áreas de restinga
Compartilhar

Líder da Alep retira assinatura do projeto da Escarpa Devoniana

Por BandNews CuritibaO projeto que determinava a diminuição da área da Escarpa Devoniana, na região dos Campos Ge..

Mariana Ohde - 22 de setembro de 2017, 10:09

Foto: Denis Ferreira Netto / SEMA
Foto: Denis Ferreira Netto / SEMA

Por BandNews Curitiba

ANÚNCIO

O projeto que determinava a diminuição da área da Escarpa Devoniana, na região dos Campos Gerais do Paraná, não será mais assinado pelo líder do governo na Assembleia Legislativa. O deputado Luiz Claudio Romanelli (PSB), disse nesta quarta-feira (20) que fez uma reavaliação da proposta e decidiu assim não assinar a proposta que reduzia a área de proteção ambiental.

De acordo com o parlamentar, vários setores da sociedade foram contrários a esta medida, o que motivou a retirada da assinatura. "Eu discuti isso com geógrafos, biólogos, ambientalistas, muitas pessoas. Cheguei à conclusão de que esse tema tem que ser tratado pelo governo e órgãos ambientais com qualificação técnica adequada, para poder analisar a necessidade da preservação dos parques, tanto o nacional quando o estadual de Vila Velha, o corredor de biodiversidade. Como o tema é muito complexo, optei por retirar minha assinatura".

O projeto foi elaborado em janeiro deste ano pelo deputado Plauto Miró (DEM), com apoio do presidente da Assembleia, Ademar Traiano (PSDB), e, inicialmente, do próprio Romanelli.

O líder do governo na Assembleia comentou que, apesar de mudar de opinião, a proposta iria beneficiar o agronegócio e que estava sustentada com base em estudos ambientais. "Eu sempre disse que o projeto só poderia ser votado na Assembleia se fosse validade pelo IAP e pela Sema.

O projeto estava baseado em um estudo feito pela Fundação ABC, que é tecnicamente correto. Foi pra garantir ao produtos rural daquela que é uma das regiões mais ricas do estado, a estabilidade e a possibilidade de contrair financiamentos", explicaA área de proteção ambiental tem 392 mil hectares, corta 12 municípios e o Cânion do Guartelá. A proposta era de diminuir a área preservada para 126 mil hectares. Sem a assinatura de Romanelli, dificilmente a proposta vai entrar em votação na Assembleia, de acordo com o próprio deputado.

O governo, por outro lado, informa que não há forma de o projeto ser aprovado sem que antes passe pelos deputados e que a ideia dificilmente será colocada em prática.