Agro Destaque 1
Compartilhar

Cooperativas vão fornecer refeições para mais de 2 mil escolas no Paraná

Os agricultores familiares do Paraná vão servir mais de um milhão de refeições por dia nas escolas estaduais. Os aliment..

Assessoria - 24 de março de 2018, 14:36

Foto: Pedro Ventura / Agência Brasília
Foto: Pedro Ventura / Agência Brasília

Os agricultores familiares do Paraná vão servir mais de um milhão de refeições por dia nas escolas estaduais. Os alimentos, adquiridos de 144 associações e cooperativas, abastecerão 2.146 escolas espalhadas por todos os nossos 399 municípios.

A formalização do acordo foi feita na última semana, na sede do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Educacional (Fundepar). “Essa negociação vem sendo conduzida desde 2011”, conta o Secretário da Agricultura e Abastecimento, Norberto Ortigara.

Segundo ele, o Paraná é o primeiro estado do Brasil a se adequar às diretrizes do Plano Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). “O que vem da roça é bom para a criançada”, diz Ortigara. “Deixa de ser alimento enlatado para ser natural, vindo diretamente da terra".

Ortigara disse almejar também um cenário em que, futuramente, toda a alimentação escolar seja fornecida por agricultores familiares orgânicos ou agroecológicos do estado.

“Enquanto isso, nosso dever é minimizar o uso de insumos químicos, cuidar bem do solo, da água e rumar para a conversão de novas áreas, para que possamos um dia promover, de forma sustentável, orgânica e agroecológica, toda a alimentação escolar".

A cerimônia no Fundepar marcou também o lançamento de um Grupo de Trabalho Intersetorial Estadual — que se dedicará ao estudo dos possíveis caminhos para o cumprimento da meta. O plano é que, até 2030, 100% da alimentação escolar paranaense seja orgânica ou agroecológica.

“Estamos muito contentes em poder garantir a nossos estudantes um alimento rico, nutritivo e fresco; pois aprender a comer e a se nutrir com qualidade também faz parte do processo educativo”, comenta a diretora-técnica do Fundepar, Maria Teresinha Ritzmann.

“Além disso, uma iniciativa pública como essa é excelente oportunidade para aprimorarmos o desenvolvimento rural sustentável de nosso estado a partir de uma boa política de planejamento".

Para o engenheiro agrônomo João Carlos Zandoná, diretor-presidente do CPRA, esse momento deve ser celebrado como importante marco para a agricultura paranaense. “Mesmo professores, em sala de aula, poderão abordar o assunto de modo a ensinar a importância de uma boa formação nutricional e, ainda, mostrar aos alunos que a produção orgânica ou agroecológica é uma forma viável de se produzir alimentos e preservar o meio ambiente”, diz.

“Pela alimentação de qualidade, podemos formar cidadãos de qualidade.”