Porto de Paranaguá prevê crescimento de 11% nas exportações de grãos no primeiro trimestre

Redação

Porto de Paranaguá prevê crescimento de 11% nas exportações de grãos no primeiro trimestre

O Porto de Paranaguá tem a expectativa de crescimento de 11% na movimentação das exportações de grãos no primeiro trimestre deste ano, saltando de 5,47 milhões de toneladas para cerca de 6 milhões de toneladas.

Dentro dessa previsão estão as exportações de soja, farelo de soja, milho e açúcar.

“Para atender essa demanda vamos precisar do Corredor de Exportação funcionando 100%. O objetivo é ter máxima produtividade nos três berços a leste do cais e ainda contar com o berço 201, no corredor oeste, e o berço 204”, explicou o diretor de operações da Portos do Paraná, Luiz Teixeira da Silva Júnior.

No ano passado, os berços 201 e 204 do Porto de Paranaguá apresentaram aumento no calado – profundidade para o navio navegar enquanto carregado, chegando a 12,5 metros.

Outro avanço é que neste ano irá começar a operação no Corredor Oeste de Exportação do Porto de Paranaguá. O terminal que se interliga no local é da Cavalca Administração Portuária (CAP), empresa que trabalha principalmente com soja (grão e farelo).

“A operação simultânea de dois corredores de exportação, no Porto de Paranaguá, vai possibilitar mais agilidade nos carregamentos, potencialmente diminuindo o tempo de espera dos navios”, explicou o gerente-geral do terminal, Eulisses Zagonel Machado.

Também interligado ao Corredor Oeste está o terminal da Bunge, que tem a expectativa de exportar no primeiro trimestre do ano 415 mil toneladas de grãos, sendo 235 mil em farelos de soja e 180 mil da soja em grão, números 87% superiores aos registrados no mesmo período de 2019.

Por fim, a Pasa tem a expectativa de exportar 770 mil toneladas de granéis, sendo 420 mil toneladas de soja e 350 mil de açúcar. Somente as exportações de soja são 121% superiores aos números contabilizados no primeiro trimestre do ano passado.

LEIA MAIS: Seca histórica no Paraná atrasa plantio e pode comprometer próximas safras de grãos

Previous ArticleNext Article