FAEP inicia série de encontros para fortalecer lideranças rurais

FAEP


Por Antonio C. Senkovski

A cena se repetiu três vezes ao longo da última semana do mês de março e ainda irá acontecer mais seis oportunidades nas duas primeiras semanas de abril. Centenas de produtores rurais se reuniram com um entusiasmo típico de quem se orgulha por seguir sua vocação de produzir alimento. Nos dias 26, 27 e 28 de março, especificamente, foram centenas de líderes rurais das regiões Sudoeste, Oeste e Noroeste que participaram das três primeiras edições do 1º Encontro Regional de Líderes Rurais. Os eventos aconteceram respectivamente em Pato Branco, Assis Chateaubriand e Umuarama.

De evento em evento, logo após o bate papo da chegada, o clima fraterno tomou conta. Mesmo aqueles que nunca tinham se visto antes, se abraçaram em uma manhã inteira de reflexão sobre conquistas do passado, práticas do presente e estratégias para fortalecer ainda mais o futuro do sistema sindical rural. Dividida em mesas, a plateia vidrada mostrou o interesse nos temas debatidos: sustentabilidade sindical, liderança rural, sucessão no campo, entre outros.

A cada evento de debates intensos com os produtores, o presidente da FAEP, Ágide Meneguette, reforça que o trabalho de mobilização historicamente tem levado o Paraná a um papel de destaque no agronegócio. Ainda, o dirigente destacou a necessidade de avançar para manter esse posto.

“Temos motivo para nos orgulharmos. Se hoje o Paraná é visto como destaque do agronegócio, isso se deve ao trabalho feito pelos produtores mobilizados, os sindicatos rurais e a Federação. Cada um faz a sua parte nos seus municípios, o que permite ao Paraná seguir em frente. Temos que continuar com o fortalecimento de um sistema sindical nessa mesma direção na qual estamos trabalhando, sempre cumprindo um papel cada vez melhor em prol dos nossos interesses”, prioriza.

Meneguette cita conquistas como a manutenção do Código Florestal, os avanços sanitários com a caminhada rumo ao Paraná a se tornar área livre de febre aftosa sem vacinação, entre outros aspectos para exemplificar o quanto ter um sistema sindical robusto interfere positivamente na vida do produtor rural. “Eu tenho certeza que ninguém sozinho teria conseguido conquistas que viabilizam a rentabilidade, crescimento e desenvolvimento da atividade rural. Todos juntos temos relevância, representatividade e recursos para lutarmos pelos nossos interesses”, avalia.

Veja a matéria completa no Boletim Informativo.

Previous ArticleNext Article