Ministério encontrou bactérias e pragas em sementes misteriosas entregues no Paraná

Redação

adapar, alerta, sementes que podem causar pragas, agricultura, impacto, paraná

Segundo a Adapar (Agência de Defesa Agropecuária do Paraná), foram encontradas bactérias e possíveis pragas nas sementes misteriosas que foram entregues no Paraná e em outros estados do país. Desde setembro, quando foram registrados os primeiros casos, foram coletados 34 pacotes de origem asiática.

As sementes foram recebidas por moradores de 21 municípios do Paraná sem que houvesse nenhum tipo de solicitação. Segundo o gerente de Sanidade Vegetal da Adapar, Renato Rezende Young Blood, as sementes misteriosas representam risco para a economia do Paraná.

Já que a chegada da planta, ainda não identificada, pode representar pragas, doenças e até mesmo plantas daninhas que não existem no país, capazes de causar prejuízos à agricultura e ao meio ambiente.

Após o alerta expedido pela Adapar, diversos pacotes foram recebidos e encaminhados para o Ministério da Agricultura para análise. Nas sementes, foi identificada a presença de ácaros, fungos, bactérias e possíveis pragas. No total, foram 258 amostras coletadas no Brasil.

Os únicos estados que ainda não registraram o recebimento do material foram Maranhão e Amazonas.

VEJA CIDADES DO PARANÁ QUE RECEBERAM SEMENTES MISTERIOSAS

Os casos foram registrados nas seguintes cidades do Paraná:

  • Curitiba (9);
  • Colombo (1);
  • São José do Pinhais (1);
  • Campo Mourão (2);
  • Guarapuava (1);
  • Paranavaí (4);
  • Marechal Cândido Rondon (1);
  • Cascavel (1);
  • Maringá (2);
  • Londrina (1);
  • Fazenda Rio Grande (1);
  • Mauá da Serra (1);
  • Ponta Grossa (1);
  • União da Vitória (1);
  • Pato Branco (1);
  • Icaraíma (1);
  • Iporã (1);
  • Marmeleiro (1);
  • Rolândia (1);
  • Jacarezinho (1);
  • Palmeira (1);
Divulgação/Adapar

DOIS MORADORES PLANTARAM AS SEMENTES

No Paraná, também foram registrados dois casos de pessoas que plantaram as sementes, em Maringá e Londrina, na região norte e noroeste do Paraná. Segundo o gerente de Sanidade Vegetal da Adapar, há medidas específicas com relação às plantas eventualmente originadas do material importado.

“Quando isso ocorre, os fiscais têm ido ao local e coletado todas as plantas, incluindo raízes, substrato e amostra do solo”, diz. O material é encaminhado ao Centro de Diagnóstico Marcos Enrietti, laboratório da Adapar, onde serão feitas análises para identificar a eventual ocorrência de pragas.

“Também são realizados estudos a fim de possibilitar a identificação botânica do material, para indicar qual é a espécie da planta. Isso nos possibilitará saber se ela é daninha ou não”, acrescenta Renato.

Divulgação/Adapar

ORIENTAÇÃO

A Adapar orienta que os pacotes de sementes importadas não devem ser abertos, descartados e, muito menos, utilizados. Quem receber esse tipo de encomenda deve procurar uma unidade da Adapar mais próxima, ou do Ministério da Agricultura.

Também pode entrar em contato com a Adapar pelo telefone (41) 3313-4000 ou pelo Fale Conosco, disponível em www.adapar.pr.gov.br.

Previous ArticleNext Article