Instituto apresenta novas tecnologias para criadores do bicho-da-seda

Plantao Agronegocio


Técnicos do Instituto Paranaense de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater) estão levando soluções tecnológicas para aumentar a produtividade de 1,9 mil famílias de pequenos produtores criadores do bicho da seda no Estado. A intenção é aumentar a renda do negócio e melhorar a qualidade do casulo colhido.

Com capacitação, sericultores aumentam em 70% a produtividade
> Tecnologia muda o perfil da sericicultura no Paraná

Segundo o instituto, a orientação é levada aos agricultores durante reuniões ou encontros técnicos, além de visitas às propriedades e instalação de unidades de referência, que são propriedades modelo para outros produtores. Essas unidades estão espalhadas em 15 municípios do Noroeste do Paraná e demonstram todos os avanços tecnológicos disponíveis para a atividade, desde o campo, com novas variedades de amoreiras pesquisadas pelo Iapar, técnicas de poda, adubação, espaçamento, irrigação até a mecanização dos barracões onde as atividades são automatizadas.

De acordo com os números do Emater, a atividade movimentou R$ 39 milhões em faturamento na safra 2015/2016. Agora, as soluções tecnológicas estão levando produtores mais antigos a convencerem seus filhos a ficarem na atividade, mas com autonomia para implantar novos processos de trabalho que modernizam e aliviam o uso de mão de obra.

Nas unidades de referência, os produtores conhecem instalações com ergonomia moderna, permitem ao agricultor controlar e monitorar a produção em canteiros elevados, que facilitam e agilizam a atividade. O manejo com os bichos da seda também foi automatizado com roldanas sobre os canteiros elevados, o que reduziu e muito o trabalho manual e exaustivo.

Previous ArticleNext Article