Nova técnica de manejo de bovinos promete reduzir estresse

Mariana Ohde


Bastões, chicotes e outros instrumentos usados para conduzir o gado podem gerar estresse e afetar a saúde e qualidade da carne. Para evitar o problema, uma nova técnica de manejo chega ao Brasil. A Nada nas Mãos, como é chamada, consiste na condução dos bovinos apenas com o olhar e os movimentos corporais do manejador, que se posiciona sempre no campo de visão do animal.

Um dos pioneiros da técnica é o brasileiro Paulo Loureiro, líder de Desenvolvimento Comercial e Inovação Global de Bovinos e Equinos da Zoetis.

“Sempre tive respeito e amor pelos animais, então comecei a observá-los desde criança. Aprendi a manejar o gado intuitivamente, iniciando na fazenda da minha família. Cursei Medicina Veterinária e desenvolvi a minha técnica ao longo dos anos. Se existe um segredo, talvez seja tentar sempre ganhar a confiança dos animais, a começar pelos líderes. O objetivo maior é sempre gerar bem-estar e segurança, tanto para os bovinos quanto para os manejadores”, afirma.

Segundo Loureiro, os animais precisam se sentir confortáveis onde vivem. “Quando removemos fatores de estresse e nos portamos como guias, os bovinos passam a confiar no manejador e ficam mais tranquilos. Desta forma, é mais fácil detectar doenças em estágio inicial, uma vez que os bovinos aprenderam a esconder sintomas para não serem deixados para trás pelo rebanho. É um mecanismo de defesa da própria evolução da espécie”, explica.

Executivo Paulo Loureiro da Zoetis - Cr+®ditos fot+¦grafo Leandro Souza 2

Efeitos nocivos

Um estudo da Universidade Estadual do Kansas (EUA) comparou dois grupos de bovinos de confinamento no transporte para o abate: um grupo submetido a manuseio com baixo nível de estresse e o outro com alto nível.

No segundo grupo ficou comprovado o impacto negativo nos processos metabólicos dos animais, com aumento considerável das concentrações de hormônios do estresse. Ao final, tais alterações metabólicas pré-abate geraram carcaças de pior qualidade, com alterações de pH devido à mobilização de glicogênio dos tecidos (Hagenmaier et al, 2015*).

O estresse também pode afetar a eficácia da vacinação e ganho de peso de bovinos, como verificou uma pesquisa com 528 bezerros submetidos a desmame e transporte, também divididos em dois grupos. Os animais vacinados após 14 dias de aclimatação apresentaram melhor resposta à vacina e maior ganho de peso no período (1,16 kg vs. 0,88 kg) do que os que foram vacinados na chegada ao destino, em condições de aumento de estresse.

 

Previous ArticleNext Article
Mariana Ohde
Repórter no Paraná Portal
[post_explorer post_id="5500" target="#post-wrapper" type="infinite" loader="standard" scroll_distance="0" taxonomy="category" transition="fade:350" scroll="false:0:0"]