Estudo comprova importância dos polinizadores para a agricultura sustentável

Redação

polinizadores e agricultura sustentável

Em artigo publicado na revista Environmental Science & Technology, pesquisadores mapearam, pela primeira vez, a importância dos polinizadores para uma agricultura sustentável nos municípios brasileiros. Esse estudo envolveu vinte e um colaboradores do Programa SinBiose/CNPq (Centro de Síntese em Biodiversidade e Serviços Ecossistêmicos) e contou com a participação das professoras Isabela Galarda Varassin e Marcia Cristina Mendes Marques, do Departamento de Botânica da UFPR. As informações são da assessoria de comunicação da UFPR.

“Esse mapeamento associou as demandas de restauração, aliando um serviço ecossistêmico, que é a polinização, à conservação e restauração de áreas degradadas”, explica a professora Isabela.

A conservação de matas e campos nativos é a principal tática para aumentar a população de polinizadores, como abelhas, moscas e morcegos, mas estado apresenta alto déficit de áreas que deveriam estar preservadas. Ao mesmo tempo, a presença de vegetação nativa próxima às áreas cultivadas maximiza a polinização e melhora a produtividade e a manutenção da cultura agrícola.

Leia também: Após alta no preço, Brasil tem menor consumo de carne vermelha em 26 anos

Polinizadores garantem aumento da produção e retorno monetário à agricultura

Mapa do Estado do Paraná com faixa de valor econômico agregado pela polinização

A equipe analisou as principais culturas agrícolas brasileiras, identificando aquelas em que a polinização realizada por animais resulta em aumento da produção e retorno monetário. Outra análise é a da diferença entre a quantidade de vegetação natural existente e as áreas exigidas por lei em cada município, o chamado déficit de vegetação natural.

A partir da correlação entre essas duas métricas, foi possível elaborar um ranking de prioridades para restauração e conservação da vegetação natural, que tenham como foco a importância da polinização para cada localidade.

Veja matéria completa no site da revista Ciência UFPR.

 

Previous ArticleNext Article
[post_explorer post_id="795072" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]