Agronegócio
Compartilhar

Campanha de atualização do rebanho paranaense entra na reta final

Os números mais recentes mostram que apenas 58,4% das propriedades rurais tiveram seus rebanhos atualizados, conforme a Adapar.

Redação - 22 de junho de 2022, 10:37

Foto: Divulgação/Secretaria da Agricultura e do Abastecimento
Foto: Divulgação/Secretaria da Agricultura e do Abastecimento

A Campanha de Atualização dos Rebanhos do Paraná de 2022 entrou na reta final. A atualização obrigatória para todos os produtores rurais com animais de produção de qualquer espécie sob sua guarda se encerra no dia 30, de acordo com a Adapar (Agência de Defesa Agropecuária do Paraná).

A atualização dos rebanhos foi criada para substituir a campanha de vacinação contra febre aftosa no estado, que recebeu ano passado o certificado internacional de área livre de febre aftosa sem vacinação, concedido pela Organização Mundial de Saúde Animal (OIE). Com esses dados, é possível reunir informações consistentes para qualificar o trabalho de vigilância, conforme a Adapar.

A atualização é exigida para todas as espécies animais existentes na propriedade: bovinos, búfalos, equinos, asininos, muares, suínos, ovinos e caprinos.

A partir de 1º de julho, as propriedades que não estiverem atualizadas no cadastro da Adapar ficam impedidas de retirar GTA (Guia de Trânsito Animal).

ÍNDICES DE ATUALIZAÇÃO DOS REBANHOS NO ESTADO

A Adapar apresentou nesta terça-feira (21) os índices de atualização dos rebanhos em todo o estado. Os números mais recentes mostram que apenas 58,4% das propriedades rurais tiveram seus rebanhos atualizados. No site da Agência é possível acompanhar a evolução diária por núcleo regional e por município.

Em relação aos núcleos regionais, a pior situação é dos municípios na região de Curitiba, com 41,7% de atualização realizada até agora. A seguir vem a região de União da Vitória, com 42,9%, e Irati, com 51,4%. Os melhores percentuais estão nas regiões de Toledo, com 76,3%, Paranavaí, 69,1%, e Umuarama, com 66,7%.

O diretor-presidente da Adapar, Otamir Martins, reforçou que o órgão tem trabalhado em conjunto com o Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná Iapar-Emater (IDR-Paraná), com a Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab) e entidades representativas do agronegócio para intensificar a campanha.

“O trabalho que gerou a certificação internacional do Paraná precisa ser continuado ano após ano. Os índices em algumas regiões estão baixos e devemos fazer um esforço para mudar esse quadro”, explica.

Para a médica veterinária e responsável pela sanidade agropecuária no IDR-Paraná, Mariana Müller, a atualização não é apenas uma obrigação dos produtores, mas o cumprimento de uma "função social com a saúde animal e com a agropecuária paranaense".

Os produtores rurais podem fazer a atualização pelo site da Adapar, em uma das Unidades Locais da Adapar, Sindicatos Rurais ou Escritório de Atendimento do município (prefeituras), e também por meio do aplicativo Paraná Agro.