e no mundo é o jogo virtual da Baleia Azul. O passatempo, disputado pelas redes sociais, propõe ao jogador 50 desafios macabros que vão desde a automutilação até o suicídio. O game funciona como uma espécie de “siga o mestre” – quem dita as regras e propõe os desafios é um mentor, o qual envia aos participantes mensagens com instruções do que fazer e solicita fotos como prova do cumprimento das tarefas.

Os jogadores geralmente são crianças e adolescentes, que, além de estarem mais suscetíveis a influências de terceiros, passam mais tempo em redes sociais. Tudo começa de maneira “leve” – no início, são delegadas aos jogadores tarefas como assistir a filmes de terror, ouvir músicas psicodélicas e desenhar uma baleia azul em um papel. Com o passar dos dias, os adolescentes chegam a ser desafiados a se pendurarem em lugares altos e se automutilarem, ou até tirarem a própria vida.

Ao que tudo indica o jogo Baleia Azul teve início na Rússia, em 2015, quando uma jovem de 15 anos cumpriu a última tarefa e pulou do alto de um edifício. Dias depois, uma adolescente de 14 anos se atirou na frente de um trem. Os episódios fizeram as autoridades do país começarem uma investigação que ligou os incidentes a um grupo que participava de um desafio com 50 missões.

A preocupação com o jogo aumentou no ano passado, quando diversas fontes divulgaram, sem confirmação, 130 suicídios supostamente vinculados a comunidades virtuais identificadas como “grupos da morte”. Diversos países, como a Inglaterra, França e Romênia têm enviado alertas aos pais depois que adolescentes apareceram com cortes nos braços e sinais de mutilação.

Falta de perspectiva e “vazio existencial”

Para padre Beto, Filósofo e Teólogo a explicação para situações como estas tem como pano de fundo a falta de perspectiva, objetivo e de luta por causas maiores, padre Beto acredita que as gerações anteriores arriscavam sua vida por causas sociais, a competitividade exacerbada, o descrédito em instituições como a família e escola que outrora davam segurança e estabilidade, gerações não foram formadas para pensar um projeto de sociedade e acabam vivendo sensações.

“Não acredito que as pessoas estão inseguras, mas as pessoas que buscam experiências como essas mostram claramente que estão em busca de algo que as preencham, mas acabam não encontrando respostas e acabam entrando em experiências radicais, a falta de instituições que de fato estejam comprometidas com projetos de vida e que deem aos jovens a possibilidade de sonhar e acreditar que a vida é muito mais do que sobreviver”.

No caso uma realidade muito mais ampla estaria relacionada à prática do jogo, padre Beto acredita que a Religião seria nesse contexto responsável por trazer uma utopia (concepção cristã, já e ainda não) aliada a esperança e a crença no “Bem Maior” para o homem como ao Reino de Deus, ou seja, o já e ainda não, a concepção dá ao homem a possibilidade de viver já na terra a dimensão do Paraíso, Reino de Deus, que não deve estar relacionado apenas ao pós morte. Os jovens encontram experiências fortes também através da religião, não há o que acreditar, não há metas maiores a serem alcançadas.

Lidar com o fracasso, perdas e desilusões, chegamos a um vazio, embora diante de tantos desafios e obstáculos a serem superados, o problema segundo padre Beto estaria relacionado à globalização, a ideia de uma sociedade de mercado faz com que as pessoas acabem se tornando “produtos” como se fossem selecionadas em prateleiras de supermercados, a desfragmentação do homem e do mundo a sua volta trariam esse sentimento de angústia e solidão, combustível para busca de situações limites, aventuras, sensações prazerosas. A busca por uma realização de vida no pós morte também estaria demonstrada em atitudes como a do jovem desaparecido no Acre, Bruno Silva Borges, de 24 anos, desapareceu no dia 27 de março.

O criador desse jogo teria percebido o vazio existencial presente na sociedade e canalizou o jogo para situações contrárias ao desejo humano como o sofrimento trazendo a tona de maneira explicita saídas para problemas como a falta de sentido diante de perguntas como “Quem sou eu?” “O que faço nesse mundo?” “O que é a Morte?”.

Curitiba tem o maior registro de envolvidos com jogo Baleia Azul

Curitiba teve ao menos oito casos de adolescentes que teriam tentado se matar ou se automutilado nesta semana depois de participar de um jogo chamado Baleia Azul, que propõe 50 desafios aos participantes e sugere o suicídio como última etapa, segundo a Secretaria Municipal da Saúde (SMS). A prefeitura publicou no site oficial nessa terça-feira (18) um alerta para pais e responsáveis por crianças e adolescentes, além de profissionais da educação e saúde.

Ao menos três estados brasileiros – Mato Grosso, Minas Gerais e Paraíba – também estão investigando casos de suicídio relacionados ao “Blue Whale”, ou desafio da Baleia Azul. A diferença desses casos para os de Curitiba é que foram registrados isoladamente.

A Polícia Civil de Minas Gerais informou que vai abrir um inquérito para apurar o caso de um adolescente, de 15 anos, encontrado morto em casa, em Belo Horizonte, no último fim de semana. Em Vila Rica (MT), uma adolescente de 16 anos cometeu suicídio na terça-feira, dia 11. Ela deixou duas cartas onde falava sobre as regras e a cronologia das ações a serem cumpridas e também apresentava cortes nas coxas e nos braços. Em Pará de Minas (MG), um jovem de 19 anos morreu no dia 12. À polícia, a mãe afirmou que o garoto também estava participando do “Baleia Azul”.

Na Paraíba, a Polícia Militar (PM) abriu no, dia 11, uma investigação para apurar a participação de estudantes de João Pessoa no jogo. As denúncias são de que alunos estariam participando do grupo e já teriam realizados “tarefas” de automutilação.

Já em Curitiba, os casos foram registrados simultaneamente, na madrugada de terça-feira (18). Em nenhum desses registros os jovens consumaram o suicídio. Foram quatro tentativas e quatro mutilamentos. A rede municipal de saúde teria registrado os cinco casos simultâneos entre adolescentes de 13 a 17 anos. Logo depois, durante o dia de terça, outros três casos.

Quatro foram atendidos na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro Sítio Cercado, um na UPA Pinheirinho. Segundo a prefeitura, os adolescentes foram atendidos e encaminhados para acompanhamento nos Centros de Atenção Psicossocial (Caps) do município. Outro caso foi antendido no Hospital Santa Cruz Batel.

Procurada, a SMS não informou o estado de saúde dos pacientes citados.

Divulgação

Apesar de fazer um alerta público, inclusive com vídeo do prefeito Rafael Greca (PMN) nas redes sociais, a Prefeitura de Curitiba ainda não confirmou se há ligação dos casos com o jogo.

printDiferentemente do habitual, a Polícia Civil do Paraná não foi notificada antecipadamente dos supostos casos de tentativas de suicídio divulgados pela Secretaria Municipal da Saúde de Curitiba (SMS) nessa terça-feira (18). A Delegacia de Homicídios e Proteção a Pessoa (DHPP) é responsável pelas investigações de casos de suicídios, tentativas de suicídio e qualquer outro caso de atentado a integridade física e a vida.

Até a tarde desta quarta-feira (19), não houve notificação oficial, segundo a assessoria da Polícia Civil. Normalmente, segundo o delegado Fabio Amaro, chefe da DHPP, casos como esses são comunicados com antecedência pela própria unidade hospitalar ou Conselho Tutelar para situações que envolvem menores de idade. A assessoria da prefeitura informou que enviou os prontuários dos pacientes à polícia por volta do meio-dia desta quarta.

Na nota publicada no site oficial, a Prefeitura de Curitiba afirmou na terça que já havia solicitado investigação também da Polícia Federal. A informação foi negada pela assessoria da PF. Até às 12h40 desta quarta-feira ninguém havia procurado o órgão federal para denunciar os casos.

O prefeito e a prefeitura também divulgaram que serão desenvolvidas atividades de prevenção ao suicídio nas escolas com estudantes adolescentes.

Notícia falsa e Efeito Werther

O jogo Baleia Azul surgiu em 2015 como “fake news” (notícia falsa) divulgada por um veículo de comunicação estatal da Rússia. O assunto se espalhou em uma histeria coletiva e gerou um contágio, principalmente entre jovens. De acordo com especialistas, o jogo não existia, mas com a grande repercussão da notícia, pode ter passado a existir.

O presidente da Associação Paranaense de Psiquiatria, Osmar Ratzke, ressalta, por outro lado, que os suicídios sempre existiram. “Eu vejo como positivo discutir o assunto. Não adianta a gente colocar a cabeça no buraco como avestruz e dizer que isso é um problema que não existe. Sempre existiu. Um problema muito humano”, afirma.

Ratzke defende a necessidade de se discutir o assunto, embora seja tratado como tabu pela imprensa e espacialistas.

O psiquiatra cita a história da publicação de um romance (Sofrimento do jovem Werther – 1774) do poeta e escritor Johan Wolfgang von Goethe. O tom realístico e perturbador do romance provocou comoção entre os jovens da época, que atraídos pelo espírito passional e depressivo do protagonista da obra, resolveram por fim em suas próprias vidas.

Na psicanálise criou-se um termo chamado Efeito Werther, em referência ao personagem e caracterizado por sua fenomenologia suicida.

“O fenômeno “Werther”, que ocorreu depois da publicação do livro do Goethe – ‘O sofrimento do jovem Werther’ – realmente aconteceu naquela época, na Europa, com a divulgação. Eu, hoje, coloco um pouco em dúvida isso, em termos de que se realmente a gente ficar divulgando (vai causar outros casos). Claro, não podemos falar de casos específicos. Não dá para publicar que fulano de tal tentou suicídio. Isso não se pode fazer. O que a gente pode fazer é divulgar que sete adolescentes foram atendidos em unidades de saúde porque isso vai ser positivo. Vai servir de alerta”, apoia.

O comportamento suicida também teria maior influência quando se tratando de celebridades ou figuras públicas — como já ocorreu, segundo pesquisas, na mesma época, com as mortes da atriz Marilyn Monroe e do músico Kurt Cobain.

Descrição

A coordenadora de Saúde Mental da SMS, Flávia Adachi, afirma que em todos os casos desta semana em Curitiba havia sinais de automutilação e ingestão de medicamentos. Segundo a profissional, não é comum o atendimento a esse tipo de ocorrência simultaneamente como aconteceu hoje (terça) de madrugada.

“São padrões muito similares, encontrados nos jovens, que deram entrada nos serviços nossos de urgência e que apresentaram automutilação e ingesta de medicação. Foi na madrugada, não é habitual, tanto que nos chamou muita atenção, nos causou preocupação e um alerta importante”.

“Foram em dois serviços de urgência, mas nós não temos como comprovar a conexão, a ligação desses jovens, se eles se conheciam, enfim. O que nós temos é que foi procurada ajuda, justamente pela questão de tentativas de suicídio e os sinais ali foram comuns (entres os casos). A ação, enquanto serviço de saúde, foi acolher prontamente, procurar avaliar as situações, e direcionar para a continuidade do tratamento em serviço especializado.

Flávia Adachi acredita que o debate sobre o assunto neste momento é fundamental. Por isso, a secretaria optou por publicar o alerta.

“O alerta está posto. As situações estão se manifestando. É necessário que se oriente a sociedade. Temos que lançar mesmo a situação enquanto utilidade pública.

Reprodução/Facebook
Reprodução/Facebook

Jogo

Após o boato, o jogo mortal ganhou popularidade e chamou atenção na internet. Os desafio teria sido promovido por um grupo da Rússia, conhecido como “#F57”, que está sendo investigado devido à suspeita de que já teria induzido mais de 130 jovens, a maioria na Europa, a cometerem suicídio desde 2015.

Os 50 desafios, propostos por “curadores”, que aliciariam os jovens, devem ser cumpridos diariamente e chegariam por meio de mensagens de WhatsApp, Facebook, SMS e outros aplicativos e redes sociais.

Há desde tarefas simples, como desenhar uma baleia num papel, até outras muito mais mórbidas, como cortar os lábios ou furar a palma da mão. Em outra tarefa, o participante deve “desenhar” uma baleia em seu antebraço com uma lâmina. O desafio de número 50 é sempre o mesmo: suicídio.

Série

Outra preocupação relacionada ao tema foi levantada na segunda-feira (17) pela Associação Paranaense de Psiquiatria que divulgou nota oficial sobre a série do Netflix 13 Reasons Why.

O alerta está na glamourização da suicídio, supostamente promovida pela série. Apesar disso, a associação ressalta que obras de ficção como essa simbolizam a vida real e podem contribuir para fomentar discussões de temas importantes para a sociedade, como bullying, depressão e até mesmo suicídio entre adolescentes.

Depois do lançamento da série houve alta de 170% nos acessos ao Centro de Valorização da Vida, que há 55 anos atua na prevenção do suicídio no Brasil.

No entanto, levando em consideração que a Organização Mundial de Saúde (OMS) relata que mais de 90% dos suicídios estão relacionados com transtornos mentais e que a maioria dos óbitos poderia ser evitada se houvesse estratégias de prevenção mais acessíveis à comunidade.

Segundo a associação, a série do Netflix peca por não abordar a questão do adoecimento mental da personagem.

 

Família procura menina de 14 anos que desapareceu após a aula

A família e os amigos da adolescente de 14 anos desaparecida estão à procura da jovem que desapareceu nesta terça-feira (14). A menina sumiu após sair do Colégio Senhora de Fátima, no bairro Xaxim, em Curitiba.

Nas redes sociais, várias pessoas e a página do colégio particular estão mobilizados. A adolescente saiu da aula por volta das 12h20 e não retornou para casa.

Ela vestia calça legging preta, bota, camiseta de uniforme e carregava uma mochila azul marinho. O registro já está no Sistema de Pessoas Desaparecidas da Polícia Civil e qualquer informação sobre o paradeiro da jovem pode ser repassada pelo telefone, da Divisão de Homicídios e Proteção à Pessoa.

PM é morto em assalto na RMC; tudo aconteceu na frente dos filhos

Com colaboração RN 24h

O tenente da Policia Militar Fábio Alessandre da Silva, 32 anos, foi morto em um assalto por volta das 21h desta quarta-feira (22). O policial trabalhava e morava em Campo Largo, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC). Ele foi morto com dois tiros, um tiro na cabeça e outro no peito, disparado por dois homens que de acordo com os relatos, invadiram a casa dele no início da noite. Ao ser abordado pelos bandidos, eles teriam visto a farda da PM e atiraram. O policial estava acompanhado pelos dois filhos quando tudo aconteceu.

O crime aconteceu na casa da família, no bairro Vila Elisabeth. Os dois bandidos fugiram levando a arma do PM. O Siate foi acionado, no local e tentaram salvar a vida do policial, mas ele morreu a caminho do Hospital Nossa Senhora do Rocio.

As investigações

Retrato falado do acusado de matar o Tenente Fábio Alessandre
Retrato falado do acusado de matar o Tenente Fábio Alessandre

O caso tem outras linhas de investigação, além do latrocínio, um dos motivos é porque foi a segunda vez que o policial foi assaltado no prazo de um mês. A polícia segue procurando os assaltantes. Um deles estaria de moletom azul e outro de camiseta branca.

A polícia civil já divulgou o retrato falado que foi feito a partir do depoimento da esposa do tenente e da sogra, que estavam em casa no momento da tentativa de assalto. No depoimento elas também contaram que os bandidos chegaram a entrar na casa, mas, ao notar que estariam dentro da residência de um policial, voltaram e atiraram contra o PM que brincava com os filhos.

Embora houvesse a informação de que um deles já estaria preso, a delegacia de Campo Largo confirmou, por meio do delegado Cassiano Aufiero, que as buscas continuam e que, até o momento, não há prisões de suspeitos.

A polícia ainda não associa um crime ao outro, mas imagens de câmeras de segurança e novas informações que chegam às equipes de Campo Largo estão ajudando nas investigações. Também é averiguado, se o crime não pode ser uma retaliação pelo trabalho desenvolvido pelo policial na cidade.

A Polícia Civil investiga as imagens dos suspeitos que aparecem correndo sentido Avenida Padre Natal Pigatto (veja o vídeo abaixo). Logo depois, um veículo trafega pela rua, mas não é possível ver se há um terceiro comparsa dando cobertura à dupla.

Imagem câmera 01

Informações

Denúncias que possam ajudar também podem ser passadas pelo fone 190, da PM, ou pelo telefone da Delegacia de Campo Largo, (41) 3291-6100.

O outro assalto

Essa foi a segunda vez que a casa do tenente da PM Fábio Alessandre foi invadida por assaltantes. No dia 21 de janeiro  a família foi vítima de outro assalto. Os bandidos, na ocasião, mantiveram a esposa e os dois filhos do policial reféns em um quarto da casa. Foram levados a arma do PM, uma pistola .40, o colete balístico e eletrodomésticos da residência. O Pm chegou a ser ameçado de morte na ocasião.

Quatro dias após o assalto, quatro homens foram presos por policiais de São José dos Pinhais, na RMC. Dois deles foram reconhecidos pelo tenente Alessandre como os bandidos que teriam o roubado. Com os quatro acusados também foi apreendido um simulacro de arma de fogo, que o tenente disse ser igual ao usado pelos assaltantes que roubaram a casa dele.

Nota de luto da Polícia Militar 

“Mais uma vez fomos assolados pela violência e criminalidade contra um dos nossos, de forma brutal e covarde. A Polícia Militar está consternada e estamos de luto. Esperamos agora o esclarecimento dos fatos para poder confortar a família”, lamenta o Comandante-Geral da PM, coronel Maurício Tortato, que decretou luto oficial por três dias pela morte do tenente Fábio Alessandre da Silva, ocorrida na noite desta quarta-feira (22/02), em Campo Largo, Região Metropolita de Curitiba (RMC).

“Que a certeza da ressureição, neste momento, conforte a família do policial militar e toda a família miliciana”, pede o Comandante-Geral. Atualmente o tenente atuava como Subcomandante da 3ª Companhia do 17º Batalhão de Polícia Militar (17º BPM), pertencente ao 6º Comando Regional da PM (6º CRPM).

Segundo o Comandante do 17º BPM, tenente-coronel William Kuczynski, o oficial da PM estava em frente à sua residência com a família, no município de Campo Largo, quando sofreu um disparo de arma de fogo, após uma tentativa de assalto. “Dois homens chegaram, deram voz de roubo e, em seguida, atiraram na cabeça do oficial”, conta.

“Ele era um policial militar exemplar e muito competente que fará muita falta para a corporação, por sua dedicação e companheirismo. Familiares e amigos sentirão muito sua falta e não temos como dimensionar o tamanho dessa dor”, disse o tenente-coronel Kuczynski.

O tenente Fábio Alessandre da Silva nasceu em 11 de junho de 1982 e deixa esposa e dois filhos (4 e 3 anos). O PM ingressou na corporação em 13 de fevereiro de 2003.

Outras informações e sobre velório e sepultamento serão divulgadas em breve.

 [insertmedia id=”ZXvHuIN7LYE”]

 

Após tempestades, governo reconhece situação de emergência em Cerro Azul

O Governo Federal reconheceu a situação de emergência do município de Cerro Azul, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC) e vai liberar recursos para obras de reparos na cidade. O valor a ser destinado ainda não foi definido.

De acordo com o diretor de operações da Defesa Civil Municipal, Mucio Ribas, o trabalho agora será para levantar as necessidades e encaminhar o valor ao Ministério da Integração Nacional. “Precisamos fazer um plano de trabalho explicando quantos sacos de cimentos vamos precisar para recuperar as pontes, qual vai ser o custo para consertar os bueiros e todo o descritivo do que faremos para arrumar a cidade”, relata.

Após o recebimento do plano de trabalho, Governo Federal tem até 90 dias para liberar os recursos. Em caso de situação de emergência, o Estado é responsável por 75% do repasse e o município pelos outros 25%. “A situação no local foi grave, mas agora está tudo sob controle. Eles só precisam agora aguardar o repasse Federal”, diz Vidal.

A cidade foi afetada por chuvas no dia 10 de janeiro, o que gerou enxurradas e estragos em residências, pontes e bueiros. Mais de duas mil pessoas foram prejudicadas,segundo a Defesa Civil Estadual.

“Um dia depois do ocorrido nós mandamos uma equipe para avaliar a situação no município. Nós os auxiliamos, também, na preparação de toda a documentação que foi enviada ao Governo Federal. É com base nesses documentos que o governo declara estado de emergência e libera recursos”, conta o tenente da Defesa Civil Estadual, Marcos Vidal.

Previsão do tempo

De acordo com o Instituto Simepar, as chuvas devem continuar em Cerro Azul nos próximos dias. “As pancadas vão aparecer principalmente nos períodos da tarde e da noite, mas em menor intensidade”, diz o meteorologista Reinaldo Kneib. Segundo ele, no dia 10 de janeiro, quando ocorreu a enxurrada em Cerro Azul, o volume de chuva acumulada em menos de meia-hora foi de 30 milímetros.

“Além da chuva intensa em um curto espaço de tempo, também houve muitas pancadas no dia anterior, com volume de 40 milímetros, e mais chuva ainda no dia 5 de janeiro, com volume acumulado de 50 milímetros. Tudo isso deixou o solo úmido e mais propício ainda para gerar transtornos”, relata.

A tecnologia blockchain e a sua utilidade no âmbito empresarial

In Loco: transmitindo informações e compartilhando experiências

Série: Nas entrelinhas do Direito, por André Cesar de Mello

 Hoje, sexta-feira, o dia é sempre animado… sol, céu azul, e muitas expectativas para o fim de semana… entre as estradas de Santa Catarina e Paraná, assim que a coluna de hoje apresenta o tema escolhido pelo jurista e amigo André Cesar de Mello, e seu convidado, Fernando César Domingues da Silva, afinal é bom refletir sobre:

 A tecnologia blockchain e a sua utilidade no âmbito empresarial

 Por Fernando César Domingues da Silva e André Cesar de Mello (juristas, atuantes na advocacia empresarial, estudiosos do Direito)

 Queridos leitores da coluna “Nas Entrelinhas do Direito”, já há muito estamos falando sobre muitos temas envolvendo o meio empresarial, dentre eles o mobbing, sociedade unipessoal limitada, a constelação empresarial, a Lei da Liberdade Econômica, dentre outros. Hoje abordaremos sobre a tecnologia Blockchain e a sua utilidade no meio empresarial. Prontos para essa jornada? Vamos lá!

A tecnologia Blockchain se tornou conhecida por ser o meio da operacionalização dos criptoativos, principalmente do Bitcoin, mas tal tecnologia pode ser – e está sendo – aplicada em outros meios. Mas, antes de tudo, é importante entendermos no que consiste esta tecnologia.

 O que é a tecnologia Blockchain?

 Trata-se de um grande banco de dados distribuído em diversos “nós”, ou seja, computadores, todos compartilhando informações contidas em uma determinada rede. Uma vez colocada uma informação em um bloco nessa rede, ela torna-se imutável e praticamente imune a fraudes. Quanto mais nós (também chamado de ledgers) em uma rede, mais difícil fraudar informação ou transação ali ocorrida. Isso porque cada ledger oferece uma criptografia própria para proteger as informações em uma rede, sendo necessário “quebrar” a senha de todos os nós para conseguir fazer uma alteração nessa Blockchain ou ter um poder computacional maior do que pelo menos 50% da rede que é distribuída mundialmente.

Em outros termos, o Blockchain pode ser tido como uma cadeia de blocos que fazem parte de um sistema de registro coletivo. Isso quer dizer que as informações não estão guardadas em um lugar só, pois, em vez de estarem armazenadas em um único computador, todas as informações da blockchain estão distribuídas entre os diversos computadores ligados a ela. Interessante, não?

A tecnologia Blockchain tem movimentado empresas e governos ao redor do mundo e também no Brasil, pois tem o potencial de revolucionar a forma como transacionamos o dinheiro, informações e processos.

A validação das transações na Blockchain é feita pelos ledgers (os nós) da rede sem necessidade de uma autoridade centralizada. Isso ocorre justamente porque a validação ocorre pelo consenso entre os próprios usuários da rede.

Portanto, o Blockchain é uma tecnologia que confere extrema segurança nas informações que são levadas à rede, além de permitir transações peer-to-peer, o que é caracterizado por uma arquitetura de computadores ou redes que compartilha tarefas, trabalho ou arquivos entre pares (peers). Pares são parceiros na rede com iguais privilégios e influência no ambiente. Em razão dessa característica é que tal tecnologia tem ganhado grande atenção, especialmente por seu potencial para uma infinidade de aplicações, tanto no setor privado quanto o público.

Enfim, a Blockchain é, definindo de forma simplificada, um grande livro-razão de contabilidade pública.

Porém, as possíveis aplicações do Blockchain ocorrem por causa dos smart contracts, que são contratos cuja execução é automática e é efetuada por meio de um código de execução do computador, que traduziu o texto jurídico para um programa executável, de modo que é possível programar para que haja a ocorrência de determinado evento que desencadeie uma ação específica, sempre de forma automática, sem necessidade de interferência de terceiros. Apenas por causa deles que muitas das soluções propostas para o uso da Blockchain podem ser materializadas.

Apenas para melhor compreender, os smart contracts são totalmente digitais e escritos em uma linguagem de programação inalterável, estabelecendo obrigações e consequências da mesma forma que o documento/contrato físico habitual, de modo que o código pode ser automaticamente executado. Portanto, é capaz de obter e processar informações referentes à negociação já tomando as providências conforme as regras do contrato.

Quer um exemplo? Um smart contract que, detectando a ausência de pagamento do devedor em uma operação de crédito, automaticamente retire da carteira do devedor os tokens digitais correspondentes ao compromisso financeiro não saldado. Veja: é automático e seguro com chance mínima de equívoco.

 AS POSSÍVEIS Aplicações do Blockchain

 As atividades públicas e privadas devem ser pautadas na garantia da segurança dos dados em seu poder, além de possuir ferramentas efetivas de combate à corrupção de uma forma geral. Nesse contexto é que há grande interesse em desenvolver aplicações sobre a plataforma do Blockchain para emprego em diversos setores.

As principais características do Blockchain que servem aos propósitos empresariais podem ser assim elencadas:

 

1) É um banco de dados cujas informações ali colocadas são imutáveis e virtualmente imunes a fraudes;

2) Ao mesmo tempo em que é possível garantir o sigilo das informações, a rede permite a fiscalização e auditoria desses dados;

3) Permite a automação de processos burocráticos, especialmente em conjunto com smart contracts, já mencionados acima;

4) Compartilhamento de dados de forma barata e segura.

 

Já temos vários exemplos de aplicação da tecnologia em questão por grandes empresas. Um exemplo disso é o Banco Santander que já possuía desde abril de 2018 um serviço de transferências internacionais de valores baseada em Blockchain (o Santander One Pay FX), por meio do qual começou a emitir dívidas utilizando a Blockchain do criptoativo Ethereum em setembro deste ano.

Um excelente exemplo de grupo empresarial que utiliza as Bitcoins e Blockchains é o Grupo GBS, titular da Viação Garcia e Brasil Sul. O grupo foi o primeiro, no ramo de transporte de passageiros, a utilizar as bitcoins e litecoins (outra criptomoeda) como forma de pagamento das passagens, o que tem gerado bons resultados.

Enfim, há diversas iniciativas, governamentais e empresariais, utilizando a Blockchain por todo o Mundo.

 CONCLUSÃO

 Torna-se evidente que a Blockchain realmente tem um potencial para ser de grande utilidade para empresas, visto que em muitos casos a sua aplicação facilita o compliance, em razão da maior transparência que concede, além da redução dos custos de transação. Contudo, é importante lembrar que apesar de tudo que pode ser feito utilizando tal tecnologia, sempre temos de ter cautela em considerar qualquer tecnologia uma panaceia.

É notório que o empresariado no Brasil tem dificuldades com a burocracia e complexidade do sistema tributário, exigindo a presença de advogados e contadores no dia a dia empresarial. Isso faz com que o empresário tenha receio de utilizar novas tecnologias. Contudo, como se viu acima, o Blockchain tem a clara possibilidade – e assim o tem feito – de tornar o dia a dia empresarial muito mais seguro com, por exemplo, os smart contracts. Abramos a mente para novos horizontes e, com isso, novos e melhores resultados surgirão.

Cito, por fim, a frase de Louis Pasteur, segundo a qual “a sorte favorece a mente bem preparada”. E acrescentaria apenas que a sorte favorece a mente aberta e bem preparada. Esse, sim, é claramente o empresário que deverá abrir-se para os novos tempos e para a chamada economia 4.0.

Um abraço caloroso a todos.

E assim, encerramos mais uma série!

Um ótimo final de semana, aqueles que acreditam em dias melhores…

Abraços

Janaina Chiaradia

A tecnologia blockchain e a sua utilidade no âmbito empresarial

In Loco: transmitindo informações e compartilhando experiências

Série: Nas entrelinhas do Direito, por André Cesar de Mello

 Hoje, sexta-feira, o dia é sempre animado… sol, céu azul, e muitas expectativas para o fim de semana… entre as estradas de Santa Catarina e Paraná, assim que a coluna de hoje apresenta o tema escolhido pelo jurista e amigo André Cesar de Mello, e seu convidado, Fernando César Domingues da Silva, afinal é bom refletir sobre:

 A tecnologia blockchain e a sua utilidade no âmbito empresarial

 Por Fernando César Domingues da Silva e André Cesar de Mello (juristas, atuantes na advocacia empresarial, estudiosos do Direito)

 Queridos leitores da coluna “Nas Entrelinhas do Direito”, já há muito estamos falando sobre muitos temas envolvendo o meio empresarial, dentre eles o mobbing, sociedade unipessoal limitada, a constelação empresarial, a Lei da Liberdade Econômica, dentre outros. Hoje abordaremos sobre a tecnologia Blockchain e a sua utilidade no meio empresarial. Prontos para essa jornada? Vamos lá!

A tecnologia Blockchain se tornou conhecida por ser o meio da operacionalização dos criptoativos, principalmente do Bitcoin, mas tal tecnologia pode ser – e está sendo – aplicada em outros meios. Mas, antes de tudo, é importante entendermos no que consiste esta tecnologia.

 O que é a tecnologia Blockchain?

 Trata-se de um grande banco de dados distribuído em diversos “nós”, ou seja, computadores, todos compartilhando informações contidas em uma determinada rede. Uma vez colocada uma informação em um bloco nessa rede, ela torna-se imutável e praticamente imune a fraudes. Quanto mais nós (também chamado de ledgers) em uma rede, mais difícil fraudar informação ou transação ali ocorrida. Isso porque cada ledger oferece uma criptografia própria para proteger as informações em uma rede, sendo necessário “quebrar” a senha de todos os nós para conseguir fazer uma alteração nessa Blockchain ou ter um poder computacional maior do que pelo menos 50% da rede que é distribuída mundialmente.

Em outros termos, o Blockchain pode ser tido como uma cadeia de blocos que fazem parte de um sistema de registro coletivo. Isso quer dizer que as informações não estão guardadas em um lugar só, pois, em vez de estarem armazenadas em um único computador, todas as informações da blockchain estão distribuídas entre os diversos computadores ligados a ela. Interessante, não?

A tecnologia Blockchain tem movimentado empresas e governos ao redor do mundo e também no Brasil, pois tem o potencial de revolucionar a forma como transacionamos o dinheiro, informações e processos.

A validação das transações na Blockchain é feita pelos ledgers (os nós) da rede sem necessidade de uma autoridade centralizada. Isso ocorre justamente porque a validação ocorre pelo consenso entre os próprios usuários da rede.

Portanto, o Blockchain é uma tecnologia que confere extrema segurança nas informações que são levadas à rede, além de permitir transações peer-to-peer, o que é caracterizado por uma arquitetura de computadores ou redes que compartilha tarefas, trabalho ou arquivos entre pares (peers). Pares são parceiros na rede com iguais privilégios e influência no ambiente. Em razão dessa característica é que tal tecnologia tem ganhado grande atenção, especialmente por seu potencial para uma infinidade de aplicações, tanto no setor privado quanto o público.

Enfim, a Blockchain é, definindo de forma simplificada, um grande livro-razão de contabilidade pública.

Porém, as possíveis aplicações do Blockchain ocorrem por causa dos smart contracts, que são contratos cuja execução é automática e é efetuada por meio de um código de execução do computador, que traduziu o texto jurídico para um programa executável, de modo que é possível programar para que haja a ocorrência de determinado evento que desencadeie uma ação específica, sempre de forma automática, sem necessidade de interferência de terceiros. Apenas por causa deles que muitas das soluções propostas para o uso da Blockchain podem ser materializadas.

Apenas para melhor compreender, os smart contracts são totalmente digitais e escritos em uma linguagem de programação inalterável, estabelecendo obrigações e consequências da mesma forma que o documento/contrato físico habitual, de modo que o código pode ser automaticamente executado. Portanto, é capaz de obter e processar informações referentes à negociação já tomando as providências conforme as regras do contrato.

Quer um exemplo? Um smart contract que, detectando a ausência de pagamento do devedor em uma operação de crédito, automaticamente retire da carteira do devedor os tokens digitais correspondentes ao compromisso financeiro não saldado. Veja: é automático e seguro com chance mínima de equívoco.

 AS POSSÍVEIS Aplicações do Blockchain

 As atividades públicas e privadas devem ser pautadas na garantia da segurança dos dados em seu poder, além de possuir ferramentas efetivas de combate à corrupção de uma forma geral. Nesse contexto é que há grande interesse em desenvolver aplicações sobre a plataforma do Blockchain para emprego em diversos setores.

As principais características do Blockchain que servem aos propósitos empresariais podem ser assim elencadas:

 

1) É um banco de dados cujas informações ali colocadas são imutáveis e virtualmente imunes a fraudes;

2) Ao mesmo tempo em que é possível garantir o sigilo das informações, a rede permite a fiscalização e auditoria desses dados;

3) Permite a automação de processos burocráticos, especialmente em conjunto com smart contracts, já mencionados acima;

4) Compartilhamento de dados de forma barata e segura.

 

Já temos vários exemplos de aplicação da tecnologia em questão por grandes empresas. Um exemplo disso é o Banco Santander que já possuía desde abril de 2018 um serviço de transferências internacionais de valores baseada em Blockchain (o Santander One Pay FX), por meio do qual começou a emitir dívidas utilizando a Blockchain do criptoativo Ethereum em setembro deste ano.

Um excelente exemplo de grupo empresarial que utiliza as Bitcoins e Blockchains é o Grupo GBS, titular da Viação Garcia e Brasil Sul. O grupo foi o primeiro, no ramo de transporte de passageiros, a utilizar as bitcoins e litecoins (outra criptomoeda) como forma de pagamento das passagens, o que tem gerado bons resultados.

Enfim, há diversas iniciativas, governamentais e empresariais, utilizando a Blockchain por todo o Mundo.

 CONCLUSÃO

 Torna-se evidente que a Blockchain realmente tem um potencial para ser de grande utilidade para empresas, visto que em muitos casos a sua aplicação facilita o compliance, em razão da maior transparência que concede, além da redução dos custos de transação. Contudo, é importante lembrar que apesar de tudo que pode ser feito utilizando tal tecnologia, sempre temos de ter cautela em considerar qualquer tecnologia uma panaceia.

É notório que o empresariado no Brasil tem dificuldades com a burocracia e complexidade do sistema tributário, exigindo a presença de advogados e contadores no dia a dia empresarial. Isso faz com que o empresário tenha receio de utilizar novas tecnologias. Contudo, como se viu acima, o Blockchain tem a clara possibilidade – e assim o tem feito – de tornar o dia a dia empresarial muito mais seguro com, por exemplo, os smart contracts. Abramos a mente para novos horizontes e, com isso, novos e melhores resultados surgirão.

Cito, por fim, a frase de Louis Pasteur, segundo a qual “a sorte favorece a mente bem preparada”. E acrescentaria apenas que a sorte favorece a mente aberta e bem preparada. Esse, sim, é claramente o empresário que deverá abrir-se para os novos tempos e para a chamada economia 4.0.

Um abraço caloroso a todos.

E assim, encerramos mais uma série!

Um ótimo final de semana, aqueles que acreditam em dias melhores…

Abraços

Janaina Chiaradia

maconha caminhão paraná

PRF faz a segunda maior apreensão de maconha no Paraná em 2019

2,8 toneladas de maconha foram apreendidas dentro de um caminhão-tanque no final deste domingo (13). A ação aconteceu na BR-277, em Santa Terezinha do Itaipu, na região oeste do Paraná, e foi a segunda maior apreensão da droga no Paraná em 2019.

Além da maconha, também foram encontrados 4,1 quilos de um novo tipo de ecstasy, conhecido como ‘champanhe rosa’. A droga é uma espécie de anfetamina com efeitos mais potentes que o ecstasy e traficado em forma de cristais.

APREENSÕES DE MACONHA NO PARANÁ

A apreensão no caminhão-tanque foi é a segunda maior realizada este ano pela PRF no Paraná.

A maior ocorreu em Céu Azul, em setembro, quando 4,6 toneladas de maconha foram encontradas pela PRF, em um outro caminhão-tanque.

Antes, o segundo lugar no ranking estava com outra apreensão em um caminhão em Santa Terezinha do Itaipu. Também em setembro, a PRF encontrou quase duas toneladas da droga.

APREENSÃO DIFÍCIL

O caminhão, com placa do Paraguai, foi abordado em frente à unidade operacional da PRF (Polícia Rodoviária Federal), mas a pesagem da maconha só terminou por volta das 21h30.

O motorista, paraguaio de 36 anos, disse que iria até Araucária, na Região Metropolitana de Curitiba, para realizar um serviço de manutenção no veículo. Entretanto, a equipe da PRF resolveu vistoriar o caminhão e identificou fardos suspeitos.

Com a ajuda do Corpo de Bombeiros e o uso de ferramentas especiais, a lataria do veículo foi aberta e a maconha foi apreendida.

O condutor acabou sendo preso em flagrante e vai responder pelo crime de tráfico de drogas. Caso seja condenado, ele pode ficar preso por até 15 anos.

Policiais rodoviários usaram equipamento especial para retirar a maconha do caminhão-tanque. (Divulgação / PRF)

Solução nova e criativa para conflitos empresariais: constelação.

In Loco: transmitindo informações e compartilhando experiências

Série: Nas entrelinhas do Direito, por André Cesar de Mello

 Hoje, sexta-feira, o dia é sempre animado… sol, céu azul, e muitas expectativas para o fim de semana… assim que a coluna de hoje apresenta o tema escolhido pelo jurista e amigo André Cesar de Mello, afinal é bom refletir sobre:

 Solução nova e criativa para conflitos empresariais: constelação.

 E o texto que segue, é de autoria de André Cesar de Mello e Dora Nogueira Maciel  

  1. Nos textos das “Entrelinhas do Direito”, sempre temos voltado os olhos para o mundo empresarial, seja para as startups, seja para a tributação, seja para as novas alterações legislativas, como é o caso da Lei da Liberdade Econômica. Hoje vamos falar sobre um assunto pouquíssimo abordado no mundo empresarial, mas que está surgindo e gera grande auxílio para os empresários: a constelação familiar e o Direito Sistêmico. Curioso? Vamos falar sobre isso!
  2. O Brasil tem 80,1 milhões de processos jurídicos em tramitação, resultado da soma de 51 milhões de processos pendentes e 29,1 milhões de casos novos registrados no ano de 2017, de acordo com estatística do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) de 2017.2 Tal abarrotamento de processos fez com que o Poder Judiciário se abrisse para novas técnicas de resolução de conflitos, dentre elas a abordagem sistêmica que foi desenvolvida pelo filósofo alemão Bert Hellinger e já está presente em unidades judiciárias de 16 Estados brasileiros, sendo também chamada neste âmbito de “Direito Sistêmico”.
  3. E o que é Direito Sistêmico? Como atua um(a) advogado(a) sistêmico(a)? Quais os benefícios que o direit sistêmico pode trazer para os empresários? Esses são alguns questionamentos, dentre muitos, que surgem frente ao crescimento da filosofia sistêmica de Bert Hellinger no meio jurídico[1]. Hoje iremos começar a responder algumas dessas perguntas.
  4. O Direito Sistêmico se apresenta como uma nova abordagem para resolução de conflitos e teve início no poder judiciário com o juiz Sami Storch, que decidiu trazer o conhecimento da filosofia Hellingeriana para o Direito, e obteve, com a utilização dessa abordagem, índices de acordo de 100% (cem por cento), recebendo do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) menção honrosa do Prêmio Conciliar é Legal pelo projeto “Constelações na Justiça”.
  5. De acordo com o Storch, o Direito Sistêmico enxerga o conflito em seu todo, pois “(…) só há direito quando a solução traz paz e equilíbrio para todo o sistema”[2]. O advogado que se capacitar nesta abordagem, por exemplo, pode se descer do seu cavalo de batalha e facilitar a ampliação de consciência de seus clientes, convidando-os a percepção sistêmica dos padrões e dinâmicas que se repetem, bem como a origem do conflito (Exemplos de padrões: Empresas que tem muitas ações trabalhistas, pessoas que tem muitos processos por dividas, famílias que tem intermináveis conflitos judiciais, etc). Para se aprofundar em uma visão integral do conflito, ele pode usar diversas ferramentas, como exercícios terapêuticos da Constelação Familiar, técnicas de mediação, escuta ativa e/ou outras ferramentas que tiver capacitação. Dessa forma, contribui para o fortalecimento das relações entre as partes, assim como a pacificação e a ressignificação do conflito.
  6. É importante ressaltar que de maneira alguma propõe-se que o advogado deixe de lado os interesses de seu cliente. Ao contrário, os interesses são discutidos, aprofundados e vistos de maneira humanizada, junto com o cliente, para que, ao fim, o resultado contemple esses interesses, trazendo benefícios reais e mais leveza para a vida do cliente. Não se trata de abandonar o cliente diante de uma situação de conflito; trata-se de uma nova visão do conflito, passando de uma gestão de conflitos para uma efetiva solução da origem dos conflitos.
  7. No âmbito corporativo, por exemplo, essa abordagem pode ser muito útil para resolver conflitos de maneira cuidadosa, aumentar a qualidade do relacionamento entre os funcionários, sócios e, consequentemente, a produtividade da empresa, sobretudo quando se trata de empresas familiares, em que atuam sentimentos complexos que escapam da visão técnica jurídica convencional.
  8. Como por exemplo, podemos imaginar um caso concreto. Se uma empresa demite um funcionário e essa demissão é percebida como injusta pelos demais colaboradores, a lealdade dos empregados remanescentes ao empregado que foi demitido pode causar sentimentos de raiva, culpa ou medo no ambiente da empresa, gerando altos níveis de insatisfação, que reduzem o rendimento e a criatividade de qualquer profissional e podem causar o mal-estar dentro da empresa, bem como processos trabalhistas.
  9. Neste caso, a consultoria de advocacia sistêmica pode atuar de maneira preventiva, trazendo mais clareza para preparar uma negociação entre empresário e ex-funcionário. Um recurso para neste caso, poderia ser o uso da escuta ativa para buscar a parcela de responsabilidade que cada uma das partes tem no conflito. A solução pode ser justamente o reconhecimento e/ou a justa compensação pelos danos que por ventura tenham sido causados, seja pela empresa, seja pelo ex-funcionário. O importante é que a decisão escolhida traga mais equilíbrio para a relação e seja sentida como justa pelos elementos da empresa.
  10. A empresa, no olhar do advogado sistêmico, não pode ser vista de maneira isolada, como se estivesse separada de suas partes (fundador, proprietário, sócios, funcionários, clientes, capital que a possibilitou existir, etc). A empresa é reconhecida como organismo vivo, que tem características, valores, história, e que para cumprir as suas funções e exercer as suas atividades precisa estar saudável, integrada e fortalecida em suas relações.
  11. Caros leitores, este artigo está bem longe de esgotar a matéria, mas as questões brevemente suscitadas pretendem ao menos sinalizar aos interessados e empresários que há uma nova abordagem no Direito que busca levar um novo olhar à letra fria da lei, tratando cada caso com particular atenção, observando os contextos, os padrões que se repetem, o que está separado e o que está conectado, sempre com foco na saúde integral do sistema envolvido.

[1] BANDEIRA, Regina. “Constelação Familiar” ajuda a humanizar práticas de conciliação no Judiciário. Disponível em: <http://www.cnj.jus.br/noticias/cnj/83766-constelacao-familiar-ajuda-humanizar-praticas-de- conciliacao-no-judiciario-2> Acesso em: 23 ago. 2019

[2] STORCH, Sami. Direito Sistêmico. Disponível em: <https://direitosistemico.wordpress.com> Acesso em: 23 ago. 2019

Com tamanha solução a ser analisada, terminamos a coluna com a sugestão do amigo Christopher Mizushima:

Abraços a todos,

Até amanhã,

Janaína Chiaradia

 

Tarifa de pedágio fica 30% mais barata no Paraná

As tarifas cobradas em praças de pedágio administradas pelas concessionárias Ecovia e Ecocataratas, no Paraná, ficaram 30% mais baratas nesta terça-feira (1°). A redução no preço é fruto de um acordo de leniência firmado em agosto deste ano entre a força-tarefa da Lava Jato do MPF (Ministério Público Federal) e as duas empresas.

Na praça de pedágio de São José dos Pinhais, administrada pela Ecovia, o valor da tarifa para um automóvel, que era de R$ 20,90, passou para R$ 14,60. Já para um caminhão leve, que pagava R$ 35,20, o preço foi atualizado para R$ 24,60.

As tarifas também foram reduzidas nas praças dos municípios de São Miguel do Iguaçu, Céu Azul e Cascavel, no oeste do Paraná, e Laranjeiras do Sul e Candói, no centro-sul do estado. Todas são gerenciadas pela Ecocataratas. Em São Miguel do Iguaçu, por exemplo, o preço cobrado de um carro, que era de R$ 16,40, agora é de R$ 11,50. Confira a tabela com valores atualizados.

No total, segundo o MPF, foram destinados R$ 220 milhões para quitar 30% da tarifa devida pelos usuários. O acordo também prevê o investimento de R$ 150 milhões na execução de obras nas rodovias, sendo R$ 130 milhões no trecho administrado pela Ecocataratas e R$ 20 milhões no gerenciado pela Ecovia.

“Mais que se fazer cumprir a lei, é importante que os cidadãos sintam diretamente os efeitos do combate à corrupção em seu dia a dia. Por isso, prezamos – de forma inédita contra concessionárias – que os motoristas sintam os benefícios desses acordos diretamente em seus bolsos”, afirmou o procurador da República Felipe D’Elia Camargo.

apreensão maconha segunda maior do ano paraná santa terezinha de itaipu prf

PRF faz a segunda maior apreensão de maconha do ano no PR; VÍDEOS

Quase duas toneladas de maconha foram apreendidas neste domingo (15), em Santa Terezinha de Itaipu, no oeste do Paraná. A droga estava sendo transportada em um caminhão-tanque dirigido por um homem paraguaio, que fugiu durante a abordagem da polícia e não foi mais encontrado.

De acordo com a PRF (Polícia Rodoviária Federal), a pesagem da droga foi concluída nesta segunda-feira (16), totalizando 1.993,9 kg. A apreensão foi a segunda maior do ano em rodovias federais, atrás apenas das 4,6 toneladas de maconha apreendidas em Céu Azul, no último dia 8.

No caso deste domingo (16), no oeste paranaense, a droga foi encontrada escondida dentro de um caminhão-tanque. Os agentes precisaram usar ferramentas específicas para acessar o compartimento secreto onde a maconha estava escondida.

Durante a abordagem, o homem de 42 anos disse aos policiais rodoviários que estava com o semirreboque vazio. O paraguaio alegou que que iria até Araucária, na região metropolitana de Curitiba, para carregar o caminhão com asfalto. A história não convenceu os agentes da PRF, que fizeram uma inspeção no tanque. No local, fardos suspeitos foram encontrados.

No momento em que acontecia a vistoria, uma caminhonete de apoio ao suspeito passou pelo ponto da abordagem. O paraguaio conseguiu fugir e o veículo foi encontrado alguns quilômetros à frente, abandonado. O caso foi repassado à Polícia Federal de Foz do Iguaçu, na região de fronteira com o Paraguai. A droga e os veículos apreendidos foram encaminhados até a delegacia do município.

manicure presa cocaína br-277 paraná

Manicure é presa por esconder cocaína, crack e munições dentro do tanque do carro

Uma manicure de 30 anos foi presa nesta quarta-feira (11), em Céu Azul, na região oeste do Paraná, por esconder drogas e munições dentro do tanque de combustível do carro. No total, foram 4,2 quilos de cocaína, 8,2 quilos de crack e 100 munições, de calibre 45 e fabricação norte-americana. As drogas e balas foram apreendidas pela PRF (Polícia Rodoviária Federal) na BR-277, que corta o estado no sentido leste-oeste.

Além disso, a mulher estava com a carteira de habilitação suspensa há seis meses e tinha convidado o amigo para dirigir o carro até Cascavel. Com isso, o homem, de 28 anos, também foi preso em flagrante. Entretanto, a Justiça ainda deve medir o grau de envolvimento dele ao longo do inquérito.

A princípio, eles vão responder pelos crimes de tráfico de drogas e tráfico internacional de armas de fogo. Caso sejam condenados, eles podem pegar até 23 anos de prisão.

Conforme o artigo 307 do Código de Trânsito, o crime de violar a suspensão do direito de dirigir prevê pena de seis meses a um ano de detenção, além de implicar na imposição adicional de um novo prazo de suspensão, idêntico ao violado.

 

manicure presa cocaína br-277 paraná
Cocaína encontrada dentro do automóvel. Foto: Divulgação / PRF

A ABORDAGEM DA PRF

A mulher estava aguardando o amigo para retirar um Honda Civic em frente à unidade operacional da PRF na BR-277, mas demonstrou um nervosismo excessivo.

Os policiais rodoviários federais desconfiaram da atitude da manicure e decidiram fazer uma vistoria detalhada no carro. No início da tarde, a equipe da PRF acabou localizando a carga ilícita dentro do tanque de combustível. Quando o sujeito chegou ao local, também foi detido pelos policiais.

Policiais tiveram que verificar até o tanque de combustível do carro. Foto: Divulgação / PRF

 

maior apreensão de maconha do ano no paraná prf céu azul paraguaios reprodução prf

4,6 toneladas: PRF faz maior apreensão de maconha do ano no PR

Dois paraguaios foram presos em flagrante, neste domingo (8), em Céu Azul, no oeste do Paraná, transportando mais de 4,6 toneladas de maconha (4.632 kg). Essa foi a maior apreensão de maconha do ano feita no estado pela PRF (Polícia Rodoviária Federal).

maior apreensão de maconha do ano no paraná prf céu azul paraguaios reprodução prf
PRF acionou bombeiros e militares. A pesagem terminou na noite deste domingo (8). Foto: Divulgação/PRF

A droga foi encontrada em um caminhão-tanque abordado na BR-277. Foram detidos o motorista, de 46 anos, e o passageiro, de 21 anos.

Durante a abordagem, os policiais rodoviários federais desconfiaram dos paraguaios e decidiram fazer uma inspeção minuciosa no caminhão, que deveria estar transportando uma carga de óleo vegetal.

Os fardos que escondiam a droga só foram encontrados dentro de um compartimento secreto. Os agentes federais usaram ferramentas desencarceradoras para cortar e expandir o tanque.

Ao se depararem com uma grande quantidade de maconha, a PRF acionou o apoio da concessionária, do Corpo de Bombeiros e do Exército. A pesagem, que totalizou 4.632 kg, foi concluída na noite deste domingo, horas depois da apreensão.

Maior apreensão de maconha do ano

Até então, a maior apreensão de maconha no Paraná havia sido realizada no dia 13 de junho. Na ocasião, 1,8 tonelada foi apreendida em um ônibus escolar de Alto Paraíso, na divisa com o Mato Grosso do Sul.

Aos policiais rodoviários federais, os paraguaios presos em flagrante informaram que trouxeram a maconha do país vizinho. A carga ilícita seria levada, a princípio, até Cascavel, na região oeste do Paraná. O destino final não foi revelado.

Por se tratar de um caso de tráfico internacional de droga, a investigação foi repassada à PF (Polícia Federal) de Foz do Iguaçu, na fronteira com o Paraguai. Os paraguaios seguem detidos.