Agronegócio
Compartilhar

Produção de grãos deve atingir 272,5 mi de toneladas no Brasil

Levantamento da Conab foi divulgado nesta quinta-feira (7). Milho e sorgo podem ter recorde de produção ao considerar toda a série histórica.

Redação - 07 de julho de 2022, 12:42

(Foto: Divulgação/Mapa)
(Foto: Divulgação/Mapa)

A produção de grãos deve atingir 272,5 milhões de toneladas no Brasil, durante o ciclo 2021/2022. É o que indica o levantamento publicado nesta quinta-feira (7) pela Conab (Companhia Nacional de Abastecimento). O número indica um crescimento de 6,7% em relação ao período passado.

Com cerca de 60% do milho 2ª safra em maturação e 28% colhidos, a colheita total do cereal está estimada em 115,6 milhões de toneladas, volume 32,8% superior ao ciclo passado.

Apenas na 2ª safra da cultura, o aumento chega a 45,6% da produção, chegando próximo a 88,4 milhões de toneladas. Se confirmado o resultado, será a maior produção de milho 2ª safra registrada em toda a série histórica.

Outro grão que tende a registrar recorde na produção é o sorgo, com colheita estimada em mais de 3 milhões de toneladas. O produto é utilizado na preparação de ração para animais, principalmente frango, e tem como vantagem ser mais resistente à estiagem.

No caso do feijão, a produção total está estimada em 3,1 milhões de toneladas. Já as lavouras de arroz e soja foram impactadas pela estiagem ocorrida no Sul do país e em parte do Mato Grosso do Sul. Segundo a Conab, a produção da oleaginosa é de 124 milhões de toneladas, enquanto que para o arroz a colheita estimada é de 10,8 milhões de toneladas.

MERCADO DOS GRÃOS

No levantamento referente ao mercado, soja e algodão apresentaram queda, que já era esperada pela diminuição na produção desses grãos.

Por outro lado, os estoques de arroz e feijão aumentaram aproximadamente 10% para os dois produtos, em relação ao relatório anterior. A estimativa é que a safra atual encerre com estoque de passagem de 2,2 milhões toneladas de arroz e de 278,3 mil toneladas de feijão.

As estimativas para o milho também aumentaram, com exceção do estoque final, que teve redução de 1,19% em relação ao levantamento anterior, sendo esperado um volume de 10,4 milhões de toneladas ao final do ano safra.

No que se refere à comparação com a safra 2020/21, o destaque é para o menor volume de importação total, queda justificada pela maior disponibilidade do cereal no atual ciclo, o que deverá reduzir substancialmente as importações no segundo semestre em relação ao mesmo período de 2021.

Para o trigo, além da produção, foram revisados o quantitativo a ser exportado, que passou de 3,15 milhões de toneladas para 3,2 milhões de toneladas, e a estimativa de importação, que reduziu em 500 mil toneladas.

Com isso, os estoques finais esperados para a safra 2021 a ser finalizada esse mês é de 490 mil toneladas.

Para a safra 2022/2023, a expectativa é que haja uma recuperação dos estoques, que foram estimados em 1,25 milhão de toneladas neste levantamento.