UEPG pede registro de sistema para rastreabilidade de produtos orgânicos

Mariana Ohde


A Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG), por meio da Agência de Inovação e Propriedade Intelectual (Agipi), apresentou nesta semana seu primeiro pedido de registro de programa de computador junto ao Instituto Nacional de Propriedade Intelectual (Inpi). Trata-se do software EcoRastrO – Sistema para rastreabilidade de produtos orgânicos, desenvolvido no Programa de Pós-Graduação em Computação Aplicada – PPGCA da instituição.

O programa de computador tem o objetivo de acompanhar todo o processo de produção de alimentos orgânicos, desde o plantio até o consumidor. Com isso, é possível assegurar a procedência dos produtos.

Para a coordenadora do projeto e do PPGCA, professora Alaine Margarete Guimarães, é importante para a UEPG desenvolver produtos inovadores que atendam à demanda regional. “O EcoRastrO é o primeiro software brasileiro desenvolvido para rastreabilidade de produtos orgânicos de acordo com as normativas determinadas pelos órgãos reguladores brasileiros”.

Ela destaca que os benefícios se estendem ao agricultor e explica que a rastreabilidade agrega valor ao produto. “O produtor pode acompanhar desde a procedência dos insumos utilizados no plantio até a comercialização dos orgânicos”, diz.

Para esse acompanhamento, o sistema se utiliza da geração de ‘QRCodes’, o que facilita o acesso às informações. “Esse é o propósito do PPGCA, desenvolver pesquisas que utilizem de inovações tecnológicas e computacionais para aplicações reais”.

De acordo com coordenadora, assim como o depósito de patente, o depósito de registro de software também passa por todo um processo de avaliação do Inpi e leva um tempo até o registro ser efetivamente concedido. “Porém, em termos de registro de software, o processo é um pouco mais simples e esse tempo é bem menor, diferentemente de patente que pode levar anos até ser concedida no Brasil”.

O EcoRastrO também já foi validado junto a associações de produtos orgânicos e, também, à empresa paranaense do segmento de orgânicos, e está disponível gratuitamente através de cadastro no site.

Projeto

O software é resultado de projeto coordenado pela professora Alaine Margarete Guimarães, coordenadora do PPGCA, com participação dos discentes Luiz Pedro Petroski e Jaquelinie Rissá Franco e dos docentes Maria Salete Marcon Gomes Vaz e Rosane Falate, todos do programa de pós.

No desenvolvimento do EcoRastrO, a coordenadora destaca a colaboração do professor Pedro Weirich Neto, do Departamento de Ciências do Solo e Engenharia Agrícola, que prestou informações importantes sobre a produção e certificação de orgânicos e fez a mediação com a associação de produtores orgânicos.

A professora cita ainda a contribuição dos associados, que colaboraram para que o software fosse desenvolvido de forma a atender às reais necessidades da área, e destaca o trabalho da Agipi. “Por ser o primeiro registro de software da instituição, ainda não existia uma experiência na condução desse processo”.

Previous ArticleNext Article
Mariana Ohde
Repórter no Paraná Portal