Apenas neste ano, portos do Paraná já receberam navios de 48 nacionalidades

Redação


Apenas em 2020, os portos do Paraná já receberam navios de 48 nacionalidades. De janeiro até setembro, 1.845 atracações aconteceram nos terminais de Paranaguá e Antonina. A bandeira mais frequente foi a da República das Ilhas Marshall, um pequeno país da Oceania, presente em 273 embarcações.

Depois das Ilhas Marshall, as bandeiras que mais apareceram nas atracações nos portos paranaenses foram da Libéria (271), do Panamá (254), Hong Kong (188), Malta (166) e Cingapura (144).

Navios brasileiros também apareceram bastante – 72 atracações. É a oitava bandeira que mais esteve entre as nacionalidades dos navios atracados em Paranaguá e Antonina.

TRIPULAÇÃO MAIS FREQUENTE NOS PORTOS DO PARANÁ

Quanto à nacionalidade das tripulações, a mais frequente é a filipina. Um levantamento feito por amostragem, entre março e agosto, mostrou que 32% dos trabalhadores embarcados nos navios que passaram pelo Paraná eram filipinos. Na sequência, aparecem os indianos, ucranianos, brasileiros e russos.

Os dados foram levantados internamente, a partir das listas de desembarques definitivos dos tripulantes, durante a pandemia. Ou seja, nos casos que os tripulantes desembarcaram nos portos paranaenses por que deixaram de fazer parte da tripulação do navio, geralmente por motivo de encerramento de contrato de trabalho, e retornaram aos seus países de origem por via aérea.

DESTINOS DAS EXPORTAÇÕES

Segundo o Ministério da Economia, o principal destino das exportações que deixaram o Brasil pelos portos de Paranaguá e Antonina é a China. O país asiático recebeu mais de 47% dos produtos embarcados no Paraná. Em seguida, aparecem como principais importadores os Países Baixos (Holanda), Coreia do Sul, França, Irã e Bangladesh, respectivamente.

Quanto à origem das importações que chegam pelos portos paranaenses, as mais frequentes são os Estados Unidos, de onde vêm quase 19% do volume de cargas. Também estão entre os países de origem a Rússia, China, Marrocos, Canadá e Belarus.

Previous ArticleNext Article