Frio preocupa produtores de trigo, milho e hortaliças no Paraná

Mariana Ohde

Frio e geada

As baixas temperaturas que chegaram ao Paraná nesta semana podem ocasionar perdas para a agricultura, segundo o Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria de Estado de Abastecimento e Agricultura (Seab).

As lavouras de trigo, do milho e hortaliças são as que mais preocupam, além da produção de leite.

O trigo, que começou a ser plantado em abril, é a cultura mais suscetível às mudanças climáticas, pois está em fase de frutificação e maturação. Cerca de 48% das lavouras está suscetível a problemas climáticos, principalmente no Sul do Estado, mais afetado pelo frio. “Por causa do clima, o potencial de produção deste ano, que é de 3 milhões de toneladas, deve ser reduzido”, relata o agrônomo do Deral, Carlos Hugo Godinho.

Nos últimos anos o inverno no Paraná foi ameno e não houve perdas significativas. Em 2016, que não teve um inverno tão rigoroso, 3,5 milhões de toneladas de trigo foram colhidas no Estado.

As hortaliças, de acordo com o coordenador de conjuntura agropecuária do Deral, Marcelo Garrido, também são sensíveis à frente fria, assim como o leite. No caso do leite, os produtores precisam complementar as pastagens perdidas pelas geadas. “É mais uma questão de aumento do custo de produção do que de perda, como nas outras culturas”, salienta Garrido.

Os agricultores do trigo não têm o que fazer para proteger as plantações, já que as lavouras são extensas. “O plantio escalonado, que poderia amenizar as perdas, já deveria ter sido realizado”, relata Garrido. “Em relação às hortaliças, o produtor consegue amenizar os impactos do frio cobrindo a plantação, por exemplo, com tecidos TNT’s”, acrescenta ele.

Milho

O milho não preocupa tanto o Deral, já que cerca de 80% da área plantada do grão está localizada na região Norte, a mais quente do Estado, que não é tão suscetível ao frio como a região Sul.

Geadas

Ontem (18), pelo segundo dia consecutivo, o Iapar e o Sistema Meteorológico do Paraná (Simepar) informaram previsão de geadas na madrugada desta quarta-feira (19), em toda a zona cafeeira paranaense, que abrange as regiões do Norte Pioneiro, Norte, Noroeste e parte do Oeste do Estado.

A recomendação para os plantios novos, com até seis meses de campo, é enterrar as mudas. Viveiros devem ser protegidos com várias camadas de cobertura plástica ou aquecimento, com a opção de adotar as duas práticas simultaneamente. Nos dois casos – lavouras novas e viveiros –, a proteção deve ser retirada logo que a massa de ar frio se afastar e cessar o risco imediato de geada.

Nas lavouras com idade entre seis meses e dois anos, a recomendação aos produtores é amontoar terra no tronco das plantas até o primeiro par de folhas. Essa proteção deve ser mantida até meados setembro, e depois retirada com as mãos.

A possibilidade de geadas continua para os próximos dias, os cafeicultores devem acompanhar atentamente as previsões meteorológicas. Informações atualizadas podem ser encontradas no site do Iapar, no site do Simepar ou pelo disque-geada (43) 3391-4500.

Previous ArticleNext Article
Mariana Ohde
Repórter no Paraná Portal
[post_explorer post_id="481455" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]