Agronegócio
Compartilhar

Ciclone deixa em alerta comunidade portuária no litoral do Paraná

O ciclone subtropical Yakecan segue preocupando a comunidade do litoral do Paraná. Os portos de Paranaguá e Antonina operam de forma parcial.

Redação - 18 de maio de 2022, 17:55

Foto: Arquivo/AEN
Foto: Arquivo/AEN

A Portos do Paraná anunciou na tarde desta quarta-feira (18) que os portos de Paranaguá e Antonina seguem operando parcialmente devido à intensidade dos ventos trazidos pelo ciclone subtropical Yakecan.

Com rajadas passando dos 50 km/h desde a noite de terça-feira (17), algumas atividades alternam períodos de operação e paradas, para segurança dos trabalhadores portuários.

Os carregadores (shiploaders) do Corredor de Exportação Leste, assim como os guindastes do Terminal de Contêineres do Porto de Paranaguá, permanecem paralisados nesta quarta-feira (18).

Já os guindastes utilizados na descarga dos granéis sólidos de importação (como fertilizantes, trigo, malte e cevada) param somente quando há a passagem de ventos mais fortes.

Os equipamentos são dotados de dispositivos de segurança chamados de anemômetros. Quando a velocidade do vento ultrapassa 42 km/h, um alarme é disparado para que os operadores paralisem as atividades.

A Gerência de Saúde e Segurança no Trabalho da Portos do Paraná informa que as operações somente serão normalizadas quando cessarem as rajadas de vento. A estação meteorológica própria do porto de Paranaguá registrou velocidade máxima de 52 km/h na noite de ontem.

Por fim, a Marinha do Brasil pede que as autoridades portuárias e demais agentes da comunidade portuária mantenham o estado de alerta até o próximo dia 20 de maio.