Cooperativas vão fornecer refeições para mais de 2 mil escolas no Paraná

Assessoria

Os agricultores familiares do Paraná vão servir mais de um milhão de refeições por dia nas escolas estaduais.

Os agricultores familiares do Paraná vão servir mais de um milhão de refeições por dia nas escolas estaduais. Os alimentos, adquiridos de 144 associações e cooperativas, abastecerão 2.146 escolas espalhadas por todos os nossos 399 municípios.

A formalização do acordo foi feita na última semana, na sede do Instituto Paranaense de Desenvolvimento Educacional (Fundepar). “Essa negociação vem sendo conduzida desde 2011”, conta o Secretário da Agricultura e Abastecimento, Norberto Ortigara.

Segundo ele, o Paraná é o primeiro estado do Brasil a se adequar às diretrizes do Plano Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). “O que vem da roça é bom para a criançada”, diz Ortigara. “Deixa de ser alimento enlatado para ser natural, vindo diretamente da terra”.

Ortigara disse almejar também um cenário em que, futuramente, toda a alimentação escolar seja fornecida por agricultores familiares orgânicos ou agroecológicos do estado.

“Enquanto isso, nosso dever é minimizar o uso de insumos químicos, cuidar bem do solo, da água e rumar para a conversão de novas áreas, para que possamos um dia promover, de forma sustentável, orgânica e agroecológica, toda a alimentação escolar”.

A cerimônia no Fundepar marcou também o lançamento de um Grupo de Trabalho Intersetorial Estadual — que se dedicará ao estudo dos possíveis caminhos para o cumprimento da meta. O plano é que, até 2030, 100% da alimentação escolar paranaense seja orgânica ou agroecológica.

“Estamos muito contentes em poder garantir a nossos estudantes um alimento rico, nutritivo e fresco; pois aprender a comer e a se nutrir com qualidade também faz parte do processo educativo”, comenta a diretora-técnica do Fundepar, Maria Teresinha Ritzmann.

“Além disso, uma iniciativa pública como essa é excelente oportunidade para aprimorarmos o desenvolvimento rural sustentável de nosso estado a partir de uma boa política de planejamento”.

Para o engenheiro agrônomo João Carlos Zandoná, diretor-presidente do CPRA, esse momento deve ser celebrado como importante marco para a agricultura paranaense. “Mesmo professores, em sala de aula, poderão abordar o assunto de modo a ensinar a importância de uma boa formação nutricional e, ainda, mostrar aos alunos que a produção orgânica ou agroecológica é uma forma viável de se produzir alimentos e preservar o meio ambiente”, diz.

“Pela alimentação de qualidade, podemos formar cidadãos de qualidade.”

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="512234" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]