Agronegócio
Compartilhar

Líder nacional, Paraná produziu 188 mil toneladas de peixes em 2021

Da produção total de 188 mil toneladas de peixes no Paraná no ano passado, 182 mil são tilápias; piscicultura movimenta cerca de R$ 1 bilhão por ano no estado

Redação - 25 de fevereiro de 2022, 14:36

Foto: Jonathan Campos/AEN
Foto: Jonathan Campos/AEN

A produção de peixes de cultivo, particularmente a tilápia, no Paraná, chegou a 188 mil toneladas em 2021, confirmando ainda mais a liderança nacional nesse segmento, no qual tem participação de 22%. O crescimento foi de 9,3% em relação a 2020.

O segundo colocado é o Estado de São Paulo, que encerrou o ano com 81.640 toneladas. O levantamento é da Associação Brasileira de Piscicultura (PeixeBR), que congrega produtores, empresas da cadeia produtiva e entidades de classe, e publica o Anuário PeixeBR.

“Essa é uma cadeia consolidada no Paraná e com excelentes perspectivas de crescimento”, ressaltou o secretário da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara. “Temos acompanhado e visitado empreendimentos novos, confirmando que esse segmento será ainda mais importante para a economia do Estado e para o aumento de renda de produtores.”

O bom desempenho do Estado é puxado pelo modelo cooperativista de integração, que garante suporte produtivo, industrial e de comercialização dos pescados. “Além do cooperativismo, que investe fortemente na atividade, o Paraná tem uma legislação ambiental simples e ativa para garantir qualidade e respeito à natureza, um rigoroso controle de sanidade e uma assistência técnica qualificada”, afirmou Ortigara.

No ano passado, o governo lançou o programa Banco do Agricultor Paranaense para incentivar a agropecuária do Estado. Uma das linhas contempla projetos de implantação, aquisição de equipamentos, assistência técnica e custeio para a piscicultura com a concessão de subvenção econômica na forma de equalização da taxa de juros. De maio de 2021 a 31 de janeiro deste ano, foram apresentados 13 projetos ao Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná – Iapar-Emater (IDR-Paraná). Eles somam R$ 1.431.773,00 de investimento.

Produção de tilápia

Em 2021, a piscicultura brasileira produziu 534.005 toneladas de tilápias, com crescimento de 9,8% sobre o ano anterior (486.255 toneladas). A espécie, que está presente em todas as regiões do País, representou 63,5% da produção de peixes de cultivo. Na região Sul, a tilápia equivale a 86% de todos os peixes cultivados e tem participação de 43,4% na produção nacional, com 231.900 toneladas.

Da produção de 188 mil toneladas de peixes no Paraná, 182 mil são tilápias, o que garante, também nesse quesito, a liderança do Estado. A segunda colocação é de São Paulo, com 76.140 toneladas. O Paraná também tem registro de cultivo de 3,8 mil toneladas de peixes nativos, além de 2,2 mil toneladas de outras espécies, sobretudo carpas, trutas e pangas.

Segundo o Departamento de Economia Rural (Deral), a piscicultura movimenta cerca de R$ 1 bilhão por ano no Estado. A região Oeste concentra cerca de 70% da produção.

“Em 2021, a produção foi prejudicada em consequência da pandemia e da estiagem, que encareceu o custo de produção e reduziu as margens dos produtores e indústria, mas temos boas expectativas de que este ano o crescimento ganhe ritmo mais rápido”, disse o analista do Deral Edmar Gervásio.

Produção nacional de peixes

A produção nacional de peixes de cultivo, no ano passado, foi de 841.005 toneladas, um crescimento de 4,7% sobre as 802.930 toneladas de 2020. De acordo com a PeixeBR, que divulga o anuário desde 2014, o Brasil mantém uma média de crescimento anual de 5,6%, ainda que o consumo seja baixo, com menos de 5 quilos por pessoa ao ano.

Além das 534.005 toneladas de tilápias, o Brasil produziu 262.370 toneladas de peixes nativos (31,2% do total), com recuo de 5,85% em relação a 2020, enquanto carpas, trutas e pangas foram responsáveis por 5,3% da produção total de 2021, atingindo 44.585 toneladas, uma elevação de 17% sobre o resultado do ano anterior.

De acordo com a PeixeBR, a piscicultura envolve mais de 1 milhão de produtores, gera cerca de 1 milhão de empregos diretos e outros 2 milhões indiretos e, em 2021, movimentou R$ 8 bilhões.