Agronegócio
Compartilhar

Paraná completa 1 ano de área livre de febre aftosa sem vacinação

Status foi assinado em maio de 2021 em Paris, pela Organização Mundial de Saúde Animal. Selo auxilia na produção e exportação no estado.

Redação - 28 de maio de 2022, 10:00

(Foto: Gilson Abreu/AEN)
(Foto: Gilson Abreu/AEN)

O Paraná completou um ano da certificação de área livre de febre aftosa sem vacinação na sexta-feira (27). O status foi assinado em maio de 2021 em Paris, pela Organização Mundial de Saúde Animal.

Para o presidente da Fetaep (Federação dos Trabalhadores Rurais Agricultores Familiares do Estado do Paraná), Aparecido Calegari, a parceria entre iniciativa privada e estado foi essencial para conseguir a conquista.

“O esforço coletivo proporcionou avanços e benefícios, uma vez que esse reconhecimento abre mais mercados para a carne produzida no Paraná”, disse.

Ágide Meneguette, presidente do Sistema Faep/Senar, afirma que os resultados já apareecem, como a construção de um frigorífico da Frimesa em Assis Chateaubriand

“Percebemos que o produtor rural paranaense está cada vez mais engajado em crescimento, alavancado pelo status sanitário”, afirmou.

NOVOS NEGÓCIOS AO PARANÁ APÓS CERTIFICAÇÃO

A certificação de área livre de febre aftosa sem vacinação ao Paraná amplia a produção e exportação, com realização de novos negócios.

De acordo com Alexandre Monteiro, médico veterinário e analista da Ocepar (Organização das Cooperativas do Estado do Paraná), foram abertas relações comerciais com Japão e Coreia do Sul.

“As cooperativas têm feito um trabalho forte de aproximação desses mercados e têm tido alguns avanços comerciais. Temos condições de manter isso e ampliar a exportação para novos mercados e alcançar novas oportunidades comerciais”, afirmou.

O selo ainda trouxe mudanças no trabalho das cooperativas. “Elas têm intensificado os trabalhos de prevenção, sempre orientando os seus produtores, fazendo um trabalho de fomento a campo e incentivando a manutenção desse status, porque depois da conquista tem a manutenção”, acrescentou.