Com capacitação, sericultores aumentam em 70% a produtividade

Mariana Ohde


Com informações da Emater

280 profissionais – entre sericicultores, extensionistas, pesquisadores e agentes técnicos, a Emater – participaram, em setembro, do segundo encontro macrorregional de produtores com Unidades de Referências em Sericicultura, na Safra 2016/2017. O evento foi realizado em Nova Esperança, com o objetivo de incentivar o uso e a adoção de tecnologias adequadas para a cultura da amoreira e criação do bicho da seda.

O encontro deu continuidade ao trabalho desenvolvido na macrorregião Noroeste e marcou o encerramento das tardes de campo de sericicultura. Foram dez tardes, realizadas desde fevereiro. Ao todo, 670 sericicultores participaram das atividades.

A macrorregião Noroeste é responsável por 61% da produção de casulos verdes do estado – 1,46 mil toneladas. Nova Esperança aparece como o maior produtor, com 15% da produção paranaense. A atividade está presente em 165 municípios, sendo desenvolvida por 1,86 mil criadores que faturam, anualmente, R$ 40,2 milhões com a venda da produção.

De acordo com o extensionista Oswaldo Pádua, coordenador do projeto Sericicultura, da Emater, para a macrorregião Noroeste, o evento foi uma oportunidade para produtores e técnicos discutirem as inovações tecnológicas para o setor, incluindo máquinas e equipamentos, variedades de amoreiras e automação de bosques.

“Soluções que podem contribuir com o aumento da produção e da produtividade e com a melhoria da qualidade do produto. Também foi uma oportunidade para se refletir questões relacionadas à sucessão familiar, integração pesquisa e extensão rural, crédito rural, mercado futuro e verticalização da produção como saída para a agregação de valor aos casulos verdes. Contribuições significativas para a promoção de mudanças no setor, capazes de garantir a permanência de um grande número famílias de agricultores no campo”.

Resultados

O evento contou com o espaço “varal do conhecimento”, onde foram divulgados os resultados técnicos e econômicos das 18 Unidades de Referências na safra 2016/2017 em comparação com as duas safras anteriores.

Produtores relataram aumento da produtividade em relação à média do Paraná, que, na safra 2016/2017, foi de 632 kg de casulos verdes por hectare. A média de produtividade das unidades chegou, em alguns casos, a 1.062 kg por hectare por ano.

“Muitos destes produtores superaram os 1.500 kgs por hectare, sendo que em uma das unidades a produtividade superou a marca de 1.731 kgs de casulos verdes por hectare num ano. Estes resultados comprovaram uma vez mais que a sericicultura representa uma ótima alternativa para a diversificação dos negócios da propriedade rural, em especial para o agricultor familiar, já que permite a entrada mensal de receita durante nove meses do ano”, avalia Pádua.

18 Unidades de Referência hoje ajudam a divulgar o conhecimento sobre a sericultura. Elas estão em Astorga, Alto Paraná, Altônia, Cruzeiro do Sul, Iretama, Ivaté, Indianópolis, Luisiana, Mandaguaçu, Nova Esperança, Santa Mônica, Santa Cruz do Monte Castelo, Terra Boa, Tuneiras do Oeste e Xambrê.

Previous ArticleNext Article
Mariana Ohde
Repórter no Paraná Portal
[post_explorer post_id="6154" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]