Safrinha vira “safrona” após frustração com a soja

FAEP

A safra de verão no Paraná sofreu com os impactos climáticos e deve ficar até 20% abaixo do previsto inicialmente. De setembro de 2018 para cá, conforme os meses foram passando, o potencial de 19,6 milhões de toneladas foi caindo gradativamente para 16,4 milhões de toneladas. A produtividade média que em 2017/18 foi de 58,8 sacas por hectare, em 2018/19 deve fechar em torno de 50,2 sacas por hectare. Os dados são do Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria Estadual de Agricultura e Abastecimento (Seab).

Com essa frustração na oleaginosa, a segunda safra de milho, também conhecida como safrinha, virou uma “safrona” em importância. Com menos dinheiro em caixa, um bom rendimento no milho se tornou mais fundamental do que nunca para tentar reequilibrar as contas. Até o momento, o clima é de otimismo quanto ao potencial produtivo, com um aumento de 4% na área plantada e quase 40% a mais no volume produzido em relação ao ciclo passado.

O produtor rural Egon Portz, que tem suas atividades no município de Toledo, localizado na região Oeste que registrou o pior desempenho na temporada de verão, amargou perdas significativas com a quebra da safra de soja. Nos cerca de 300 hectares em que plantou a oleaginosa, a produtividade média caiu pela metade. No caso dele, a média ficou inferior a 20 sacas por hectare. “Foi muito desparelho. Num raio de dois quilômetros, tivemos produtividades bem diferentes, com os mesmos processos e tecnologia. Mas muita gente ficou no prejuízo”, disse.

Agora, Portz aposta todas as fichas na safrinha de milho, cujo plantio já foi feito e a lavoura segue em plena evolução, na fase de preenchimento dos grãos. A esperança do produtor é boa e, se o tempo continuar dando uma mãozinha, espera que a produtividade compense as perdas impostas pela quebra da safra de soja. “A expectativa é a melhor possível, porque foi usada tecnologia de ponta, plantamos na hora certa e o tempo está ajudando. Se o clima continuar favorecendo, a gente vai ter boa produtividade e pelo menos o custo de produção da safra vai estar garantido”, avalia.


Leia a matéria completa na Boletim Informativo.

Post anteriorPróximo post