UFPR assina licenciamento de cana-de-açúcar com menor custo e maior produtividade

Mariana Ohde


A Universidade Federal do Paraná (UFPR), por meio da Agência de Inovação, firmou contrato de licenciamento com a Bayer de uma variedade de cana-de-açúcar que auxiliará na renovação e expansão dos canaviais brasileiros, com redução de custos e aumento da produtividade no setor. A Bayer é uma empresa global, focada em Ciências da Vida nas áreas de cuidados com a saúde humana e animal e agricultura.

A variedade RB 966928 é a segunda mais cultivada no Brasil. São 9,1 milhões de hectares, o equivalente a 7% da produção de cana-de-açúcar no país. Trata-se de um cultivar já reconhecido pelo mercado como sendo de alta qualidade, o que o torna bem estabelecido entre os agricultores. “Por isso, a Bayer optou por trabalhar com esta variedade em suas pesquisas”, explica Juliano Barela, gerente de Seeds para Cana-de-Açúcar.

Sistemas mecanizados

De acordo com o coordenador do Programa de Melhoramento Genético da Cana-de-Açúcar da UFPR, professor-doutor Ricardo Augusto de Oliveira, a variedade foi resultado de 14 anos de pesquisa e oferece uma grande vantagem em relação a outras espécies em sistemas de colheita organizada, com plantio mecanizado.

“Esta planta se adapta muito a este tipo de plantio. Ela tem um ganho de produtividade de 5% a 8% em relação a outras variedades de cana-de-açúcar”, diz. Para o professor, o desenvolvimento desta espécie revela a qualidade da pesquisa desenvolvida na UFPR nesta área. “A pesquisa que fizemos ajuda a levar o nome da UFPR para o Brasil todo”.

O contrato

O contrato assinado com a Agência de Inovação garante à Bayer direito ao uso do material genético desta variedade de cana-de-açúcar para pesquisa de desenvolvimento em campo e projeto de sistema de plantio. O acordo ganha especial importância devido ao fato de a agricultura brasileira demandar novas tecnologias para aumentar sua produtividade.

Isto porque o setor canavieiro realiza o plantio da cana-de-açúcar da mesma forma desde a introdução da cultura no País, no século 16. “O acordo contribui para a renovação e expansão dos canaviais, reduzindo custos e aumentando a produtividade no setor”, diz Barela.

De acordo com ele, a Bayer aposta na força do setor sucroenergético dentro do agronegócio brasileiro e trata a cultura como uma das prioridades em sua atuação no País. Por isso, conta com um portfólio de soluções (produtos e serviços) para atender às necessidades e impulsionar a produção do canavicultor. “O objetivo é contribuir para a transformação da história da cultura no Brasil e ajudar o produtor a alavancar sua produtividade para um patamar acima de 100 toneladas por hectare”, finalizou.

Relatório

A parceria com a Bayer consta no relatório de 100 dias de gestão da Agência de Inovação, no capítulo Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologia, como sendo um dos projetos mais importantes desenvolvidos pela organização neste período.

Dirigida pelo professor-doutor Carlos Itsuo Yamamoto e tendo o professor Alexandre de Morais como coordenador de Propriedade Intelectual, a Agência objetiva garantir suporte à comunidade interna nas demandas de proteção do conhecimento; orientar os procedimentos sobre transferência de tecnologia; e definir planos de capacitação e eventos para empreendedorismo e projetos de geração de negócios inovadores.

Previous ArticleNext Article
Repórter no Paraná Portal
[post_explorer post_id="481237" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]