Agronegócio
Compartilhar

Edital que financia pesquisa sobre enfezamento do milho está com inscrições abertas

O enfezamento do milho é uma preocupação constante de agricultores, já que a doença pode reduzir a produção de grãos, impactando o resultado das safras.

Redação - 16 de julho de 2022, 11:35

Foto: Gilson Abreu/AEN
Foto: Gilson Abreu/AEN

Está aberto um edital para o financiamento de pesquisas sobre o enfezamento do milho no Paraná. A iniciativa da chamada pública é da Fundação Araucária, em conjunto com a Superintendência Geral de Ciência, Tecnologia e Ensino Superior (Seti) e o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR-PR), referente à Rede Paranaense de Apoio à Agropesquisa e Formação Aplicada (Complexo de Enfezamento do Milho - CEM).

As inscrições vão até o dia 8 de agosto e o resultado final será divulgado no dia 17, conforme o edital.

O enfezamento do milho é uma preocupação constante de agricultores no país. A doença pode reduzir a produção de grãos, impactando o resultado das safras. No Paraná, o controle é feito pelo IDR-Paraná, Adapar, Embrapa e o Sistema Faep.

Os eixos temáticos dessa chamada são monitoramento de cigarrinhas (Dalbulus maidis) e patógenos do complexo de enfezamento do milho, avaliações das reações de cultivares de milho (híbridos e variedades) e avaliações da eficácia da aplicação de inseticidas sintéticos e biológicos no controle de Dalbulus maidis. O edital está inserido no contexto de biotecnologia/saúde e agricultura/agronegócio.

Ele disponibilizará recursos financeiros de até R$ 4 milhões. O prazo de execução das propostas apoiadas será de até 38 meses, sendo que o prazo de execução das bolsas vinculadas aos projetos deverão ser de até 36 meses, contados a partir da assinatura do instrumento de convênio. Os itens financiáveis são bolsas de pesquisa (de iniciação científica a pós-doutorado) e despesas inerentes ao projeto de pesquisa, como participação em simpósios.

Para a sistematização dos resultados e realização do seminário final poderá haver, excepcionalmente, prorrogação por até seis meses do prazo de execução, desde que o proponente solicite autorização prévia para a Fundação Araucária.