Preço do pescado varia até 77% em Maringá, segundo Procon

Rosângela Gris - Metro Maringá

Consumidor deve ficar atento e pesquisar antes de comprar.

Uma pesquisa realizada pelo Procon de Maringá revelou que a variação de preço nos pescados pode chegar a até 77% na cidade. O levantamento foi realizado em cinco peixarias entre os dias 21 e 23 de março.

Do total de 20 produtos pesquisados, a sardinha eviscerada apresentou a maior variação. O preço mais baixo encontrado para o quilo do produto foi R$ 14 e o mais alto R$ 24,80, uma variação de 77,14%.

Também significativa é a diferença de 58,86% no preço da sardinha espalmada, encontrada por R$ 17,50 no local mais barato e por R$ 27,80 no mais caro.

Entre os produtos que apresentaram variação superior a 50% estão o pintado inteiro e a corvina inteira.

Por outro lado, o filé de salmão foi o item com a menor variação: 9,72 %. O item está à venda por R$ 45, na peixaria mais barata, e por R$ 59, na mais cara.

A pesquisa apurou ainda a variação total do preço médio entre os estabelecimentos no percentual de 30,38%.

“Consideramos as variações bastante significativas, até acima da nossa expectativa. O consumidor precisa pesquisar e usar o levantamento do Procon como instrumento
de negociação para garantir o preço justo”, orienta o diretor do órgão, Rogério Calazans.

Para todos os produtos foi considerado apenas o preço para um quilo. Não foram considerados marcas estrangeiros ou nacionais, medidas e se congelados ou frescos.

De olho na qualidade

Calazans reforça ainda a necessidade de verificar o estado de conservação e qualidade do produto. “É preciso ficar atento ao olho do peixe e a escama. O olho não pode estar opaco e as escamas não podem estar soltando. Isso não quer dizer que o produto está fora da validade, mas que não é fresco”, ensina o diretor.

A pesquisa de preços completa pode ser consultada na site da prefeitura.

Previous ArticleNext Article