Com ajuda do SENAR-PR, paranaenses vão ao pódio do Prêmio Mulheres do Agro

FAEP

O agronegócio paranaense subiu no pódio de duas categorias do Prêmio Mulheres do Agro, iniciativa que reconhece o trabalho de gestoras de negócios rurais de todo o país. Márcia Piati Bordigon, do município de Céu Azul, no Oeste do Paraná, ficou em terceiro lugar na modalidade Grande Propriedade. Jania Grando, de São Miguel do Iguaçu, na mesma região do Estado, também levou a medalha de bronze em Média Propriedade. Em comum, as duas relatam a alegria para trabalhar no campo e muita disposição para se aprimorar constantemente em suas áreas. Tudo isso, com uma ajuda fundamental dos cursos do SENAR-PR a elas e a seus funcionários nas mais diversas áreas do agronegócio.

A história de Márcia com o agronegócio começou com um baque para a família. Há cerca de 10 anos, o pai, que tocava as lavouras de soja, milho e trigo na propriedade de cerca de 225 hectares, faleceu. O acontecimento foi um choque para todos e depois de uma reunião em família (quatro filhas e a mãe), ficou decidido que a matriarca e a filha mais velha, Márcia, conduziriam os negócios. “Sou formada em matemática, dei aulas nos ensinos fundamental e médio e também um ano e meio na universidade. Minha mãe sempre falava que meu pai e eu éramos muito parecidos em personalidade. Então a gente não se dava muito bem. Por isso, eu nunca tinha imaginado até então tocar esse negócio”, comenta.

Ao assumir a missão de dar sequência às atividades agrícolas, a matemática se deparou com a falta de conhecimento técnico agrícola para tomar as decisões na propriedade. “Foi então que, após 45 dias do falecimento do meu pai, fui fazer um curso de colheitadeira pelo SENAR-PR. Eu não tinha nem noção do que era uma máquina dessas. Não estava fazendo aquele curso para eu operar a máquina, mas para entender como funcionava”, diz. “Felizmente, deu resultado e depois comecei a fazer outros cursos, na área administrativa, de mercado, 5S, para organizar a propriedade.
Fiz muitas capacitações, minha mãe e meus funcionários também. O maior suporte de busca de conhecimento que eu tenho é o SENAR-PR”, revela a produtora, que hoje já conseguiu ampliar em mais de 40% a área da propriedade, de 225 para em torno de 330 hectares de área plantada.

Leia a matéria completa no Boletim Informativo.


Post anteriorPróximo post
Comentários de Facebook