Goiaba de Carlópolis conquista certificação internacional

Redação

A goiaba produzida no município de Carlópolis, no Norte Pioneiro, ganhou um novo status que permitirá a exportação da fruta. A certificação Good Agricultural Practices (GAP), que reconhece a segurança alimentar e sustentabilidade em produtos de origem agrícola, foi conquistado este mês e autentica o trabalho desenvolvido por produtores familiares da cidade.

Em 2016, o produto já havia obtido o registro de Indicação Geográfica (IG) junto ao Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (Inpi).

A busca pelo reconhecimento internacional iniciou em 2017 após a IG. A valorização do produto no país foi importante, mas ainda era considerada insuficiente diante de um mercado consumidor cada vez mais exigente.

Em um trabalho conjunto entre produtores familiares, Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater), Sebrae/PR, Fundação da Universidade Estadual Paulista (Unesp) e Prefeitura de Carlópolis, uma série de critérios foram buscados para que a certificação internacional fosse alcançada.


Engenheira agrônoma e responsável pelo escritório da Emater em Carlópolis, Luiza Rocha Ribeiro, explica que o certificado internacional foi obtido a partir de muito trabalho em torno da capacitação dos produtores. “Foi desenvolvida uma parceria com Sebrae, Fundaçao da Unesp e Prefeitura de Carlópolis para o treinamento, boas práticas, manejo integrado de pragas e doenças junto aos produtores”, diz.

O empenho na busca da excelência foi necessário para a obtenção da certificação GAP, que prevê um manual de Boas Práticas Agrícolas, baseado em princípios de segurança alimentar, proteção do meio ambiente, condições de saúde, higiene e segurança dos trabalhadore, e bem-estar animal, quando aplicável.

Segundo Luiza, o processo para a certificação envolveu ainda a criação da Cooperativa Agroindustrial de Carlópolis (Coac) em 2017. Para a engenheira da Emater, a economia da região terá ótimos ganhos a partir desse status. “A certificação é importante para mostrar que o produto tem um diferencial, segurança alimentar, manejo integrado, tem o ensacamento e normas sustentáveis”.

Consultor do Sebrae/PR, Odemir Capello, conta que enquanto o registro da IG foi conquistado pela Associação dos Olericultores e Fruticultores de Carlópolis (APC), o processo de certificação internacional passou pela criação de uma cooperativa e teve o apoio da Prefeitura de Carlópolis e da Emater. “Tentamos inicialmente fazer o processo via Associação, mas não foi possível porque não é permitido a associações fazer a comercialização”, disse. Assim, foi necessário formalizar a Cooperativa.

Perspectivas

Com a certificação internacional em mãos, os produtores de Carlópolis esperam com otimismo a conquista de novos mercados e a ampliação da comercialização no Brasil a partir deste ano. De acordo com o presidente da Cooperativa, Noriaki Akamatsu, a certificação facilita a negociação com os compradores. Os próprios supermercados no Brasil já vinham exigindo padrões para compra antes mesmo da certificação.

“Fizemos a certificação para agregar valor à goiaba e continuar na atividade. A goiaba de Carlópolis será um produto diferenciado, produzido com qualidade e que terá rastreabilidade”, diz Noriaki. Segundo ele, o critério da rastreabilidade tem sido cada vez mais exigido e permite a identificação dos produtores, de intermediários e até o varejo, oferecendo a possibilidade de descobrir a origem de possível problemas com a goiaba.

A certificação foi concedida para a Cooperativa Agroindustrial de Carlópolis e nove propriedades. O presidente da Cooperativa afirma que produtores certificados já fizeram contato com representantes do mercado da Alemanha e Espanha. A cooperativa é formada por 23 produtores e a goiaba de Carlópolis chega a pelo menos 12 estados brasileiros.

Em Carlópolis

A goiaba é a principal fruta produzida no município, representando 88% desde tipo de produção. Ao todo, existem 220 agricultores familiares envolvidos com esta cultura que tem a goiaba vermelha como a principal variedade. Existem cerca de 700 hectares de plantação na cidade e a safra 2017 somou 21 mil toneladas do fruto.

Faz parte da produção o uso da técnica do ensacamento individual, que é feita quando os frutos atingem o tamanho de 1,5 cm. Esta técnica é importante pois previne o ataque de insetos e aves, além de permitir utilizar baixa dosagem de defensivos.

Post anteriorPróximo post