Avatar

Angelo Sfair - BandNews FM Curitiba

acidente ambulancia, acidente ponta grossa, ambulancia, prf, policia rodoviaria federal

Motorista de ambulância morre em acidente na BR-376

O motorista de uma ambulância morreu e duas pacientes ficaram feridas após o veículo bater na traseira de um caminhão, em Ponta Grossa, nos Campos Gerais do Paraná. O acidente aconteceu nesta madrugada, às 3h30, na altura do quilômetro 465 da BR-376.

Segundo a PRF (Polícia Rodoviária Federal), a ambulância pertence ao município de Umuarama, na região noroeste, e transportava mãe e filha para um hospital de Curitiba. A mulher de 38 anos foi encaminhada em estado grave para o Hospital Regional de Ponta Grossa. A adolescente tem 16 anos, faz tratamentos de saúde na capital, e sofreu ferimentos mais leves.

De acordo com a Prefeitura de Umuarama, o quadro de saúde delas é estável, mas não há previsão de alta.

O motorista da ambulância morreu na hora. O IML (Instituto Médico-Legal) foi acionado para fazer os exames de perícia. Benedito Soares trabalhava como motorista na Prefeitura de Umuarama desde 2010. Funcionário da Secretaria Municipal de Assistência, ele estava cedido para a Secretaria de Saúde.

obras paradas linha verde curitiba prefeitura construtora empreiteira suspensa contrato rompido Luiz CostaSMCS

Prefeitura comunica a rescisão de contrato com a construtora responsável por obras na Linha Verde

A Prefeitura de Curitiba anunciou nesta terça-feira (13) que está próxima de romper o contrato com a construtora Terpasul, responsável pelas obras da Linha Verde. Segundo a administração municipal, a empreiteira abandonou a obra sem justificativa razoável. Diz a Prefeitura que dois dos três lotes finais da Linha Verde já deveriam ter sido entregues.

A expectativa é de que uma nova licitação seja viabilizada até o final do ano. Ou, então, que o contrato simplesmente seja repassado às segundas colocadas das concorrências para os lotes 3.1, 3.2 e 4.1

O prefeito Rafael Greca (DEM) convocou a imprensa para uma entrevista coletiva e sustentou que o município realizou 144 notificações à empresa responsável pela obra, mas não houve avanços nas negociações.

“Era uma obra de R$ 171 milhões que eles tinham direito. R$ 76 milhões ainda não foram executados. Nunca deixamos de pagar em dia. Vemos com muita apreensão a lentidão que as obras estão sendo executadas. Por isso, vamos pedir uma perícia aos agentes financiadores e, em seguida, ou relicitar ou transferir aos segundos colocados da licitação”, disse Greca.

A construtora Terpasul aponta erros no projeto da Linha Verde e argumenta que as mudanças inviabilizaram financeiramente a execução das obras. O presidente do Ippuc (Instituto de Pesquisa e Planejamento Urbano de Curitiba) Luiz Fernando Jamur defende que todas as alterações no projeto foram justificadas e corretas.

“A Prefeitura, no caso contratante, está negociando o tempo inteiro em cima de um cronograma financeiro. Se algo está obstaculizando o cumprimento do que foi proposto, a própria Prefeitura propõe uma alteração. Nós fizemos isso por várias vezes com anuência do agente financiador. Porém, não justifica-se o não cumprimento do contrato na forma como está”, ponderou Jamur.

O secretário de Obras Públicas, Rodrigo Rodrigues, afirma que não é possível estipular um prazo para o início ou a conclusão dos trabalhos. Segundo ele, para que as obras sejam retomadas, será necessário desenhar praticamente um novo projeto para estes lotes da Linha Verde.

“A gente tem que fazer esse levantamento de tudo o que ficou para ser feito, reorçar, e então fazer uma nova licitação ou convocar a segunda colocada. Então não tem como dar um prazo agora”, explicou Rodrigues.

A empreiteira vencedora da licitação promete judicializar o rompimento do contrato. A Terpasul se embasa em relatórios do Tribunal de Contas da União para justificar o descumprimento dos prazos nas obras da Linha Verde.

Segundo a Procuradoria-Geral do Município, as ações movidas pela construtora não impedem a Prefeitura de tomar essa atitude. A PGM espera concluir um novo processo licitatório em até quatro meses.

dirceu krüger nome de rua projeto câmara municipal de curitiba vereadores Foto Rodrigo FonsecaCMC

Dirceu Krüger pode virar nome de rua em Curitiba

Ídolo do futebol paranaense, Dirceu Krüger pode virar nome de rua na capital. O assunto será debatido na CMC (Câmara Municipal de Curitiba) na próxima quarta-feira (7).

O ‘Flecha Loira’ morreu em abril deste ano, aos 74 anos, dos quais 54 anos foram dedicados ao Coritiba.

O projeto que homenageia o curitibano será debatido em Plenário na Câmara Municipal de Curitiba. A votação em primeiro turno está marcada para depois de amanhã. No entanto, ainda não foi definida a rua que receberá o nome de Dirceu Krüger caso a proposta seja aprovada.

O ‘Flecha Loira’ disputou mais de 250 partidas oficiais com a camisa alviverde, mas também soma mais de 180 partidas como treinador. Ele ainda passou por vários outros cargos no departamento administrativo e esportivo do Coritiba.

Curitiba distribui ração e promove ações para estimular a adoção de animais

Depois de sancionar a lei que permite o recebimento de ração para cães, gatos e outros animais, a Prefeitura de Curitiba detalhou como irá repassar o material para ONGs e protetores independentes. A medida foi anunciada ontem (05) à noite junto a outras ações que pretendem incentivar a adoção e guarda-responsável de animais. Os trabalhos são coordenados pela Rede de Proteção Animal, vinculado à Secretaria Municipal do Meio Ambiente.

De acordo com a secretária Marilza Oliveira Dias, o objetivo central da campanha é estimular a adoção consciente, ao mesmo tempo em que se oferece a estrutura necessária para atender os animais.

No site da Rede de Proteção Animal é possível encontrar contatos e endereços do Centro de Referência para Animais em Situação de Risco (Crar), de ONGs e de protetores. Todos são capacitados para avaliar e encaminhar os processos de adoção.

Ao mesmo tempo em que estimulam a adoção e guarda-responsável, as campanhas também apontam para a necessidade de controle da população animal de rua. O prefeito Rafael Greca (DEM) destaca que quase 30 mil castrações foram realizadas nos últimos dois anos por meio do Programa Municipal de Castração Gratuita.

“A castração representa a saúde animal. Nós também perseguimos com o Samu animal, ambulância para cachorro, gato, já recolheu coelho e até galo de briga. Mais do que isso, firmamos convênios com as universidades para que as clínicas de proteção animal possam dar a eles a devida proteção”, comenta o prefeito.

Por meio do convênio com a Medicina Veterinária da Universidade Federal do Paraná (UFPR), mais de 5,5 mil avaliações gratuitas foram realizadas desde 2017. De lá para cá, mais de 7,5 mil denúncias de maus-tratos foram atendidas pelas equipes da Rede de Proteção Animal. Neste ano, desde o início da parceira com a Delegacia de Proteção ao Meio Ambiente, 378 animais foram resgatados.

Pacientes com diabetes tipo 2 são convidados a testar nova medicação em Curitiba

Pacientes com diabetes do tipo 2 são convocados para participar das pesquisas de desenvolvimento de uma nova medicação. O Centro de Diabetes de Curitiba (CDC), no Hospital Nossa Senhora das Graças (HNSG), acredita que o remédio possa reduzir complicações da doença. Entre os riscos para os pacientes que convivem com esse distúrbio está o infarto e o AVC, além de problemas nos rins, na visão e picos dos níveis de açúcar no sangue. Todo o tratamento é gratuito.

Para participar da pesquisa o interessado precisa cumprir alguns pré-requisitos: ter o tipo 2 da doença, mais de 18 anos, nunca ter tomado insulina e fazer o uso de medicamento via oral. O projeto dura um ano e, neste período, o paciente deve comparecer regularmente ao Centro de Diabetes de Curitiba.

De acordo com os pesquisadores, o estudo vai possibilitar diagnósticos mais precisos da doença. Essa etapa da investigação, com testes em humanos, vai verificar os efeitos clínicos e identificar as reações do organismo para comprovar a segurança e eficácia da nova medicação.

O Centro de Diabetes Curitiba fica no Hospital Nossa Senhora das Graças, na Avenida Manoel Ribas, número 1.226, nas Mercês. Os interessados podem entrar em contato com o grupo, em horário comercial, pelo telefone (41) 98504-2936. Mais informações também estão disponíveis no site www.centrodediabetescuritiba.com.br.

Retorno da cerveja aos estádios pode gerar 600 empregos imediatos

A decisão do Tribunal de Justiça (TJ-PR) que autoriza novamente a venda de cerveja dentro dos estádios paranaenses pode ajudar a criar 600 empregos diretos de forma imediata. Ontem (20) à noite, por 18 votos a 4, o Órgão Especial do TJ considerou constitucional a lei aprovada em 2017, pela Assembleia Legislativa (Alep), que regulamenta a venda de bebidas alcoólicas dentro das praças esportivas do estado. Desta forma, foi derrubada a liminar que suspendia os efeitos da lei – e consequentemente proibia a venda – desde março do ano passado.

A decisão foi comemorada não só por torcedores, mas também por grupos como Associação das Microvervejarias do Paraná (Procerva-PR) e o Sindicato das Empresas de Gastronomia e Entretenimento Município de Curitiba (Sindiabrapar). Representante de empresários do setor, Fábio Aguayo afirma que não é justo punir todos os torcedores em detrimento de uma minoria:

“A maioria das pessoas que frequentam estádio de futebol no Paraná querem curtir seu lazer e torcer para seu time. Nós, que somos empresários desse setor, vamos fazer nossa parte e contratar gente para atender toda essa demanda. As pessoas acham que as pessoas vão ficar loucas, embriagadas… Não consegue beber tanto no estádio”, diz.

O presidente do Sindiabrabar destaca que a cerveja está presente em todo o mundo esportivo. Ele diz que a cerveja não é culpada pela violência relacionada ao futebol:

“Vamos pegar aqueles que causam transtorno e favorecer aqueles que vão em paz aos estádios. No Brasil não somos diferentes da população mundial”, avalia.

Fábio Aguayo destaca que há mais de 400 pontos de comércio dentro dos estádios e praças esportivas do Paraná. A entidade que ele representa espera a contratação imediata de ao menos 600 funcionários para atender a nova demanda. Ele também aponta que a venda da cerveja e do chope dentro do estádio pode ajudar a combater o comércio ilegal e o consumo excessivo de álcool:

“Vamos favorecer os clubes de futebol, acabar com o comércio clandestino. Muitas pessoas usavam o álcool em excesso antes de entrar no estádio”, completou.

A venda da cerveja e do chope nos estádios estava suspensa desde março de 2018, a pedido do Procurador-Geral de Justiça do Paraná. Na decisão, o órgão especial do TJ afirma que “a comercialização de bebidas no interior dos estádios e arenas desportivas não se mostra inconveniente, mas compatível com o dever do Estado de respeitar a liberdade dos cidadãos de consumir substâncias licitamente produzidas”.

Por 18 votos a 4, o Órgão Especial do TJ-PR entendeu que o comércio de bebidas não representa risco à segurança dos frequentadores dos estádios. Ao Ministério Público (MP-PR) ainda cabe recurso. Os procuradores podem contestar a decisão no Supremo Tribunal Federal.

Câmara arquiva processo de cassação de Katia Dittrich

Acusada de ficar com parte dos salários dos funcionários do gabinete, a vereadora Katia Dittrich (SD) teve o processo de cassação arquivado. O Conselho de Ética da Câmara Municipal de Curitiba (CMC) acatou uma determinação do Tribunal de Justiça do Paraná (TJ-PR). O TJ acatou os argumentos da defesa da parlamentar, que apontou irregularidades no andamento do processo de investigação.

A Comissão Processante instalada na Câmara Municipal para avaliar as acusações concluiu que o pedido de cassação deveria ser levado ao Plenário. A sessão até foi marcada, mas nunca aconteceu. A parlamentar conseguiu na Justiça a suspensão da votação.

Katia Dittrich argumentou que a Câmara Municipal não respeitou as datas determinadas pelo regimento interno. A sessão plenária que decidiria pela cassação ou absolvição foi marcada após o encerramento do prazo limite. Desta forma, todo o processo foi considerado irregular. Em 2017, ex-funcionários de Katia Dittrich acusaram a vereadora de exigir uma contribuição compulsória e com ameaças de exoneração.

A parlamentar sempre negou as acusações. A BandNews FM entrou em contato com o gabinete da parlamentar e de outros três vereadores que compunham a Comissão Processante: Cristiano Santos (PV), Toninho da Farmácia (PDT) e Osias Moraes (PRB). Nenhum vereador responde aos pedidos de informações.

Câmara envia recomendação à Prefeitura para redução de valor das diárias de servidores em viagem

 

A Câmara Municipal enviou à Prefeitura de Curitiba uma recomendação para que o valor das diárias para alimentação e transporte de servidores em viagem seja reduzido em 40%. A sugestão é do vereador Professor Euler (PSD), que falou sobre o assunto em Plenário.

Ele justificou a sugestão apontando alguns gastos do prefeito Rafael Greca (DEM) em viagens para São Paulo e Gramado. O chefe do Executivo chegou a gastar R$ 1.300 em um mesmo dia (R$ 600 para o almoço e R$ 700 para o jantar). O prefeito, por meio de nota, explicou que as notas somam os gastos dele e de assessores que o acompanhavam.

Considerando o valor exagerado, o vereador sugere a redução da diária de R$ 500 para R$ 300. “Fui a plenário para fazer uma sugestão, nada em tom de denúnicia. Reduzir em 40% as diárias para o prefeito, secretários e superintendentes. A diária de viagem do prefeito para Brasília é de R$500,00, para alimentação e transporte. Eu acho que não precisa desse valor. Com R%300,00, daria para almoçar e utilizar um serviço de táxi”.

Professor Euler apresentou em Plenário as notas disponíveis no Portal da Transparência. Para o vereador, alguns gastos que não são considerados “razoáveis” por ele. “Mesmo que estivesse dentro da legalidade, eu acho que é imoral quando é feito com dinheiro público. Se a pessoa quer pagar 700 reais com o dinheiro próprio, cada um faz o que quer com os próprios recursos. Mas quando o dinheiro é público aí sim é função de um vereador, ou seja, minha função, fiscalizar e evitar que isso aconteça”, disse ele.

Euler ainda aponta que Greca e os assessores gastaram os R$ 1.300 em um único dia, em um intervalo de poucas horas. O parlamentar aponta que o valor não corresponde à realidade brasileira.  “Se você pega R$600,00 para almoço e R$700,00 para jantar, isso dá R$1.700,00 no dia.  Ainda que seja para duas pessoas, é muito. Quando analisamos esse valor, percebemos que esse é o orçamento de muitas famílias do Brasil. Muitas famílias não ganham isso num mês. A merenda aqui em Curitiba é de R$3 reais por criança.  Esse valor daria para pagar a merenda para 400 crianças. Existem parâmetros que nós podemos usar para comparar que esse valor está fora da realidade. Não é razoável gastar um valor desses com o dinheiro público”.

Foto: Rodrigo Fonseca/CMC)

A prefeitura diz que a prestação de contas e as notas fiscais foram descontextualizadas. A administração reforça, em nota, que os gastos se referem à soma das despesas do prefeito e demais servidores que também têm direito a diárias.

O valor das diárias, estabelecido em 2013, permite que prefeito e servidores do primeiro escalão gastem R$ 500 por dia quando estão em viagens oficiais em Brasília; R$ 400 quando estão em outras capitais; e R$ 225 em cidades do interior.

Apesar do nome “diária”, uma brecha no texto da resolução permite que o pagamento antecipado considere a somatória de todos os dias da viagem. Ou seja, os valores não usados em um dia ficam acumulados, segundo a prefeitura, “de forma dar flexibilidade às exigências de cada viagem”.

Motorista esquece o BO, tem carro guinchado após furto, e precisa arcar com os custos

Um homem que teve o carro furtado e depois guinchado — porque os ladrões estacionaram em local proibido — reclama que precisou pagar quase R$ 2,5 mil para recuperar o veículo. Segundo a vítima, ele só soube que o carro havia sido confiscado quando foi notificado de que bem poderia ser leiloado. Para evitar o prejuízo maior ele pagou as taxas e as diárias cobradas pela Superintendência de Trânsito, e agora vai buscar na Justiça o ressarcimento dos gastos.

O caso, apesar de inusitado, não é inédito. O problema foi que a vítima não acionou a Polícia Militar para fazer a denúncia do furto. E o Boletim de Ocorrência na Polícia Civil foi feito no dia seguinte, quando o carro já havia sido guinchado.

O delegado Erick Tutia Guedes, titular da Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos (DFRV), orienta os motoristas a acionarem primeiro a Polícia Militar. Essa é a forma mais rápida de realizar o “alerta” de roubo. “Logo que o carro for furtado faça este alerta pelo 190 e ali a pessoa ganha 24 horas para fazer o BO na delegacia. É importante que seja o proprietário e que tenha todos os dados do veículo para que seja colocado o alerta d.e furto no sistema.”

O alerta de roubo é fundamental para evitar situações como a que foi registrada. De acordo com a Secretaria Municipal de Defesa Social e Trânsito de Curitiba (Setran),  o cidadão não passaria por essa ‘dor de cabeça’. Isso porque veículos com alerta de furto ou roubo não são levados para o pátio do município, a fiscalização entra informa com a polícia que toma as devidas providências.

A remoção do carro em questão aconteceu no dia 20 de março, às 14h36, na Rua Rockfeller, no bairro Rebouças. Treze minutos mais tarde, às 14h49, a Setran comunicou a Delegacia de Furtos e Roubos de Veículos. O Boletim de Ocorrência só foi realizado no final da tarde daquele dia.

O motorista deve entrar na Justiça para evitar o pagamento das diárias pelo período em que o carro ficou no pátio da Setran e da multa por estacionar em local proibido.

Com apoio do Amigos do HC, hospital ganha Centro Obstétrico humanizado

 

O novo Centro Obstétrico do Hospital de Clínicas (HC) já está funcionando. Renovado, o espaço agora é mais acessível e moderno. As reformas também permitem a realização de partos humanizados para as gestantes que assim desejam dar à luz. As reformas foram viabilizadas pela organização Amigos do HC, que captou mais da metade do total investido nas obras.

O presidente da associação, Pedro de Paula Filho, conta que o Centro Obstétrico também ganhou mais 650 metros quadrados.”Contempla cinco salas de cirurgias, as salas pós-atendimento, inclusive para mulheres e mães portadoras de necessidades especiais. Temos agora suítes com banheiras de hidromassagem para os partos humanizados. Isso vai trazer mais condições de atendimento para a parturientes e para a sociedade em geral. Todos os nosso paranaenses que nascerem no hospital, estão terão acesso à condições físicas de atendimento”, diz ele.

A associação Amigos do HC, como parte da sociedade civil organizada, diz ter como missão buscar pessoas e empresas interessadas a ajudar o complexo. “Especificamente as novas instalações do centro obstétrico, nós começamos ano passado o projeto. Fomos buscar parceiras porque o custo aproximado foi de R$1 milhão e 200 mil reais”, conta.

No momento em que as universidades federais sofrem com a precarização – como o corte de 30% na verba para custeio e investimentos das instituições federais anunciado pelo MEC – Pedro de Paula Filho reforça que o Hospital de Clínicas pertence à UFPR e que todos os serviços oferecidos à população são gratuitos.

A associação Amigos do HC destaca que as melhorias também ajudam a capacitação dos profissionais. “Cada equipamento, cada melhoria que você coloca no hospital reflete na qualidade oferecida ao paciente e para o familiar que o acompanha. Mas acima de tudo, melhora a formação dos profissionais que estudam aqui. Médicos, enfermeiros, técnicos, usam essa estrutura para a formação”, lembra.

Uma cerimônia realizada hoje (10) pela manhã celebrou a entrega da revitalização do Centro Obstétrico. O espaço agora conta com cinco salas cirúrgicas com piso condutivo; sala de Recuperação Pós Anestésica; quatro salas para pré-parto, parto e pós-parto; sala de tratamento para gestantes de alto risco e sala de reanimação de recém-nascidos.