6,1 toneladas de agrotóxicos ilegais são recuperados pela PRF no Paraná

Redação

PRF - agrotóxicos - ilegais - Paraná

A utilização e armazenamento de agrotóxicos ilegais foi foco da Operação “Westicida” da PRF (Polícia Rodoviária Federal). Entre os dias 4 e 8 de novembro, foram apreendidos 6,1 toneladas desses produtos e aplicados R$ 1 milhão em multas.

Ao todo foram cumpridos 14 mandados de busca e apreensão e fiscalização de 60 denunciados por uso e comércio de agrotóxicos ilegais, sendo que nove pessoas foram presas em flagrante. A operação mobilizou 180 agentes, divididas em 24 equipes.

Foram fiscalizados 440 propriedades rurais, 17 comerciantes e 1.193 veículos. O foco da operação foram as regiões Oeste e Sudoeste, onde seis ações de fiscalizações resultaram na aplicação de 35 autuações. Dessas, 34 para produtores rurais por uso, armazenamento e importação de agrotóxico ilegal. Um comerciante foi autuado por armazenamento e comércio de agrotóxico ilegal.

Também foi feita a fiscalização em 27 barreiras fixas e móveis em rodovias em todo o estado, fiscalização nos pontos de ingresso e na fronteira com o Paraguai.

A operação teve o auxílio do Mapa (Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento), Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), RFB (Receita Federal), PF (Polícia Federal), Adapar (Agência de Defesa Agropecuária do Paraná), IAP (Instituto Ambiental do Paraná), o BPAmb (Batalhão de Polícia Ambiental), o BPFron (Batalhão de Polícia de Fronteira), o MPPR (Ministério Público do Paraná), inpEV (Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias), a Apasem (Associação Paranaense dos Produtores de Sementes e Mudas) e a Areac (Associação dos Engenheiros Agrônomos de Cascavel).

Por não serem registrados no Brasil, os defensivos agrícolas ilegais não seguem as diretrizes e exigências do Mapa, do Ibama, da Anvisa e dos órgãos estaduais de defesa agropecuária. Por isso, representam prejuízos ao agricultor pela baixa eficácia, além de causar danos ao meio ambiente, à saúde do aplicador e também ao consumidor.

Previous ArticleNext Article