Concurso da pinhas vai ajudar na preservação da araucária

Mariana Ohde


Um concurso realizado na Universidade Federal do Paraná (UFPR) está premiando pinhas gigantes. O Concurso da Pinha Gigante, que segue até o dia 5 de junho, está recebendo unidades com mais de 5 kg e que o concorrente saiba dizer de que árvore foram colhidas.

Promovido pelo Grupo de Estudos para a Valorização da Araucária da UFPR, dirigido pelo professor Flávio Zanette, o concurso tem como objetivo identificar árvores de alta produtividade para ajudar na preservação da espécie no Paraná.

Para isso, é essencial localizar as árvores. “O concurso visa localizar plantas de araucária geneticamente superiores para serem multiplicadas por semente ou por enxertia.pi”, explica o professor. No concurso, estão sendo procuradas pinhas com tamanho superior à média. “Uma pinha comum da variedade kaiová, que é das maiores, pode chegar até 4,5 kg”, exemplifica Zanette.

Para participar, basta levar a pinha até o Departamento de Fitotecnia do Setor de Ciências Agrárias da UFPR (Rua dos Funcionários 1540, Juvevê), das 9 às 12h ou das 14 às 17h, de segunda a sexta-feira. Ela será medida e pesada. Os ganhadores serão premiados com mudas de alta produtividade, vindas do pinheiro de Caçador (SC), capaz de produzir uma quantidade de pinhas bem superior ao normal todos os anos. O primeiro colocado vai levar 100 mudas, o segundo lugar, 50 mudas e o terceiro lugar, 20 mudas.

O resultado será divulgado no dia 7 de junho. Mais informações podem ser obtidas pelo telefone 3350-5650 ou e-mail para flazan@ufpr.br.

20170330_093744

Colheita do pinhão

A colheita e venda do pinhão estão liberadas no estado desde o dia 1º de abril. O período é definido pela portaria nº 046/2015 e tem o objetivo de preservar a espécie. A mesma portaria proíbe a comercialização de pinhas verdes.

A colheita, segundo o professor, exige cuidados. “O pinhão deve ser colhido maduro quando está caindo no chão podemos colher todas as pinhas daquela planta. Não devemos comprar pinhões verdes porque além do sabor ruim podem desenvolver fungos prejudiciais à saúde.O pinhão maduro é amarelo-marrom, brilha e é bem firme”, explica.

Quem for flagrada vendendo, transportando ou armazenando pinhão fora do período permitido fica sujeito a processos administrativos e criminais, além de multa de R$ 300 para cada 60 kg. As denúncias podem ser feitas no site do IAP ou nos escritórios do órgão ou da Polícia Ambiental.

Previous ArticleNext Article
Repórter no Paraná Portal
[post_explorer post_id="2546" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]