Sacolão da Família oferece alimentos comprados diretos dos produtores

Mariana Ohde


Por Prefeitura de Curitiba

O chuchu, a alface, a vagem, o brócolis e o espinafre consumidos na casa da aposentada Ana Siqueira Araujo, 70 anos, fazem percursos pouco conhecidos da população até chegarem ao Sacolão da Família do Boa Vista. Antes das 8 da manhã, veículos com placas de Colombo, São José dos Pinhais, Mandirituba e Campina Grande do Sul começam a descarregar parte dos hortigranjeiros que serão consumidos naquele dia pelos clientes da unidade da Prefeitura.

“Agora eu entendo porque tudo é tão bonito e fresquinho”, surpreende-se dona Ana, ao ser informada de que os alimentos que ela tinha acabado de colocar na sacola eram de municípios da Grande Curitiba. E a próxima pergunta da aposentada veio naturalmente: “por isso, o preço aqui no Sacolão é mais barato?”

Sim. “Valorizar os produtos de agricultores da Região Metropolitana é uma das estratégias para termos, nos Sacolões da Família, verduras, legumes e frutas ao preço único de R$ 2,29 o quilo”, responde o secretário municipal de Agricultura e Abastecimento, Luiz Gusi. Ao optar por hortifrutigranjeiros da Grande Curitiba, os donos das 15 unidades do programa conseguem reduzir os custos de transporte, negociar preço e também ter sempre alimentos colhidos diariamente das hortas.

Gusi ressalta ainda que, cada vez mais, a Secretaria incentiva os donos de sacolões a buscar parcerias com agricultores familiares dos municípios vizinhos. “Por determinação do prefeito Rafael Greca, dentro da proposta de criação do Mercado Comum Metropolitano, buscamos valorizar os produtos cultivados na região”, reforça.

Para a população, afirma o secretário, é a garantia de alimentos frescos, saudáveis e com preço justo e para os agricultores, a chance de melhor a renda e ter maior acesso ao mercado da capital.

De repolho à poncã

Administrado por produtores rurais da Cooperativa de Processamento e Agricultura Solidária de São José dos Pinhais (Copasol), o Sacolão do Santa Cândida recebe diariamente folhosas e legumes saídos das hortas de agricultores associados do município vizinho bem como de outras cooperativas. No caso de frutas da região, a oferta é menor devido à reduzida produção. “Mas temos caqui de Araucária, poncã de Cerro Azul e banana de São José dos Pinhais”, explica Marli de Fátima Valaski, coordenadora da unidade.

No Sacolão do Boa Vista, quem percorre as bancas vai encontrar folhosas e legumes de Colombo, São José dos Pinhais, Cerro Azul e Araucária. “Há vários anos, tenho produtores da Região Metropolitana como parceiros e que me fornecem chuchu, alface, vagem, rúcula, berinjela, agrião, espinafre, couve-flor, pimentão, rabanete, cheiro verde, agrião, repolho, brócolis, poncã e caqui”, recorda Ibiraci de Lima Fitz, proprietário da unidade e mais conhecido como Seu Bira.

Boa surpresa

O aposentado Afonso Carlos de Oliveira, 83 anos, reconhece que nunca pensou na procedência dos produtos comprados no Sacolão da Família do Santa Cândida. “Minha esposa sempre pede que eu leve banana, acelga e repolho daqui. Percebia que eram fresquinhos, mas não sabia que vinham diariamente da São José dos Pinhais”, salienta.

A dona de casa Solange Curvello, 53 anos, garante que desconfiava de que o chuchu, vagem e alface adquiridos semanalmente na unidade do Boa Vista vinham de perto. “Sempre chegam vistosos”, revela.

Curiosa, a aposentada Marília Furiatti, 79 anos, descobriu há um ano, na primeira compra no Sacolão do Santa Cândida, que a banana e a poncã eram de produtores da Grande Curitiba. “Adoro essas frutas e sempre compro quando encontro. Por isso, nunca me esqueci que o vendedor me falou que a poncã era de Cerro Azul. São muito saborosas”, recorda.

Agricultores

Agricultores da Grande Curitiba só têm o que comemorar por serem fornecedores de hortigranjeiros para os Sacolões da Família da Prefeitura. Responsável pelo sítio da família no distrito de Areia Branca dos Assis, em Mandirituba, André Karas, 22 anos, conta que entrega beterraba, berinjela, repolho, pimentão e couve-flor, três vezes por semana, no Sacolão do Boa Vista.

“Para nós, é muito importante fornecer para o Sacolão. A gente consegue ganhar mais e também tem comprador certo para o que produzimos”, salienta ele. Mesmo acordar às 2h30 da manhã, para preparar acondicionar os alimentos e transportar para a capital, não o desanima. “Faz parte do nosso trabalho e queremos sempre deixar o freguês satisfeito”, afirma.

O alface, o rabanete, o brócolis e a couve-flor colhidos por Acir Lunardon, 49 anos, em sua propriedade em Campina Grande do Sul, também terminam na cozinha de muitos clientes do Armazém do Boa Vista. “Acordo bem cedinho, antes das 3 horas da manhã, para estar 3 a 4 vezes em Curitiba. Recebemos certinho e para nós é importante que possamos ter cliente que compre da gente sempre”, conta.

Endereços dos 15 Sacolões da Família

Sacolão da Família Bairro Novo
Rua Ourizona, 1.681 (ao lado do Armazém da Família).
Terça a sexta, das 9h às 18h30. Sábado das 9h às 15h.

Sacolão da Família Boa Vista
Avenida Paraná, 3.654 (Rua da Cidadania Boa Vista).
Segunda a sexta, das 9h às 19h. Sábado, das 8h às 17h.

Sacolão da Família Boqueirão
Avenida Marechal Floriano Peixoto, 10.350 (Terminal Boqueirão).
Segunda, das 9h às 20h. Terça a sexta, das 8h às 20h. Sábado, das 8h às 18h.

Sacolão da Família Caiuá
Rua Maria Lúcia Locher de Athayde, 7.954 (ao lado do Armazém da Família).
Terça a sexta, das 9h às 17h. Sábado, das 9h às 13h.

Sacolão da Família Carmo
Avenida Marechal Floriano Peixoto, 8.430 (Rua da Cidadania Carmo).
Segunda a sexta, das 9h às 19h. Sábado, das 8h às 15h.

Sacolão da Família Fazendinha
Rua Carlos Klemtz, 1.700 (Terminal Fazendinha).
Segunda a sexta, das 9h às 20h15. Sábado, das 9h às 19h15.

Sacolão da Família Jardim Paranaense
Rua Doutor Benedicto Siqueira Branco, 205 (ao lado do Armazém da Família).
Segunda a sexta, das 8h às 18h. Sábado, das 8h às 14h.

Sacolão da Família Monteiro Lobato
Rua Odir Gomes da Rocha, 550 (ao lado do Armazém da Família).
Terça a sexta, das 9h às 17h. Sábado, das 9h às 15h.

Sacolão da Família Osternack
Rua Guaçuí, 300 (ao lado do Armazém da Família).
Terça a sexta, das 9h às 17h. Sábado, das 8h às 14h.

Sacolão da Família Pinheirinho
Avenida Winston Churchill, s/nº (Terminal Pinheirinho).
Segunda a sábado, das 9h às 20h.

Sacolão da Família Santa Cândida
Avenida Paraná, s/nº (Terminal Santa Cândida).
Segunda a sexta, das 8h30 às 20h30. Sábado, das 9h às 14h.

Sacolão da Família Santa Efigênia
Rua José Carlos Puppi, 35 (ao lado do Armazém da Família).
Terça a sexta, das 8h às 17h30. Sábado, das 8h às 17h. Domingo, das 8h às 12h.

Sacolão da Família Santa Felicidade
Via Vêneto, 1.260 (Rua da Cidadania de Santa Felicidade).
Segunda a sexta, das 9h15 às 19h. Sábado, das 8h às 13h.

Sacolão da Família Vila Oficinas
Rua Engenheiro Costa Barros, 601 (Terminal Vila Oficinas).
Terça a sexta, das 8h às 18h. Sábado, das 8h às 14h.

Sacolão da Família Vila Sandra
Rua Robert Redzimski, 1.157 (ao lado do Armazém da Família).
Segunda a sexta, das 9h às 19h. Sábado, das 8h às 14h.

Previous ArticleNext Article
Repórter no Paraná Portal
[post_explorer post_id="481010" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]