Granja que mantém galinhas sem gaiola recebe certificação nacional em Cascavel

Redação

A Granja Refem, que desenvolve um projeto pioneiro no Paraná com produção de ovos a partir da criação de galinhas sem gaiola, recebeu certificação do Sistema Brasileiro de Inspeção de Produtos de Origem Animal (SISBI). A granja fica em Cascavel, no Oeste do Paraná, e conta com 250 mil aves, que produzem 220 mil ovos por dia. O local vende para cinco estados brasileiros e emprega 140 pessoas.

O certificado, emitido pelo Ministério da Agricultura e Prefeitura, permite a comercialização de ovos em todo território nacional. A Granja Refem já está adequada às normas sanitárias da ONU, que vai exigir, a partir de 2021, que a produção em todo o mundo seja feita de forma mais natural, com aves livres de gaiolas e proibição do uso intensivo de químicos, medicamentos e na ração. Até 2030, não será mais permitida a produção de ovos em sistema de gaiola.

“A nossa granja deve ser a primeira no Paraná com a certificação internacional, a certified human, que está em 187 países. São objetivos difíceis de cumprir pelas exigências, mas temos feito todos nas formas necessárias e conseguimos a certificação”, afirmou Renato Festugato Neto, proprietário da empresa.

Ele investiu cerca de R$ 27 milhões na reformulação do negócio e a projeção é adequar ainda mais a área de aviários para atingir 500 mil aves de postura e produção diária de um milhão de ovos. Cerca de 60% dos recursos são de capital próprio e 40% da linha Inovagro, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

A granja atende os compromissos da Agenda 2030, firmados pelos países-membros da ONU, a qual o Paraná tem a missão de implementar. “Devemos ter um retorno mais longo na atividade, mas acreditamos no futuro de que o consumidor vai remunerar este ovo. Estamos um passo adiante, temos que melhorar a produtividade e desenvolver produtos compatíveis com o que o mundo está fazendo”, afirmou.

Ele citou que a Europa já proíbe a comercialização do ovo de galinhas de gaiola, que os Estados Unidos já consomem 30% na modalidade “cage free” (sem gaiola) e, o Brasil, menos de 1%. “Nosso país consome hoje 110 milhões de ovos por dia e somente 650 mil a 700 mil ovos têm a preocupação do bem-estar animal. Teremos capacidade de chegar a um milhão de ovos por dia. É um mercado em expansão, e viável, só teremos um período maior de maturação”, afirmou.

 

Previous ArticleNext Article