Com Selic em queda, poupança pode passar a render menos que a inflação

Com a taxa básica de juros, a Selic, em queda, os rendimentos da poupança devem perder para a inflação. Isso pode acontecer porque os rendimentos da poupança são 70% da Selic, mais a Taxa Referencial (TR), que está zerada.

Atualmente, a Selic está em 5% ao ano e o Banco Central já sinalizou que a taxa deve cair em dezembro para 4,5% ao ano e encerrar 2020 nesse patamar. Com isso, os rendimentos da poupança vão passar de 3,5% para 3,15% ao ano.

Já a inflação, calculada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), deve fechar 2019 em 3,31% e 2020, em 3,60%, de acordo com estimativas do mercado financeiro.

Se for considerada a previsão mensal, a inflação deve chegar a 0,36%, em novembro, e a 0,35%, em dezembro, enquanto a poupança vai render 0,29% ao mês, com a Selic em 5%, e 0,26% ao mês, se a taxa básica cair para 4,5% ao ano.

Os investidores que têm poupança antiga e não retiraram os recursos recebem rendimentos maiores. Isso porque todos os depósitos feitos até 3 de maio de 2012 rendem 0,5% ao mês (ou 6,17% ao ano), mais TR. A partir de 4 de maio de 2012, a nova regra de cálculo da poupança passou a ser 70% da Selic mais TR, sempre que a taxa estiver abaixo ou igual a 8,5% ao ano. Acima de 8,5% ao ano, o rendimento é 0,5% ao mês mais TR.

O diretor executivo de Estudos e Pesquisas Econômicas da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), Miguel José Ribeiro de Oliveira, afirma que essa nova realidade de a poupança render pouco veio para ficar. “É uma realidade porque os juros vão ficar baixos. Vão cair de novo agora no mês de dezembro, possivelmente para 4,5% ao ano. Isso quer dizer que a poupança vai render 3,15% ao ano. E já começa a ser um problema porque esse rendimento deve ser menor que a inflação”, disse.

“Vamos passar aqui no Brasil pelo que aconteceu nos Estados Unidos e na Europa. Nessas economias, os juros eram altos. As pessoas aplicavam em renda fixa. Havia investimentos garantidos e altos. Só que as taxas de juros foram caindo e aí reverteu a situação – a maioria dos americanos e europeus atualmente aplica na bolsa de valores. Vamos ter esse cenário no Brasil – quem quer maior rentabilidade vai ter que assumir risco”, disse.

Oliveira aconselha a quem optar por investir em ações e não tiver conhecimento do mercado financeiro a buscar os fundos de ações. “Há duas formas de aplicar na bolsa. Uma delas é aplicar diretamente em ações de uma empresa. Esse tipo de escolha só deve ser feito por pessoas com mais conhecimento. Para os iniciantes, a melhor alternativa é entrar em fundos de ações. Porque no fundo tem um gestor que conhece o melhor papel para comprar e ele vai diluir a carteira para minimizar os riscos. Vai escolher diversos tipos de empresas, como financeiras, bancos, varejo, de energia”, disse.

Caso não queira correr riscos ou tenha a intenção de fazer reserva de emergência, a recomendação é analisar as taxas de administração dos fundos de renda fixa. Para Oliveira, com a Selic cada vez menor, a tendência é que as instituições financeiras reduzam as taxas de administração para atrair mais clientes. Outra opção é analisar os títulos do Tesouro Direto, como o Tesouro Selic. Os investidores podem analisar também outras opções de investimento disponíveis no mercado.

Os investimentos em fundos e no Tesouro Direito têm cobrança de Imposto de Renda, além de taxas de administração, que devem ser analisadas por quem decide investir.

REFLEXOS NA ECONOMIA

Oliveira destaca que os menores rendimentos da poupança podem trazer consequências não somente para o bolso dos poupadores, mas também para a economia do país. “Como deixar o dinheiro na poupança não vai nem manter o poder de compra, isso pode fazer com que as pessoas parem de poupar e destinem dinheiro para consumo”, disse.

Outro fator é a redução de recursos para o financiamento habitacional. Atualmente, 65% dos recursos de poupança são destinados aos financiamentos habitacionais.

inflação

Mercado financeiro reduz estimativa para inflação e taxa Selic em 2019

Instituições financeiras reduziram, pela oitava vez seguida, a estimativa para a inflação neste ano.

De acordo com pesquisa do Banco Central (BC) ao mercado financeiro, a previsão para a inflação, calculada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, passou de 3,44% para 3,43%, em 2019.

Para 2020, a estimativa caiu de 3,80% para 3,79%. A previsão para os anos seguintes não teve alterações: 3,75%, em 2021, e 3,50%, em 2022.

As estimativas para 2019 e o próximo ano estão abaixo do centro da meta de inflação que deve ser perseguida pelo BC. A meta de inflação, definida pelo Conselho Monetário Nacional é 4,25% em 2019, 4% em 2020, 3,75% em 2021 e 3,50% em 2022, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

O principal instrumento usado pelo BC para controlar a inflação é a taxa básica de juros, a Selic. Quando o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC reduz a Selic, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação e estimulando a atividade econômica.

Quando o Copom aumenta a Selic, a finalidade é conter a demanda aquecida e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Para o mercado financeiro, a Selic deve terminar 2019 em 4,75% ao ano. Na semana passada, a expectativa estava em 5% ao ano. Atualmente, a Selic está em 5,5% ao ano.

O mercado financeiro não alterou a estimativa para o fim de 2020: 5% ao ano. Para 2021, a expectativa é que a Selic termine o período em 6,50% ao ano. Na semana passada, a previsão era 6,75% ao ano. Para o fim de 2022, a previsão permanece em 7% ao ano.

Crescimento da economia

A previsão para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no país – é mantida em 0,87% em 2019, há quatro semanas consecutivas.

As estimativas para os anos seguintes também não foram alteradas: 2%, em 2020; e 2,50%, em 2021 e 2022.

Dólar

A previsão para a cotação do dólar ao fim deste ano subiu de R$ 3,95 para R$ 4 e, para 2020, de R$ 3,90 para R$ 3,91.

Mercado financeiro espera por redução da Selic para 5,5% ao ano

O mercado financeiro espera que a taxa básica de juros, a Selic, seja reduzida em 0,5 ponto percentual, dos atuais 6% ao ano para 5,5% ao ano, na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), marcada para esta terça e quarta-feira (18). A expectativa consta da pesquisa semanal do BC a instituições financeiras no Boletim Focus.

Para o mercado financeiro, a Selic voltará a ser reduzida em 0,5 ponto percentual em outubro e permanecer em 5% ao ano na última reunião do ano marcada para dezembro. O mercado também não espera por alteração na Selic em 2020. A expectativa, que na semana passada a Selic estaria em 5,25% ao ano no fim de 2020, agora é 5% ao ano. Para 2021, a expectativa é que a Selic volte a subir e encerre o período em 7% ao ano.

A taxa básica de juros é usada no controle da inflação, que está abaixo da meta definida pelo Conselho Monetário Nacional (CMN) para 2019 e 2020. Quando o Copom reduz a Selic, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação e estimulando a atividade econômica. Quando o Comitê de Política Monetária aumenta a Selic, a finalidade é conter a demanda aquecida e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

De acordo com as previsões do mercado financeiro, a inflação, calculada pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deve ficar em 3,45%, em 2019. Essa foi a sexta redução consecutiva na estimativa, que na semana passada estava em 3,54%.

Para 2020, a estimativa também foi reduzida, ao passar de 3,82% para 3,80%, na segunda revisão consecutiva. A previsão para os anos seguintes não teve alterações: 3,75%, em 2021, e 3,50%, em 2022.

A meta de inflação, definida pelo Conselho Monetário Nacional é 4,25% em 2019, 4% em 2020, 3,75% em 2021 e 3,50% em 2022, com intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

Crescimento da economia

A previsão para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no país – foi mantida em 0,87% em 2019.

A estimativa para 2020 caiu de 2,07% para 2%. Para 2021 e 2022 também não houve alteração nas estimativas: 2,50%.

Dólar

A previsão para a cotação do dólar ao fim deste ano subiu de R$ 3,87 para R$ 3,90 e, para 2020, de R$ 3,85 para R$ 3,90.

Banco Central mantém taxa Selic em 6,5%

Por Eduardo Cucolo e Júlia Moura

O Banco Central manteve nesta quarta-feira (19) a taxa básica de juros (Selic) em 6,50% ao ano. Os juros estão no patamar atual desde março de 2018, quando o Copom (Comitê de Política Monetária) do BC encerrou o ciclo de cortes iniciado em 2016 e colocou a Selic em sua mínima histórica.

A divulgação de dados econômicos deste primeiro semestre, que indicam cenário de estagnação ou até recessão, além de queda na inflação, aumentou as apostas de que o BC iria sinalizar na reunião desta quarta cortes na taxa básica até o final do ano.

O BC tem afirmado, no entanto, que há fatores que devem ser considerados, como a frustração das expectativas sobre a continuidade das reformas econômicas.

Até a semana passada, as projeções do mercado, de acordo com a pesquisa Focus feita pelo BC, eram de três cortes de 0,25 ponto ainda neste ano, nas reuniões do Copom de setembro, outubro e dezembro. Com isso, a taxa fecharia 2019 em 5,75% ao ano.

A projeção para o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) em 2019 está em 0,93%, abaixo do verificado nos dois anos anteriores (1,1%).

Além de dados que indicam atividade econômica fraca, foram divulgados nas últimas semanas números que mostram queda da inflação. O IPCA (índice de preços ao consumidor) está em 4,66% no acumulado dos últimos 12 meses. A projeção para o ano é de 3,84%, para uma meta de inflação de 4,25.

Na terça-feira (18), o presidente do BCE (Banco Central Europeu), Mario Draghi, que vinha preparando o mercado para um aperto na política monetária, afirmou que um estímulo econômico adicional será necessário e que ainda pode cortar os juros.

A declaração irritou o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que acusou Draghi de buscar vantagem comercial injusta ao desvalorizar o euro.

O Fed (Federal Reserve), banco central americano, também já havia desistido de elevar os juros. Nesta quarta-feira, a instituição manteve a taxa básica de juros entre 2,50% e 2,25% ao ano, com indicação de que deve cortar o juro na próxima reunião.

O cenário contribuiu para que a Bolsa de Valores fechasse pela primeira vez acima dos 100.000 pontos.

Mercado financeiro espera por cortes na Selic a partir de setembro

O mercado financeiro espera por manutenção da taxa básica de juros, a Selic, no atual patamar de 6,5% ao ano, na reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) desta terça-feira (18) e quarta-feira (19). Entretanto, a partir de setembro, instituições financeiras esperam pelo início de um ciclo de cortes.

Por essas expectativas, a Selic também será mantida em 6,5% ao ano, em agosto, cai para 6,25% ao ano, em setembro, para 6%, em outubro e para 5,75% ao ano, em dezembro. Essas projeções são da pesquisa Focus, publicada todas as semanas pelo Banco Central (BC) com estimativas para os principais indicadores econômicos.

A Selic é usada pelo BC como principal instrumento para controlar a inflação. Quando o Copom reduz a Selic, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle da inflação e estimulando a atividade econômica.

Quando o Comitê de Política Monetária (Copom) aumenta a Selic, a finalidade é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

BC mantém taxa Selic em 6,5%

Por Tássia Kastner

O Banco Central decidiu, por unanimidade, manter a taxa Selic em 6,50% ao ano, em uma decisão amplamente esperada pelo mercado financeiro. A taxa básica de juros está no atual patamar desde março do ano passado, estendendo o período de mínima histórica em um momento em que economistas enxergam espaço para cortes adicionais.

Para o Copom (Comitê de Política Monetária) do BC, reduções adicionais dependem da aprovação da reforma da Previdência, algo que vem sendo repetido nos comunicados que justificam a decisão da Selic.

As novas regras para aposentadoria são consideradas cruciais para o equilíbrio das contas públicas e, caso não sejam aprovadas, poderiam levar a uma aceleração da inflação.

O mandato do Banco Central é garantir a estabilidade de preços.

“Acreditamos que o Copom manterá a taxa Selic estável […] dadas as projeções de inflação ancoradas em torno das respectivas metas até 2021, e diante da pouca disposição da autoridade monetária em alterar o nível de estímulos até que haja maior clareza sobre as perspectivas para as reformas econômicas – em particular, quanto à reforma da Previdência”, escreveu a equipe econômica do Itaú em relatório.

A inflação em 12 meses registrou repique a 4,58% em março, acima da meta de 4,25%, mas dentro da margem de tolerância.

A perspectiva é de que esse efeito seja apenas temporário, um choques de preços que logo será absorvido, dizem economistas.

“Tais choques devem se dissipar nos próximos meses, fazendo a inflação retornar para abaixo da meta. A inflação implícita para os próximos 12 meses está em 4,09%”, escreveu a corretora Guide.

“Olhando à frente, acreditamos que uma combinação de atividade fraca com projeções de inflação abaixo da meta abrirá espaço para estímulos monetários adicionais, caso o risco de deterioração fiscal seja reduzido após a aprovação da reforma da Previdência”, acrescentou o Itaú.

Estímulos monetários adicionais, fora do jargão do mercado financeiro, é redução da taxa de juros. Na teoria, quando o juro básico cai, há mais dinheiro circulando na economia e o custo (a taxa cobrada dos consumidores) se reduz.

Isso estimularia famílias e empresas a tomarem crédito e movimentar a economia.

A economia brasileira patina e cai semana após semana as expectativas de crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) para 2019. Na estimativa mais recente colhida pelo Banco Central no Boletim Focus, a projeção era de avanço de 1,49%.

Eles estimam que a Selic terminará o ano no atual patamar, ainda que o mercado fale em chances de cortes.

Há um ano, na reunião de maio do ano passado, o Banco Central surpreendeu o mercado ao decidir manter a Selic no atual patamar, contrariando as estimativas que apontavam corte para 6,25%.

Naquela época, o Banco Central projetava riscos vindos do exterior com o ciclo de alta de juros nos Estados Unidos, que estimula a migração de recursos de países emergentes para o mercado americano, pressionando o dólar.

inflação

Mercado projeta Selic em 6,5% ao ano em 2019

Instituições financeiras, consultadas pelo Banco Central (BC), não esperam mais por aumento na taxa básica de juros, a Selic, neste ano. A previsão para a taxa ao final de 2019 passou de 7% para 6,5% ao ano, atual patamar da Selic.

Para 2020, no entanto, o mercado financeiro projeta aumento da Selic, com a taxa encerrando o período em 8% ao ano. Essas projeções estão no Boletim Focus, pesquisa semanal do BC feita a instituições financeiras sobre os principais indicadores econômicos.

A primeira reunião deste ano do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central, responsável por definir a Selic, começa amanhã (5).

O Copom reúne-se a cada 45 dias. No primeiro dia da reunião, são feitas apresentações técnicas sobre a evolução e perspectivas das economias brasileira e mundial e o comportamento do mercado financeiro. No segundo dia, os membros do Copom, formado pela diretoria do BC, definem a Selic.

O Banco Central atua diariamente por meio de operações de mercado aberto – comprando e vendendo títulos públicos federais – para manter a taxa de juros próxima ao valor definido na reunião.

A Selic, que serve de referência para os demais juros da economia, é a taxa média cobrada nas negociações com títulos emitidos pelo Tesouro Nacional, registradas diariamente no Sistema Especial de Liquidação e de Custódia (Selic).

A manutenção da Selic, como prevê o mercado financeiro, indica que o Copom considera as alterações anteriores nos juros básicos suficientes para chegar à meta de inflação, objetivo que deve ser perseguido pelo BC.

Ao reduzir os juros básicos, a tendência é diminuir os custos do crédito e incentivar a produção e o consumo. Entretanto, as taxas de juros do crédito não caem na mesma proporção da Selic. Segundo o BC, isso ocorre porque a Selic é apenas uma parte do custo do crédito.

Para cortar a Selic, a autoridade monetária precisa estar segura de que os preços estão sob controle e não correm risco de ficar acima da meta de inflação. Quando o Copom aumenta a Selic, o objetivo é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Inflação

A meta de inflação deste ano, definida pelo Conselho Monetário Nacional, é 4,25%, com intervalo de tolerância entre 2,75% e 5,75%. Para o mercado financeiro, a inflação deve ficar em 3,94% neste ano. Na semana passada, a estimativa estava em 4%. Para 2020, a previsão é que o IPCA fique na meta, em 4%. O valor para o próximo ano tem intervalo de tolerância de 1,5 ponto percentual para cima ou para baixo.

A projeção para a expansão do Produto Interno Bruto (PIB) – a soma de todos os bens e serviços produzidos no país – foi mantida em 2,50%, em 2019 e 2020.

A previsão do mercado financeiro para a cotação do dólar passou de R$ 3,75 para R$ 3,70 no final deste ano, e de R$ 3,78 para R$ 3,75, no fim de 2020.

Copom realiza última reunião do ano, com expectativa de manter Selic

A última reunião do ano para definir a taxa básica de juros, a Selic, será realizada na próxima terça-feira (11) e quarta-feira (12), em Brasília. O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) se reunirá pela oitava vez este ano. A expectativa de instituições financeiras ouvidas pelo BC é de manutenção da Selic em 6,5% ao ano, o menor patamar histórico.

De outubro de 2012 a abril de 2013, a taxa foi mantida em 7,25% ao ano e passou a ser reajustada gradualmente até alcançar 14,25% em julho de 2015. Nas reuniões seguintes, a taxa foi mantida nesse patamar.

Em outubro de 2016, foi iniciado um longo ciclo de cortes na Selic, quando a taxa caiu 0,25 ponto percentual para 14% ao ano. Esse processo durou até março deste ano, quando a Selic chegou ao seu mínimo histórico. Nas reuniões de maio, junho, agosto, setembro e outubro de 2018, o Copom optou por manter a Selic em 6,5% ao ano.

Para as instituições financeiras, a Selic deve voltar a subir em 2019, encerrando o período em 7,75% ao ano. A primeira reunião do Copom de 2019 será realizada em fevereiro.

A taxa básica de juros é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve de referência para as demais taxas de juros da economia.

A Selic é o principal instrumento do Banco Central para manter sob controle a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA).

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o IPCA acumula alta de 4,05% nos 12 meses terminados em novembro, abaixo do centro da meta de inflação, que é de 4,5%. Essa meta tem limite inferior de 3% e superior de 6%. Para 2019, a meta é 4,25% com intervalo de tolerância entre 2,75% e 5,75%.

A manutenção da Selic na reunião que começa terça-feira, como prevê o mercado financeiro, indica que o Copom considera as alterações anteriores nos juros básicos suficientes para chegar à meta de inflação, objetivo que deve ser perseguido pelo BC.

Ao reduzir os juros básicos, a tendência é diminuir os custos do crédito e incentivar a produção e o consumo. Entretanto, as taxas de juros do crédito não caem na mesma proporção da Selic. Segundo o BC, isso acontece porque a Selic é apenas uma parte do custo do crédito.

Para cortar a Selic, a autoridade monetária precisa estar segura de que os preços estão sob controle e não correm risco de ficar acima da meta de inflação. Quando o Copom aumenta a Selic, o objetivo é conter a demanda aquecida, e isso causa reflexos nos preços porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança.

Taxa Selic é mantida em 6,5% ao ano pelo Copom

O Comitê de Política Monetária – Copom, acredita na estabilidade do mercado e não alterou a Taxa Selic durante a última reunião que ocorreu nos dias 31 de julho e 1º de agosto. De acordo com o Comunicado nº 32.381 divulgado ao término da reunião, o Comitê entende que os efeitos da paralisação dos caminhoneiros no final de maio não são permanentes e os impactos nos indicadores de inflação que ocorreram nos últimos meses são temporários e serão revertidos.

Leia abaixo síntese do economista Jefrey Albers, do Departamento Técnico Econômico do Sistema FAEP/SENAR-PR:

No cenário externo a principal ameaça está relacionada às incertezas do comércio internacional e às taxas de juros dos países desenvolvidos, porém as economias emergentes ainda mantêm-se atrativas aos investidores.

O conjunto das perspectivas internas e externas desenham um cenário de recuperação das taxas de inflação no patamar de 4,1% ao ano para 2018 e 2019 segundo a pesquisa Focus, supondo o fechamento de 2018 com taxa de juros (Selic) de 6,5% ao ano e taxa de câmbio do dólar em R$ 3,70.

O Comitê ainda ressalta a necessidade pela continuidade do processo de reformas e ajustes na economia nacional para que a inflação baixa seja preservada no médio e longo prazos e volta a se reunir em 18 e 19 de setembro para analisar a conjuntura nacional e mundial e definir os direcionamentos da economia brasileira.

O comunicado 32.281 pode ser lido na íntegra no site do Banco Central.

Real

Juros dos empréstimos devem continuar em queda, mas longe da Selic

Por Kelly Oliveira 

Os juros do crédito devem continuar caindo, mesmo após a interrupção do ciclo de cortes da taxa básica de juros, a Selic, previsto para junho. Isso será possível com a recuperação da economia e a maior competição no mercado de crédito, avaliou o diretor de Economia da Associação Brasileira de Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac), Miguel José Ribeiro de Oliveira.

Em março, o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) reduziu a taxa Selic pela 12ª vez seguida, ao menor nível da história, para 6,5% ao ano, e sinalizou um novo corte em maio, com interrupção do ciclo em junho. A expectativa é que a Selic seja reduzida em 0,25 ponto percentual para 6,25% ao ano. O atual ciclo de cortes começou em outubro de 2016, quando estava em 14,25% ao ano.

Mesmo com a taxa Selic em seu menor patamar, os juros ao consumidor ainda são altos. A taxa média de juros para pessoas físicas estava em 74,3% ao ano, em outubro de 2016, e chegou a 57,72% ao ano, em fevereiro. Ou seja, enquanto a Selic caiu 54%, essa taxa média dos empréstimos às famílias teve redução de 22%.

Mas há taxas ainda mais altas, como a do cheque especial, que não mudou muito nesse período. Em outubro de 2016 estava em 328,52% ao ano e em fevereiro desse ano chegou a 324,12% ao ano. Segundo a Federação Brasileira de Bancos (Febraban), as instituições financeiras devem apresentar mudanças no cheque especial ainda neste mês, mas ainda não foram divulgados detalhes da alteração.

“As taxas de juros nunca vão cair na mesma proporção da queda da Selic porque ela é um dos itens que compõem o custo. Além da Selic, tem impostos e compulsórios, despesas administrativas, risco, ou seja, parte do que os bancos emprestam eles não recebem de volta, e o lucro. Naturalmente, nada justifica o patamar dos juros que existe hoje”, disse o diretor da Anefac.

Oliveira destacou que os juros do crédito ainda são altos devido ao “baixo nível” do saldo das operações de crédito, concentração bancária (poucas instituições atuando no mercado), compulsórios altos (parte do dinheiro depositado nos bancos que deve ser recolhida ao BC) e desemprego, o que leva a aumento de risco.

O diretor da Anefac lembrou que o custo de captação do dinheiro pelo banco (Selic) corresponde a 20% da taxa de juros do crédito. A maior parte da composição da taxa é o risco de inadimplência (32%). O lucro corresponde por 27%, impostos e compulsório, 20%, e despesas administrativas com funcionários e o processo de liberação do crédito, 1%. Oliveira explicou que essas despesas administrativas são mais baixas porque os bancos cobram tarifas para cobrir parte desses custos.

Com a recuperação da economia, o que deve levar a menos desemprego, o risco se reduz, avalia Oliveira. Além disso, o economista citou que recentemente o BC reduziu os depósitos compulsórios, o que liberou mais dinheiro para os bancos emprestarem, o que pode levar à redução dos juros ao consumidor.

Outro fator que tem mudando o cenário é a maior participação de fintechs (empresas de inovação no setor financeiro) e cooperativas de crédito, o que aumenta a competição com os bancos. A redução da Selic também gera uma outra consequência, os bancos deixam de aplicar em títulos do governo e tendem a emprestar mais para conseguir retornos maiores.

Oliveira citou ainda o novo projeto do cadastro positivo, em tramitação no Congresso, que se aprovado vai ajudar a reduzir o custo do crédito para os bons pagadores. Atualmente, a adesão ao cadastro é opcional. Se a mudança for aprovada, a adesão será automática. “Os bancos hoje, por não ter informação, acabam cobrando caro de tudo mundo. Com o cadastro positivo, os bancos vão disputar o bom pagador, oferecendo uma melhor condição de crédito para ele”, avalia.

“A tendência é que as taxas continuem caindo, em um cenário de Selic mais baixa, de competição maior, de recuperação da economia. O Banco Central vai reduzir a Selic em 0,25 na próxima reunião. Mas mesmo dali para frente, as taxas de juros ao consumidor vão continuar caindo por conta desses fatores”, concluiu Oliveira.

A Febraban também acredita que a tendência é de redução dos juros do crédito. “Mantido o cenário atual, de inflação e Selic em baixa, de retomada gradual do crescimento e inadimplência em queda ou estável, é praticamente certo que vamos observar novos recuo das taxas ativas de crédito e dos spreads [a diferença entre as taxas cobradas nas concessões de crédito e as taxas de captação do dinheiro pelas instituições financeiras] no decorrer dos próximos meses”, avaliou.

Spreads bancários

A Febraban destaca que a queda nas taxas de juros foi acompanhada da redução do spread bruto bancário. Em fevereiro de 2018, o spread ficou em 49,2 % nas operações de crédito com recursos livres para pessoa física, ante 62,6 % registrados em fevereiro do ano anterior – uma redução de 13,4 pontos percentuais. No mesmo período analisado, o spread nas operações de crédito com recursos livres para as empresas caiu de 18,3% para 14,6%, uma redução de 3,7 pontos percentuais.

Apesar dessa redução, a Febraban reconhece que os spreads ainda são altos no país.

“Estudo divulgado recentemente pela Febraban, feito pela empresa de consultoria Accenture, comprovou que a razão principal pela qual os spreads brutos são mais altos no Brasil, em comparação a outros países, está nos custos elevados da intermediação financeira. Os custos associados à inadimplência, tributação, depósitos compulsórios e outros elementos do sistema de regulação são bem mais altos no Brasil que em países emergentes relevantes, como Chile e Turquia, por exemplo”, disse a federação, em nota à Agência Brasil.

Segundo a pesquisa, as despesas com provisões para empréstimos não pagos representam 4,5% da carteira de crédito dos bancos, uma proporção 2,5 vezes maior do que o dos países emergentes, cujas provisões representam em média 1,8% da carteira de crédito. “Em relação aos países desenvolvidos, o custo da inadimplência no Brasil é mais de 11 vezes maior”, acrescentou.

Concorrência

Na avaliação da Febraban, a concentração bancária é algo comum no mundo todo. “Essa não é uma característica unicamente brasileira, e está ligada ao fato de que o setor é intensivo em capital e exige investimentos em montante elevado.

Ela não representa ausência de concorrência, especialmente no Brasil, onde os bancos públicos representam cerca de 50% do mercado de crédito – nunca foram menos de 30% – e há forte presença de concorrentes internacionais. A concentração bancária tem aumentado globalmente, especialmente após a crise financeira de 2008, e, dentro de limites, com supervisão regulatória de qualidade como no caso do Brasil, facilita a fiscalização e aumenta a solidez do sistema”, avaliou.

Lucratividade

A Febraban defende que quando se compara a rentabilidade dos bancos em proporção ao capital, o setor não é o mais rentável da economia, nem tem uma rentabilidade muito diferente da registrada por bancos de outros países de mercados emergentes. A federação cita que estudo realizado pela consultoria Accenture, que apontou que a rentabilidade média dos cinco maiores bancos no Brasil, em 2016, ficou em 16,2%, próximo à média de outros países em desenvolvimento.

No Chile, o valor chegou a 17,8%, na África do Sul a 15,2% e na Colômbia 14,8%. Quando se desconta desse percentual a taxa básica de juros da economia desses países, o Brasil chega a uma rentabilidade média dos cinco maiores bancos de 8,8%, enquanto, para efeito de comparação, Chile está em 14,7% e a África do Sul e a Colômbia, em 11,22%.

“Se a rentabilidade dos bancos no Brasil é semelhante à de outros países emergentes que praticam juros e spreads bem mais baixos, é preciso buscar os fatores que transformam spreads elevados em rentabilidade em linha com o restante da economia. As causas do alto spread bancário são elevados custos da intermediação financeira e não uma suposta remuneração excessiva”, argumentou a Febraban.

“Para efetivamente reduzir os spreads e as taxas dos empréstimos precisamos trabalhar não só na agenda de aumento da competição, que apoiamos inteiramente, mas principalmente na agenda de redução dos custos de intermediação financeira [como os custos com a inadimplência, compulsórios, impostos, despesas operacionais], como aliás vem fazendo acertadamente o Banco Central”, avaliou a Febraban.

Banco Central corta juros pela 12ª vez e Selic cai para 6,5% ao ano

Na 12ª redução seguida da taxa básica de juros, o Banco Central decidiu, nesta quarta (21), cortar a Selic em 0,25 ponto percentual, para 6,5% ao ano. Com isso, o juro atinge um novo piso histórico no país.
A decisão veio em linha com o esperado pelo mercado. Dos 43 analistas e casas ouvidos pela agência Bloomberg, 41 apostavam na queda da Selic para 6,5%. Apenas dois viam a taxa estável em 6,75% ao ano.
O novo corte acontece em um cenário de inflação abaixo do piso da meta do BC, que é de 4,5% ao ano, com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual. Em 2017, o IPCA avançou 2,95%, resultado mais baixo desde 1998.
Em fevereiro, a inflação subiu para 0,32%, menor taxa para o mês desde ano 2000, quando ficou em 0,13%. No acumulado dos últimos 12 meses, o IPCA teve leve avanço para 2,86%, o que manteve o índice abaixo do piso da meta definido pelo Banco Central.
“Não tem novidade. É uma inflação que surpreende reiteradamente para baixo e um nível de atividade que não está tão robusto. A redução de juros não está gerando uma queda no crédito para o tomador final, então é mais uma tentativa de o BC desobstruir o canal do crédito do Brasil”, avalia André Perfeito, economista-chefe da Gradual Investimentos.
Ele vê espaço para aumentos de juros ainda neste ano, acompanhando as altas de juros nos Estados Unidos –além da alta desta quarta, a expectativa é que o Federal Reserve (Fed) faça outras três elevações ao longo de 2018.
“À medida que o ano for passando, a inflação deve voltar a avançar. O grupo alimentação não tem mais como cair. Tudo isso em conjunto pode permitir uma alta já na reunião de outubro, depois do segundo turno das eleições”, afirma.
Analistas e consultorias ouvidas no Boletim Focus, do Banco Central, veem o IPCA a 3,63% no fim deste ano. Para 2019, a estimativa é de 4,20%.
ATIVIDADE
Além da inflação controlada, o Banco Central também tenta reanimar a economia brasileira. O IBC-Br, indicador de atividade econômica do BC, recuou 0,56% em janeiro. Em dezembro, o indicador havia registrado expansão de 1,16%, em número revisado pelo BC depois de divulgar antes uma alta maior, de 1,41%.
A produção industrial mostrou a mais forte retração em dois anos ao encolher 2,4% em janeiro, na comparação com dezembro. O volume de serviços recuou 1,9% na mesma base, no pior resultado para janeiro em seis anos.
Em 2017, a economia brasileira cresceu 1%. No último trimestre do ano, o PIB cresceu 0,1% em relação aos três meses anteriores, dando sinais de que a recuperação da economia ganhou força após a saída da recessão, no início de 2017.
Os números vieram um pouco abaixo do que esperavam analistas do mercado financeiro e o governo.
Em 2018, segundo o Focus, a economia brasileira deve crescer 2,83%.

Mercado mantém estimativa de queda da Selic para 6,75%

Por Mariana Tokarnia, Agência Brasil

O mercado financeiro mantém a estimativa de 6,75% para a taxa básica de juros da economia, a Selic. A reunião do Comitê de Política Monetária (Copom), que define a taxa, será amanhã (6) e quarta-feira (7), em Brasília.

No ano passado, a Selic atingiu a mínima histórica de 7% (valor atual) e houve sinalização de redução para este ano. A projeção consta do boletim Focus, publicação divulgada nesta segunda-feira (5) no site do Banco Central (BC) com estimativa para os principais indicadores econômicos.

O mercado melhorou as estimativas para este ano. A projeção do crescimento do Produto Interno Bruto – a soma de todas as riquezas produzidas pelo país – passou de 2,66% para 2,70%. Na sexta-feira (2), o Ministério do Planejamento atualizou a projeção do governo de 2,5% para 3%.

Já a projeção para a inflação, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), teve uma leve queda de 3,95% para 3,94% este ano, em relação à estimativa da semana passada.

Para 2019, as projeções foram mantidas: crescimento do PIB em 3% e o IPCA em 4,25%.

O boletim Focus é divulgado todo início de semana e traz a média das expectativas de bancos, instituições financeiras, consultorias e empresas sobre os principais indicadores relacionados à economia brasileira, como os diversos índices de inflação, PIB, taxa de câmbio e taxa básica de juros da economia, a Selic.

Copom inicia hoje reunião para definir taxa de juros; Selic pode cair para 9,25%

Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil

O Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC) inicia hoje (25), em Brasília, a quinta reunião do ano para definir a taxa básica de juros, a Selic. Instituições financeiras, consultadas pelo BC, esperam que a Selic seja reduzida em 1 ponto percentual caindo para 9,25% ao ano.

Hoje, pela manhã, o presidente do BC, Ilan Goldfajn, e diretores do banco analisam o mercado. À tarde, é feita a análise de conjuntura. Amanhã (26), à tarde, no segundo dia de reunião, após estudo da perspectiva para a inflação e das alternativas para a Selic, a diretoria do BC define a taxa. A decisão será anunciada às 18h. Para o mercado financeiro, a Selic continuará a ser reduzida em 2017, encerrando o período em 8% ao ano.

A taxa Selic vem sendo diminuída desde outubro do ano passado, quando passou de 14,25% para 14% ao ano. Em novembro, houve mais um corte de 0,25 ponto percentual, seguido por reduções de 0,75 ponto percentual em janeiro e em fevereiro. O Copom acelerou o ritmo de cortes para 1 ponto percentual nas reuniões de abril e maio. Atualmente, a taxa está em 10,25% ao ano.

Com o aumento dos tributos sobre combustíveis, o mercado financeiro aumentou levemente a projeção para a inflação, após sete reduções seguidas. Entretanto, a projeção para o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) continua abaixo do centro da meta a ser perseguida pelo BC, que é 4,5%. Para o mercado financeiro, a inflação vai encerrar 2017 em 3,33%.

A Selic é um dos instrumentos usados para influenciar a atividade econômica e consequentemente a inflação. Quando o Copom diminui os juros básicos, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle sobre a inflação.

Banco Central reduz Selic para 11,25% ao ano

Por Agência Brasil

Pela quinta vez seguida, o Banco Central (BC) baixou os juros básicos da economia. Por unanimidade, o Comitê de Política Monetária (Copom) reduziu a taxa Selic em 1 ponto percentual, de 12,25% ao ano para 11,25% ao ano. A decisão era esperada pelos analistas financeiros.

Com a redução desta quarta-feira (12), a Selic retorna ao nível de dezembro de 2014, quando também estava em 11,25% ao ano. De outubro de 2012 a abril de 2013, a taxa foi mantida em 7,25% ao ano, no menor nível da história, e passou a ser reajustada gradualmente até alcançar 14,25% ao ano em julho de 2015. Somente em outubro do ano passado, o Copom voltou a reduzir os juros básicos da economia.

Em comunicado, o Copom informou que o comportamento da inflação permanece favorável. “O processo de desinflação [abrandamento da inflação] se difundiu e houve consolidação da desinflação nos componentes mais sensíveis ao ciclo econômico e à política monetária. A desinflação dos preços de alimentos constitui choque de oferta favorável”, diz a nota do comitê.

A nota também diz que a aprovação e implementação das reformas do governo, especialmente as de natureza fiscal e de ajustes na economia, são “relevantes para a sustentabilidade da desinflação e para a redução da taxa de juros estrutural”.

A Selic é o principal instrumento do Banco Central para manter sob controle a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o IPCA ficou em 0,25% em março, o menor nível registrado para o mês desde 2012.

Nos 12 meses terminados em março, o IPCA acumula 4,57%. Até o ano passado, o Conselho Monetário Nacional (CMN) estabelecia meta de inflação de 4,5%, com margem de tolerância de 2 pontos, podendo chegar a 6,5%. Para este ano, o CMN reduziu a margem de tolerância para 1,5 ponto percentual. A inflação, portanto, não poderá superar 6% neste ano.

Inflação

No Relatório de Inflação, divulgado no fim de março pelo Banco Central, a autoridade monetária estima que o IPCA encerrará 2017 em 4%. De acordo com o boletim Focus, pesquisa semanal com instituições financeiras divulgada pelo BC, a inflação oficial deverá fechar o ano em 4,09%.

Até agosto do ano passado, o impacto de preços administrados, como a elevação de tarifas públicas, e o de alimentos, como feijão e leite, contribuiu para a manutenção dos índices de preços em níveis altos. De lá para cá, no entanto, a inflação começou a desacelerar por causa da recessão econômica e da queda do dólar.

A redução da taxa Selic estimula a economia porque juros menores impulsionam a produção e o consumo num cenário de baixa atividade econômica. Segundo o boletim Focus, os analistas econômicos projetam crescimento de apenas 0,41% do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos pelo país) em 2017. No último Relatório de Inflação, o BC reduziu a estimativa de expansão da economia para 0,5% este ano.

A taxa é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve de referência para as demais taxas de juros da economia. Ao reajustá-la para cima, o Banco Central segura o excesso de demanda que pressiona os preços, porque juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Quando reduz os juros básicos, o Copom barateia o crédito e incentiva a produção e o consumo, mas enfraquece o controle da inflação.

Mercado prevê que Selic chegará a 9% ao ano em 2018

Projeções do mercado financeiro preveem que a taxa básica de juros (Selic) deve ficar em 9% ao ano em 2018. Para 2017, está mantida a projeção em 9,5% ao ano. O mercado também prevê que a inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) ficará em 4,7% este ano, perto do centro da meta: 4,5% com dois pontos percentuais para cima ou para baixo.

As estimativas estão no boletim Focus, pesquisa semanal do Banco Central (BC) feita com instituições financeiras. No início do mês, as instituições consultadas para o levantamento ainda previam a taxa básica de juros na casa dos dois dígitos em 2017, em 10,25% ao ano.

O mercado vem se mostrando mais otimista a respeito da Selic depois de o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC reduzir a taxa básica mais que o esperado, em sua primeira reunião de 2017. Em lugar da queda de 0,5 ponto percentual projetada, o Copom cortou 0,75 ponto percentual. O presidente do BC, Ilan Goldfajn, afirmou que este deve ser o “novo ritmo” de redução dos juros.

A decisão de intensificar a redução da taxa básica de juros ocorreu após o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgar que a inflação medida pelo IPCA encerrou 2016 em 6,29%.

A Selic é um dos instrumentos usados para influenciar a atividade econômica e, consequentemente, a inflação. Quando o Copom aumenta a Selic, a meta é conter a demanda aquecida, e isso gera reflexos nos preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Quando o Copom diminui os juros básicos, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle sobre a inflação.

A projeção de instituições financeiras para o crescimento da economia (Produto Interno Bruto – PIB, a soma de todas as riquezas produzidas pelo país) em 2017 permanece em 0,50%.

Mercado projeta 9,75% ao ano para Selic em 2017

O mercado financeiro projeta que a Selic, a taxa básica de juros da economia, chegará a um dígito e encerrará 2017 em 9,75% ao ano. A estimativa está no boletim Focus, pesquisa semanal do Banco Central (BC) feita com instituições financeiras. Na semana passada, as instituições consultadas previam que a Selic terminaria o ano em 10,25% ao ano. Atualmente, a taxa está em 13% ao ano.

O mercado revisou a previsão para a Selic após o Comitê de Política Monetária (Copom) do BC reduzir a taxa básica, na última quarta-feira (11), mais que o esperado, em sua primeira reunião em 2017. Em lugar da queda de 0,5 ponto percentual projetada, o Copom cortou 0,75 ponto percentual.

A decisão de reduzir a taxa básica de juros ocorreu depois que o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou que a inflação medida pelo Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) encerrou 2016 em 6,29%. O patamar está abaixo do teto da meta fixada pelo Conselho Monetário Nacional (CMN), de 4,5% com dois pontos percentuais para cima ou para baixo.

A Selic é um dos instrumentos usados para influenciar a atividade econômica e, consequentemente, a inflação. Quando o Copom aumenta a Selic, a meta é conter a demanda aquecida, e isso gera reflexos nos preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Quando o Copom diminui os juros básicos, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, reduzindo o controle sobre a inflação.

Centro da meta

O boletim Focus desta segunda-feira estima que a inflação pelo IPCA cairá mais, encerrando 2017 em 4,8%. Na semana passada, as instituições financeiras previam 4,81%. O mercado financeiro mantém a previsão de que a inflação chegara ao centro da meta em 2018, ficando em 4,5%.

A projeção de instituições financeiras para o crescimento da economia (Produto Interno Bruto – PIB – a soma de todas as riquezas produzidas pelo país) este ano permanece em 0,50%.

Banco Central reduz Selic para 13% ao ano e surpreende o mercado

Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil

Pela terceira vez seguida, o Banco Central (BC) baixou os juros básicos da economia. Por unanimidade, o Comitê de Política Monetária (Copom) reduziu hoje (11) a taxa Selic em 0,75 ponto percentual, para 13% ao ano. A decisão surpreendeu os analistas financeiros, que previam o corte de 0,5 ponto percentual.

Com a decisão de hoje, a Selic está no menor nível desde abril de 2015, quando estava em 12,75% ao ano. Mantida em 7,25% ao ano, no menor nível da história, de outubro de 2012 a abril de 2013, a taxa foi reajustada gradualmente até alcançar 14,25% ao ano em julho de 2015. Somente em outubro do ano passado, o Copom voltou a reduzir os juros básicos da economia.

Em comunicado, o Copom informou que a demora na recuperação da economia contribuiu para a autoridade monetária acelerar o corte dos juros. “O conjunto dos indicadores sugere atividade econômica aquém do esperado. A evidência disponível sinaliza que a retomada da atividade econômica deve ser ainda mais demorada e gradual que a antecipada previamente”, destacou o texto.

O Copom ressaltou que as incertezas externas ainda não trouxeram efeitos sobre o Brasil e que o comportamento da inflação, que fechou 2016 abaixo das expectativas, favoreceu a redução maior da Selic.

“A inflação recente continuou mais favorável que o esperado. Há evidências de que o processo de desinflação mais difundida tenha atingido também componentes mais sensíveis à política monetária e ao ciclo econômico. A inflação acumulada no ano passado alcançou 6,3%, bem abaixo do esperado há poucos meses e dentro do intervalo de tolerância da meta para a inflação estabelecido para 2016”, acrescentou o Banco Central.

A Selic é o principal instrumento do Banco Central para manter sob controle a inflação oficial, medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA). Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o IPCA fechou 2016 em 6,29%, o menor nível desde 2013 (5,91%).

Até o ano passado, o Conselho Monetário Nacional (CMN) estabelecia meta de inflação de 4,5%, com margem de tolerância de 2 pontos, podendo chegar a 6,5%. Para 2017, o CMN reduziu a margem de tolerância para 1,5 ponto percentual. A inflação, portanto, não poderá superar 6% neste ano.

Inflação

No Relatório de Inflação, divulgado no fim de dezembro pelo Banco Central, a autoridade monetária estima que o IPCA encerre 2017 em 4,4%. O mercado está um pouco menos pessimista. De acordo com o boletim Focus, pesquisa semanal com instituições financeiras divulgada pelo Banco Central, a inflação oficial fechará o ano em 4,81%.

Até agosto do ano passado, o impacto de preços administrados, como a elevação de tarifas públicas, e o de alimentos, como feijão e leite, contribuiu para a manutenção dos índices de preços em níveis altos. De lá para cá, no entanto, a inflação começou a desacelerar por causa da recessão econômica e da queda do dólar. Em dezembro, o IPCA ficou em 0,30%, a menor taxa para o mês desde 2004.

A redução da taxa Selic estimula a economia porque juros menores impulsionam a produção e o consumo num cenário de baixa atividade econômica. Segundo o boletim Focus, os analistas econômicos projetam crescimento de apenas 0,5% do Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e serviços produzidos pelo país) em 2016. No último Relatório de Inflação, o BC reduziu a estimativa de expansão da economia para 0,8% este ano.

A taxa é usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic) e serve de referência para as demais taxas de juros da economia. Ao reajustá-la para cima, o Banco Central segura o excesso de demanda que pressiona os preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Quando reduz os juros básicos, o Copom barateia o crédito e incentiva a produção e o consumo, mas enfraquece o controle da inflação.

Convergência da inflação para a meta é compatível com queda da Selic, diz BC

Com Agência Brasil

O ritmo de redução da taxa básica de juros (Selic) será calibrado, levando em conta o objetivo de atingir a meta de inflação de 4,5% em 2017 e 2018. A informação consta da ata da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central (BC), divulgada nesta terça-feira (25).

Na semana passada, o comitê decidiu iniciar o ciclo de redução da taxa básica de juros, a Selic, que caiu de 14,25% para 14% ao ano.

No documento de hoje, o BC reafirmou o seu objetivo de conduzir a política monetária para atingir a meta nos próximos dois anos.

Para o Copom, atualmente não há incompatibilidade entre redução da Selic e meta de inflação. “O Comitê entende que a convergência da inflação para a meta em 2017 e 2018 é compatível com uma flexibilização moderada e gradual das condições monetárias. O Comitê avaliará o ritmo e a magnitude da flexibilização monetária ao longo do tempo, de modo a garantir a convergência da inflação para a meta de 4,5%”, destacou o BC.

O comitê informou ainda que a intensificação dos cortes na Selic depende da “evolução favorável” de fatores que permitam maior confiança no alcance da meta de inflação. O BC espera, por exemplo, que os componentes do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) – mais sensíveis à política monetária (definição da Selic) e à atividade econômica – “retomem claramente uma trajetória de desinflação em velocidade adequada.

Ajustes fiscais são necessários

Outro fator citado pelo Copom são os “ajustes necessários na economia”. Para o comitê, é preciso que o ritmo de aprovação e a implementação da reforma fiscal contribuam para uma dinâmica inflacionária compatível com a convergência da inflação para a meta. “O comitê avaliará a evolução da combinação desses fatores”, disse no documento.

Para o comitê, condicionar a evolução futura da Selic a fatores relevantes para a inflação “transmite, de maneira mais adequada, a racionalidade econômica que guia as suas decisões”.

O Copom avalia que houve avanço nos esforços de aprovação e implementação nos ajustes na economia, notadamente as reformas fiscais. Para a diretoria do BC, esses esforços são fundamentais para a estabilização e o desenvolvimento da economia brasileira.

“O comitê deve acompanhar atentamente esses esforços, uma vez que há reflexos importantes no processo de desinflação. Há consenso no comitê de que a velocidade no processo de apreciação das propostas de ajustes tem excedido as expectativas”, disse. O comitê diz ainda que essas medidas impactam não somente a demanda da economia, mas também a percepção de melhora da dinâmica das contas públicas no médio e longo prazos.

Inflação de serviços

Na ata, o Copom pondera que há sinais de uma pausa recente no processo de desinflação do setor de serviços. Para o comitê, essa pausa “se dá em níveis cuja manutenção produziria trajetória de desinflação em velocidade aquém” da esperada. Dessa forma, o comitê ressalta que é necessário monitorar esse segmento.

Projeções para inflação

Na ata, o comitê diz que as suas projeções e as do mercado recuaram e estão em torno de 7%.

As projeções para os preços administrados por contrato ou monitorados foram mantidas em 6,2% em 2016, 5,8% no próximo ano e 5,1% em 2018.

Entretanto, o Copom disse que uma série de fatores pode produzir mudanças nas projeções para os preços administrados. Um desses fatores foi a redução dos preços de combustíveis.

O comitê cita também evidências de reduções de preços de energia elétrica mais fortes que o esperado em algumas regiões e a possibilidade de adiamento de reajustes de preços de transporte urbano em algumas cidades. Por outro lado, o Copom disse que há risco de reajustes acima do esperado nos preços da energia elétrica ao longo de 2017 em decorrência, entre outros fatores, de mudança de bandeira tarifária.

Copom: Banco Central passa a divulgar taxa Selic apenas pela internet

Kelly Oliveira – Repórter da Agência Brasil

O Banco Central (BC) informou que a nota à imprensa sobre a decisão do Comitê de Política Monetária (Copom) passará a ser divulgada exclusivamente no site da autarquia (www.bcb.gov.br), imediatamente após o término da reunião, a partir das 18 horas. Anteriormente, além da publicação no site, o BC anunciava a decisão para a imprensa.

O BC também informou que o comunicado e a ata da reunião terão formatos distintos daqueles publicados até a última reunião, mas não explicou quais mudanças serão feitas.

Hoje, será anunciada decisão sobre a taxa básica de juros, a Selic, na primeira reunião do Copom sob o comando do novo presidente do BC, Ilan Goldfajn.

Ao assumir o cargo, em junho, Goldfajn disse que um “elemento essencial” na atuação do BC em relação à taxa básica de juros, a Selic, e a inflação é “a comunicação contínua com a sociedade”. Ele defendeu que a “comunicação precisa ser simples, direta e concisa de modo a transmitir da melhor forma a visão do Banco Central, inclusive as incertezas quanto à perspectiva e diferentes trajetórias para a conjuntura econômica”, disse. “A comunicação do Banco Central precisa também deixar claras as condições necessárias para as perspectivas apresentadas”, acrescentou. O BC recebeu críticas na gestão de Alexandre Tombini quanto à comunicação, considera confusa por analistas.

No último dia 12, o Banco Central anunciou também que, a partir desta reunião, a divulgação da taxa ocorrerá por volta das 18h, cerca de uma hora depois do fechamento do mercado financeiro. Anteriormente, a taxa Selic era divulgada entre 19h30 e 21h. O BC anunciou ainda a alteração do dia de divulgação da ata da reunião, com as explicações para a decisão sobre a Selic. Agora, esse documento será divulgado na terça-feira seguinte e não mais às quintas-feiras.

Como funciona

O principal instrumento usado pelo BC para controlar a inflação é a taxa básica de juros, usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic). Quando o Copom aumenta a Selic, o objetivo é conter a demanda aquecida, e isso gera reflexos nos preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Quando o Copom reduz os juros básicos, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, mas a medida alivia o controle sobre a inflação. Quando mantém a taxa, o Copom considera que ajustes anteriores foram suficientes para alcançar o objetivo de controlar a inflação.

Desde julho de 2015, os juros básicos estão em 14,25% ao ano, no maior nível desde outubro de 2006. Pelas expectativas de instituições financeiras, a Selic será mantida nesse patamar na reunião deste mês, mas até o final do ano será reduzida, mesmo com o discurso do BC de que não há espaço para cortes na Selic. De acordo com as projeções, ao final de 2016 a taxa Selic estará em 13,25% ao ano. Em 2017, a expectativa é de mais cortes na taxa Selic, que encerrá o período em 11% ao ano.

De acordo com a pesquisa do BC junto ao mercado financeiro, a Selic começará a cair em outubro deste ano, quando deve ficar em 13,75%, com nova queda em dezembro para 13,25% ao ano. Na reunião marcada para agosto deste ano, não há expectativa de redução da Selic. Por essas projeções, a Selic continuará a ser reduzida no próximo ano até outubro, quando deve chegar a 11% ao ano e será mantida nesse patamar na reunião do Copom de dezembro de 2017.

Copom inicia reunião para definir Selic nesta terça-feira

Fonte: Agência Brasil

A primeira reunião do Comitê de Política Monetária (Copom) sob o comando do novo presidente do Banco Central (BC), Ilan Goldfajn, tem início na tarde desta terça-feira (19), em Brasília. A segunda parte da reunião será realizada amanhã (20), quando será divulgada a decisão do colegiado sobre a taxa básica de juros (Selic), atualmente em 14,25% ao ano.

Esta será também a primeira reunião com a participação de quatro novos diretores: Carlos Viana de Carvalho (Política Econômica), Tiago Couto Berriel (Assuntos Internacionais e de Gestão de Riscos Corporativos), Reinaldo Le Grazie (Política Monetária) e Isaac Sidney Menezes Ferreira (Relacionamento Institucional e Cidadania).

A decisão do Copom sobre a Selic será tomada no momento em que a inflação mostra sinais de que está cedendo e a atividade econômica permanece em queda. Em junho, a inflação – medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) – caiu 0,43 ponto percentual em relação a maio ao passar de 0,78% para 0,35%. Com a desaceleração, o IPCA fechou o primeiro semestre do ano com alta acumulada de 4,42%, resultado abaixo dos 6,17% registrados em igual período de 2015. Em 12 meses, o IPCA ficou em 8,84%, 0,48 ponto percentual abaixo dos 9,32% dos 12 meses anteriores.

Já a atividade econômica voltou a cair em maio. O Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) dessazonalizado (ajustado para o período) apresentou queda de 0,51% em maio, comparado a abril. Em abril, houve uma interrupção de 15 meses seguidos de queda, com crescimento de 0,07%, na comparação com março, de acordo com dados atualizados. Em 12 meses encerrados em maio, a retração ficou em 5,43% e no ano, em 5,79%.

Meta de inflação

No último dia 28, o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, disse que alcançar o centro da meta de inflação, de 4,5%, em 2017 é uma expectativa ambiciosa e crível. Para ele, atingir esse objetivo é algo ambicioso porque a inflação em 2015 foi “mais que o dobro da meta”.

“O ano de 2015 foi de choque, inflação muito elevada, em parte devido à depreciação forte [do real], a inflação de [preços] administrados muito forte. Desde então, o objetivo do regime de metas tem sido fazer a convergência de volta para o centro da meta”, disse, ao divulgar o Relatório de Inflação.

A meta de inflação, definida pelo Conselho Monetário Nacional (formado pelos ministros da Fazenda e do Planejamento e o presidente do BC) é de 4,5% e pode chegar ao máximo de 6,5% este ano e 6% em 2017. Entretanto, para este ano, o BC projeta estouro da meta de inflação por conta da alta dos preços administrados e também dos agrícolas. De acordo com as estimativas do BC, a inflação deve ficar em 6,9%, este ano, e em 4,7%, em 2017.

Taxa básica

O principal instrumento usado pelo BC para controlar a inflação é a taxa básica de juros, usada nas negociações de títulos públicos no Sistema Especial de Liquidação e Custódia (Selic). Quando o Copom aumenta a Selic, o objetivo é conter a demanda aquecida, e isso gera reflexos nos preços, porque os juros mais altos encarecem o crédito e estimulam a poupança. Quando o Copom reduz os juros básicos, a tendência é que o crédito fique mais barato, com incentivo à produção e ao consumo, mas a medida alivia o controle sobre a inflação. Quando mantém a taxa, o Copom considera que ajustes anteriores foram suficientes para alcançar o objetivo de controlar a inflação.

Desde julho de 2015, os juros básicos estão em 14,25% ao ano, no maior nível desde outubro de 2006. Pelas expectativas de instituições financeiras, a Selic será mantida nesse patamar na reunião deste mês, mas até o final do ano será reduzida, mesmo com o discurso do BC de que não há espaço para cortes na Selic. De acordo com as projeções, ao final de 2016 a Selic estará em 13,25% ao ano. Em 2017, a expectativa é de mais cortes na taxa Selic, que encerrá o período em 11% ao ano.

De acordo com a pesquisa do BC às instituições financeira, a Selic começará a cair em outubro deste ano, quando deve ficar em 13,75%, com nova queda em dezembro para 13,25% ao ano. Na reunião marcada para agosto deste ano, não há expectativa de redução da Selic. Por essas projeções, a Selic continuará a ser reduzida no próximo ano até outubro, quando deve chegar a 11% ao ano e será mantida nesse patamar na reunião do Copom de dezembro de 2017.

Novidades

No primeiro dia de reunião do Copom, chefes de departamentos do BC apresentam uma análise da conjuntura doméstica, com dados sobre a inflação, o nível de atividade econômica, as finanças públicas, a economia internacional, o câmbio, as reservas internacionais e o mercado monetário, entre outros assuntos. No segundo dia, após análise da perspectiva para a inflação e das alternativas para a Selic, os diretores e o presidente do banco definem a taxa.

No último dia 12, o BC anunciou que, a partir desta reunião, a divulgação da taxa ocorrerá por volta das 18h, cerca de uma hora depois do fechamento do mercado financeiro. Anteriormente, a taxa Selic era anunciada entre 19h30 e 21h.

Para a alteração, o horário de começo do segundo dia de reunião do Copom mudou de 16h30 para 14h. O BC também anunciou a alteração do dia de divulgação da ata da reunião, com as explicações para a decisão sobre a Selic. Agora, esse documento será divulgado na terça-feira seguinte e não mais às quintas-feiras.

Outra novidade é que, nesta primeira reunião sob o comando de Goldfajn, fotógrafos e cinegrafistas poderão fazer registros de imagens do início do encontro. Na gestão de Alexandre Tombini também houve, uma vez, abertura para registro de imagens, segundo a assessoria de imprensa do BC.