Exportações de carne suína crescem mais de 20% em fevereiro

Redação

Vendas para países da Ásia, África e América do Sul estão em alta
carne suína: aumento nas exportações

As exportações brasileiras de carne suína (considerando todos os produtos, entre in natura e processados) registraram em fevereiro alta de 20,3%, informa a Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA). Ao todo, foram exportadas 81,1 mil toneladas no mês, contra 67,4 mil toneladas registradas no mesmo período de 2020. A divulgação foi feita pela assessoria de comunicaçcão da ABPA.

A receita das vendas de fevereiro totalizou US$ 185,7 milhões, número 19,9% maior em relação ao segundo mês de 2020, com US$ 154,9 milhões.

No total do primeiro bimestre, as vendas de carne suína alcançaram 144,2 mil toneladas, volume 6,12% superior ao obtido no mesmo período do ano passado, com 135,9 mil toneladas. A receita dos dois primeiros meses de 2021 totalizou US$ 332,3 milhões, número 4,1% superior ao registrado no mesmo período do ano passado, com US$ 319,1 milhões.

“O cenário internacional segue altamente demandante pela carne suína do Brasil. Isto, no entanto, não tem afetado a oferta interna deste produtos, que segue ajustada”, avalia Ricardo Santin, presidente da ABPA.

 

China importou 41,4 mil toneladas de carne suína brasileira

Principal destino das exportações brasileiras, a China importou em fevereiro 41,6 mil toneladas, volume 34% superior ao registrado no mesmo período de 2020.

Também se destacaram no mês as vendas para o Chile, com 4,5 mil toneladas (+73,5%), Angola, com 3,4 mil toneladas (+7,4%), Singapura, com 3,3 mil toneladas (+43,8%) e Argentina, com 2 mil toneladas (+15%).

“Adicionalmente ao bom desempenho dos destinos asiáticos, tivemos neste mês uma considerável elevação das vendas para as nações da América do Sul, com saldo positivo em praticamente todos os destinos da região”, avalia Luís Rua, diretor de mercados da ABPA.

No levantamento por estado, Santa Catarina segue como principal exportador, com 40,7 mil toneladas embarcadas em fevereiro (+16,3% em relação a fevereiro de 2020). Em segundo lugar, o Rio Grande do Sul exportou 21,3 mil toneladas (+30%). No terceiro lugar, o Paraná embarcou 11,3 mil toneladas (+22,4%).

 

A entidade da suinocultura

A ABPA é a representação político-institucional da avicultura e da suinocultura do Brasil. Congrega mais de 140 empresas e entidades dos vários elos da avicultura e da suinocultura do Brasil, responsáveis por uma pauta exportadora superior a US$ 8 bilhões. Sob a tutela da ABPA está a gestão, em parceria com a Apex-Brasil, das quatro marcas setoriais das exportações brasileiras de aves, ovos e suínos: Brazilian Chicken, Brazilian Egg, Brazilian Breeders e Brazilian Pork. Por meio de suas marcas setoriais, a ABPA promove ações especiais em mercados-alvo e divulga os diferenciais dos produtos avícolas e suinícolas do Brasil – como a qualidade, o status sanitário e a sustentabilidade da produção –, fomentando novos negócios para a cadeia exportadora de ovos, de material genético, de carne de frangos e de suínos.

 

Leia também: Brasil e Argentina solucionam pendências do comércio de produtos agropecuários

Previous ArticleNext Article