Curitiba vai ganhar Jardins do Mel com abelhas sem ferrão

Mariana Ohde


A partir do dia 21 de setembro Curitiba terá Jardins do Mel – estações que abrigarão abelhas nativas sem ferrão. A primeira unidade será instalada no Parque Barigui. O objetivo é criar um programa de polinização e divulgação da importância da preservação ambiental, segundo o prefeito Rafael Greca. As abelhas são responsáveis por boa parte do cultivo agrícola e disseminação de árvores nativas.

De acordo com a diretora do Departamento de Pesquisa e Conservação da Fauna da Secretaria Municipal do Meio Ambiente, Marcia Arzua, nos últimos dias foram feitas as visitas técnicas aos locais que devem receber as colmeias e as mudas de plantas melíferas, que estimulam a presença dos insetos.

Além do Barigui, também terão Jardins do Mel o Jardim das Sensações, no Jardim Botânico; o Bosque Reinhard Maack, no bairro Hauer; o Zoológico de Curitiba, no Boqueirão; o Museu de História Natural do Capão da Imbuia; e o Passeio Público, no Centro. Mais pontos devem ser divulgados em breve, segundo a prefeitura.

Os locais foram escolhidos pela facilidade de implantação e atendimento aos requisitos ambientais. As escolhas também levam em consideração as características de voo das abelhas sem ferrão, que podem atingir distâncias entre 500 metros a dois quilômetros. A variação depende do tamanho do corpo e das asas dos insetos.

O projeto é viabilizado em parceria pelas secretarias municipais do Meio Ambiente e da Educação, a Fundação Cultural de Curitiba e o Instituto Municipal de Administração Pública (Imap).

Abelhas nativas ameaçadas

Fatores como a introdução da abelha africana para produção de mel e outros derivados, desmatamentos, queimadas, entre outros, contribuem para a diminuição da incidência da abelha nativa. No mundo, há 400 espécies e 300 delas são endêmicas do Brasil.

O repovoamento e a sensibilização para a sua importância são outros objetivos de um amplo programa, que além dos Jardins do Mel, prevê a educação ambiental para as crianças das creches e escolas municipais. “Cuidar das abelhas é cuidar da preservação de toda a biodiversidade da cidade”, reforça o professor Felipe Thiago de Jesus, responsável pela implantação.

Previous ArticleNext Article
Mariana Ohde
Repórter no Paraná Portal