Após Carne Fraca, frigoríficos fecham as portas e demitem 300 no PR

Plantao Agronegocio


Os frigoríficos Souza Ramos e Master Carnes, ambos em Colombo, município da Região Metropolitana de Curitiba (RMC), fecharam as operações nesta quarta-feira (22). O encerramento das atividades ocorre após cinco dias da deflagração da Operação Carne Fraca, da Polícia Federal (PF), em que são investigados.

De acordo com os frigoríficos, o fechamento das empresas decorre de problemas financeiros causados pela investigação da PF. Na manhã desta quarta-feira, cerca de 300 empregados faziam fila em frente às unidades para assinatura dos avisos prévios. Além dos empregos diretos, as empresas estimam que outros 300 empregos indiretos também sejam prejudicados.

> Sociedade Rural critica “denúncia generalizada”

O frigorífico Souza Ramos é investigado pela PF por ter fornecido às escolas estaduais, via licitação com a Secretaria Estadual de Educação (Seed), salsinhas de frango em produtos etiquetados como peru. Na época, ainda em 2014, o denunciante questionou como seria possível que uma empresa local conseguisse fornecer o mesmo produto por preço abaixo do custo industrial e solicitou exames de DNA do produto fornecido. As análises apontaram a presença de frango nas salsichas que deveriam ser de peru.

Já o frigorífico Master Carne é investigado por injetar produtos cárneos e foi citado como Central de Carnes Paranaense na operação da PF. As duas empresas ainda não se pronunciaram sobre as acusações da PF.

> Exportação de carne despenca depois da Operação Carne Fraca

Além dos dois frigoríficos, outros 19 são investigados pela PF entre eles algumas das maiores empesas do setor de alimentos, como JBS, BRF e Peccin.

Por conta das denúncias, alguns dos maiores importadores de carne brasileira suspenderam as importações, como a União Europeia, a China e a África do Sul. Outros países, como o México, o Japão, Chile, Suíça, China e Hong Kong, anunciaram restrições. A Coreia do Sul chegou a anunciar a suspensão de importação de frango, mas voltou atrás.

Férias coletivas

Depois da operação Carne Fraca, a BRF Brasil Foods anunciou que cerca de 1,7 mil funcionários entraram em férias coletivas. Os trabalhadores atuam na linha de produção da marca Sadia em Toledo, no oeste do Paraná. Segundo a empresa, a fábrica vai passar por uma reforma de modernização que deve durar 15 dias. De acordo com a BRF, a paralisação não está relacionada a operação.


Operação Carne Fraca

A Polícia Federal  (PF) deflagrou na última sexta-feira (17) a Operação Carne Fraca, com o objetivo de desarticular uma organização criminosa liderada por fiscais agropecuários federais e empresários do agronegócio.

Fraude em frigoríficos preocupa cadeia produtora e pode afetar exportações

A operação detectou, em quase dois anos de investigação, que as Superintendências Regionais do Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (Mapa) no Paraná, Minas Gerais e Goiás atuavam diretamente para proteger grupos empresariais em detrimento do interesse público.

Previous ArticleNext Article