Paraná registra alta de 9,4% na indústria alimentícia em 2020

Redação

Paraná registra alta de 9,4% na indústria alimentícia em 2020

O setor de indústria alimentícia do Paraná registrou crescimento de 9,4% nos primeiros nove meses de 2020 em comparação ao mesmo período do ano passado.

Os números são da Pesquisa Industrial Mensal, divulgada pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia Estatística), na última terça-feira (10).

Somente no mês de setembro, o setor de indústria alimentícia registrou crescimento de 18,2% em comparação ao mesmo mês de 2019.

“O Paraná é um dos grandes produtores de alimentos do mundo e tem ganhando força também no processamento da produção agropecuária, o que traz um valor agregado a esses produtos. Mesmo com uma crise que impactou o mundo inteiro, nossa indústria alimentícia manteve a atividade intensa ao longo do ano”, explicou o governador Ratinho Junior.

O secretário estadual da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, apontou o vácuo externo no setor de alimentos causado pela crise sanitária, a grande produção agropecuária e os programas de transferência de renda dos governos federal e estadual como os principais fatores para essa alta.

Dentre os programas de transferência de renda, o Cartão Comida Boa conseguiu injetar R$ 113 milhões no comércio de alimentos do Paraná.

“As atividades de processamento de alimentos, desde as intervenções mínimas até os ultraprocessados, continuaram em uma velocidade enorme o ano inteiro, inclusive durante a pandemia. Vimos até mesmo um movimento de reabertura de agroindústrias que estavam fechadas, outras expandindo o nível de produção”, analisou Ortigara.

O faturamento do Paraná com carnes de aves frescas, refrigeradas ou congeladas são o segundo produto mais exportado pelo estado, representando 13% das exportações paranaenses, equivalentes a US$ 1,8 bilhão gerados nos nove primeiros meses deste ano.

“Com as atividades agrícolas em alta, a agroindústria também se manteve em crescimento durante o ano, aproveitando as oportunidades externas, já que houve uma desarticulação na produção de alimentos no mundo por causa da crise sanitária”, finalizou Ortigara.

LEIA MAIS: Paraná tem alta no comércio pelo quinto mês seguido

Previous ArticleNext Article